segunda-feira, 4 de abril de 2011

Festão: Show de Zé Ramalho em Jequitinhonha

Festão: Show de Zé Ramalho em Jequitinhonha A festa, das maiores que já vi aqui na região, aconteceu em Jequitinhonha no sábado, 2 de abril com Zé Ramalho dando um tom saudosista e meio retrô acompanhado por uma enorme e entusiasmada multidão que enchia todos os espaços vagos e, literalmente, transbordava da Praça de Eventos. ******************************************************************** Foi surpreendente. Zé Ramalho, embora talentoso, nunca foi um artista de primeiríssima grandeza que enchesse estádios e casas de espetáculos nem na sua fase áurea. Pelo visto, sua carreira, já caminhando para o final retoma um fôlego inesperado. Foi surpreendente. Pelas placas dos carros via-se que o interesse despertado não se limitou a Jequitinhonha ou às cidades mais próximas. Tinha carros de Nanuque, Comercinho do Bruno, Porto Seguro e muitos outros lugares que significavam viagens longas e cansativas para os que vieram curtir o veterano cantador. Isto sem falar dos inúmeros ônibus e excursões organizadas com esta finalidade. ********************************************************************* Foi surpreendente. Não foram apresentadas músicas novas. Que os mais adultos, os de meia idade e mesmo os mais velhos conhecessem aqueles sucessos, tudo bem, mas, ver a rapaziada, a juventude repetindo o refrão de clássicos como Avo Hai, Frevo Mulher, Vida de Gado, Chão de Giz foi mais que surpreendente: foi entusiasmante. Na minha leitura, talvez muito otimista, tomara que seja este um sinal de que a música Axé-xelenta está com os dias contados. ***************************************************************** Foi surpreendente. As músicas do Zé Ramalho e de alguns cantores que ele admira e interpreta (Raul Seixas por exemplo) são complicadas, misteriosas, cheias de metáforas, de indicações dúbias, as vezes de difícil compreensão mas, sempre com um ótimo efeito e nunca com a superficialidade epidérmica de algumas músicas “modernas” (Pode não, quero não, minha mulher não deixa não). Isto não impedia, parece até que estimulava a platéia a acompanhar e a repetir aquelas frases de obscuro significado com o encantamento e o prazer de um encontro com velhos conhecidos. Tava lá. Tava na cara. Tava na expressão satisfeita de todos que curtiram o Show. ********************************************************************* Foi surpreendente. Em nenhum momento o artista precisou gritar aquela bestajada de “Jogue as mãos pra cima, tire os pés do chão, quem já beijou hoje¿ quem é Cruzeiro¿ quem é Atletico¿”. No entanto, a platéia ficou ali hipnotizada, curtindo até o fim o show de um homem velho, cantando músicas velhas, e sem parafernálias tecnológicas. ********************************************************************* Apenas –e é isso que é tudo- a música brasileira de qualidade no melhor da sua criatividade seduzindo e hipnotizando corações e mentes e mostrando que qualidade não tem idade. Eu fui! Eu gostei e muito! Pela cara dos muitos amigos, na saída do espetáculo, tenho certeza que todos diriam o mesmo. ************************************************************************************* juliomares.blog.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário