terça-feira, 29 de novembro de 2016

Inventário das denúncias contra Aécio e a Cobertura da Mídia


Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, colunista político do Cafezinho
Fazemos aqui um apanhado resumido das más notícias contra Aécio desde meados de 2014, e das táticas com as quais a mídia as vem cobrindo, e encobrindo, desde aquela época. Damos atenção especial aos últimos eventos (uma enxurrada de denúncias vindas dos quatro cantos do submundo político), que parecem ter afetado a imagem de Aécio, ao ponto de fazê-lo desaparecer da cena pública.
Em alguma das passagens secretas e terceiras dimensões da realidade brasileira, que é cheia de buracos como um queijo suíço, Aécio se enfiou e desapareceu.
O mais interessante, é que a imprensa não colocou nenhum repórter perdigueiro na pista dele, não procurou desentocá-lo à bem da opinião pública ou dar ao leitor o mínimo de informação sobre o assunto.  E tudo foi muito abrupto. De um dia para o outro, Aécio não estava mais  entre nós. Ao invés de cumprir o que tinha dito, “Vamos dar a nossa contribuição e ser julgados lá na frente”, ele preferiu dar no pé na calada da noite sem dizer para onde e sem se despedir.
A grande imprensa brasileira nem sequer menciona esse estranho e súbito desaparecimento. Parece que nem lembra que existiu um Aécio, nascido em Minas, líder máximo da oposição, presidente do PSDB, moço sorridente e boa praça. É como se ele nunca tivesse existido. A única prova que temos da sua existência, hoje, é seu perfil na Wikipédia. A Globo não recorda dele, talvez porque isso faça lembrar que Aécio é um dos pais do governo Temer. Na Folha/UOL, Aécio prima pela ausência, como um rosto desbotado numa multidão de faces desconhecidas.
A quem ocorra jogar o nome de Aécio na pesquisa do Google, verá que nas últimas semanas os grandes portais e jornais não fazem qualquer menção a ele.
Apenas para tentar verificar a hipótese de que, não faz muito tempo, existiu um sujeito chamado Aécio Neves, que respondia pela presidência do PSDB, acumulando ainda o posto de líder da oposição, e que costumava acusar o governo Dilma de corrupção, faremos o breve inventário que segue, contabilizando o catálogo das denúncias e as formas como a mídia vem lidando com elas. Resumidamente, os fatos são os seguintes:

Julho 2014 – Eclode o escândalo do aeroporto construído com dinheiro público dentro da fazenda do tio-avô e a poucos quilômetros de uma propriedade de Aécio (A mídia toda deu a notícia, contudo, o fez sem escândalo e sem gritos de indignação. Prevaleceu a ‘isenção’ e bom tom da ‘imprensa equilibrada’, quando os acusados são os amigos)

Dezembro de 2014 –  A revista Veja elege Aécio o pior Senador do país (Numa lista de 74 senadores, Aécio foi o único a receber nota 0). Ainda que não possamos perscrutar os motivos da Veja, o fato é que em outras publicações e na imprensa em geral, o assunto apareceu em tom menor, quase em surdina.

23 de setembro 2015 – O uso de avião do governo de MG por Aécio para realizar 124 viagens ao Rio de Janeiro é objeto de matéria da Folha de SP. (Exatamente como nos casos anteriores, a mídia se mostrou fria, distante e equilibrada).
03 de dezembro 2015 –  Conselho Superior do Ministério Público de Minas Gerais decide arquivar inquérito sobre aeroporto em terra de tio-avô de Aécio (A mídia, é claro, não deu um pio. Só noticiou o fato, como se fosse tão óbvio quanto o reajuste dos relógios no fim do horário de verão).

15 de março  2016 – Delcídio do Amaral afirma que Aécio recebeu propina de FURNAS e agiu para maquiar dados (Como a neutralidade aqui não era possível, quase sempre tivemos estratégias para amenizar: manchete grande, mas permanência curta nas homes, por exemplo).

22 de março 2016  – A denúncia do dia 15 não impede que sete dias depois, o UOL destaque um “flerte” de Temer e Aécio (ver Foto), desfazendo através desse protagonismo político registrado em foto um pouco do clima negativo deixado pelas denúncias do dia 12.
22 de março_Aécio e Temer_Depois de denúncias Delcídio Furnas Aécio
09 de abril 2016  – Procuradores dizem ter indícios para pedir investigação contra Dilma e Aécio (A informação foi dada com indiferente e distância na mídia).

20 de abril 2016 – Como se fosse a coisa mais natural do mundo, o UOL estampa uma chamada dos tucanos a Delcídio para salvar Aécio e atacar Dilma.

27 de abril 2016 – G1 e O Globo destacam declaração de Aécio “Vamos dar a nossa contribuição e ser julgados lá na frente” (É notável que a foto escolhida para ilustrar a matéria mostre Aécio ao fundo, sob um véu desfocado, como que sumindo da zona de visibilidade).

02 de maio 2016 – No G1 em fonte diminuta aparece a informação “Janot pede para STF investigar Aécio, Cunha e Edinho”.
G1_02 de maio_Janot investigar Aécio, Cunha e Edinho
03 de maio 2016 – Uma das páginas mais elaboradas de 'edição' política da Globo em favor de Aécio Neves traz, na parte superior, Lula, no meio Cunha e o escândalo de Furnas, sem referências a Aécio e, embaixo, Aécio, inteiramente desligado do caso de Furnas, como se nenhum vinculo o ligasse a ele, criticando o método de montagem do governo Temer.
No dia 3, um dia depois_Lula ser investigado_Letras garrafais_Aécio aparecerá lá embaixo falando grosso 2

- A matéria no G1, que tem o título Aécio critica método de montagem de eventual governo Temer, mostra vídeo de Aécio dirigindo uma reunião da cúpula do PSDB, ou seja, em pleno exercício de poder e do prestígio político, como se uma chuva de denuncias não estivesse desabando sobre ele. http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/05/aecio-critica-metodo-de-montagem-de-eventual-governo-de-michel-temer.html

Imagem: print do vídeo da matéria de O Globo no link acima.
Imagem: print do vídeo da matéria de O Globo no link acima.
04 de maio 2016 – O Procurador Geral da República Rodrigo Janot pede ao STF investigação de Aécio e Paes. (A manchete vem com letras garrafais na home do G1, mas por quanto tempo? Isso dificilmente o leitor poderá aferir)
04 de maio_Janot pede investigação Aécio e Paes_Letrais garrafais mas breve permanência na home
11 de maio 2016 – Gilmar Mendes, que convidou Aécio para seminário em Portugal vai relatar no STF pedido de investigação de Janot contra o Tucano

11 de maio 2016 – Na home do G1, embora o tempo pareça fechar para Aécio, ele aparece fazendo análises e exercendo o papel de líder da oposição: “Aécio: Temer terá certa lua de mel”.
Untitled 10
11 de maio 2016  – Gilmar Mendes autoriza inquérito para investigar Aécio sobre Furnas

12 de maio 2016 – Menos de 24 horas depois de abrir inquérito contra Aécio, Gilmar suspende investigações – O Globo.

12 de maio 2016  – Gilmar Mendes suspende coleta de provas em investigação sobre Aécio. Normal absolutamente normal, diz o ministro do STF. (Nenhuma indignação, surpresa, muito menos estupefação, na imprensa)

13 de maio 2016 – Gilmar pede a Janot que reanalise o caso Aécio (Idem)

25 de maio 2016 – Gilmar envia novo pedido de inquérito sobre Aécio para reanálise da PGR (Idem)

27 de maio UOL 2016  – A home do UOL dá destaque a uma afirmação muito comprometedora de Sérgio Machado sobre Aécio Neves: “Aécio é o cara mais vulnerável do mundo”. Certamente, Aécio não é o queridinho do Folha/UOL, que também se declarou no editorial "Nem Dilma nem Temer", de 02/04. Mas a ação dessa mídia está sempre condicionada ao grau de prejuízo que possa levar ao PSDB, seu verdadeiro xodó. 

06 de junho 2016 – G1_Gilmar Mendes autoriza investigação sobre Aécio, Paes e Clésio Andrade (Nem comentários críticos, nem explicações, nem recordação da trajetória anterior dos processos nas mãos de Gilmar, nada. Tudo se passa como se fosse um fato que não nos diria respeito).

10 de junho 2016 – Denúncia da Folha de SP aponta que estatal do governo de Minas firmou parceria com empresa do pai de Aécio. (Nesse momento, há um tempo fechando em torno de Aécio, as denúncias começam a avolumar, e cada um dos grandes meios parece avaliar que o neto de Tancredo já não pode ser salvo. Pode contar com alguma proteção da mídia, mas não pode ser resgatado do seu inferno particular).

15 de junho 2016  – Denúncia de Sérgio Machado de que Aécio repassou propinas em troca de apoio para eleger-se presidente da Câmara Federal tem destaque na home do UOL (Essa exposição negativa crescente, demonstra cabalmente o beco sem saída em que a imagem política de Aécio entrou e o quanto ele se tornou indefensável).
18 de junho 2016 – Em delação premiada, Pedro Correa, ex-deputado (PE) com largo currículo em escândalos de corrupção, afirma que Aécio indicou antecessor de Duque na Petrobras (A situação de Aécio, torna-se mais e mais insustentável mas, vale notar, nunca se levanta contra ele a ira sagrada da imprensa pela moralidade).

19 de junho 2016 – Na revista Época e no G1, durante todo o dia, uma defesa de Aécio: FHC diz que Aécio nunca pediu nem indicou a ele diretores da Petrobras

26 de junho 2016 – Ao invés de sublinhar o fato de que o ex-presidente da OAS afirmou em sua delação premiada ter destinado 3% em propina para Aécio, o UOL preferiu transferir para o futuro indeterminado essa denúncia: Sócio e ex-presidente da OAS relatará propina para assessor de Aécio Neves
27 de junho – Aécio Neves some das manchetes sem deixar vestígios. Não há mais fotos suas nos portais, seu nome é apagado dos jornais, e mesmo uma pesquisa no Google só mostra notícias antigas e desbotadas.

* Bajonas Teixeira de Brito Júnior – doutor em filosofia, UFRJ, autor dos livros Lógica do disparate, Método e delírio e Lógica dos fantasmas, e professor do departamento de comunicação social da UFE

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Homem mata mulher e sogra a pauladas em Carbonita, no Vale do Jequitinhonha.

Criminoso agrediu a pauladas o sogro, sogra e a mulher, na presença da filha de 11 anos.

Depois, jogou os corpos em uma fossa séptica. As duas mulheres morreram. O sogro sobreviveu. 

A população de Carbonita, município com pouco mais de 9 mil habitantes, localizado no Alto Vale do Jequitinhonha, está chocada com um crime bárbaro descoberto, neste domingo, 27 de novembro de 2016, no distrito de Monte Belo. 

As primeiras informações dão conta de que um homem agrediu o sogro, a sogra e a esposa a pauladas e em seguida jogou as vítimas dentro de uma fossa séptica. As duas mulheres foram encontradas já sem vida. Já a terceira vítima foi socorrida e encaminhada em estado grave para um hospital.

Crime bárbaro choca população de Carbonita.
O crime teria acontecido após as vítimas participarem de uma festa de inauguração de um ginásio poliesportivo, na noite de ontem (26.11). O homem socorrido com vida tocaria sanfona em uma missa, mas como estava demorando a chegar, moradores do distrito resolveram ir até a residência dele. Ao chegarem ao imóvel, os vizinhos encontraram muito sangue e perceberam que o autor do crime teria destampado a fossa e jogado os sogros e a companheira lá dentro.
Profissionais do setor de saúde municipal, Polícia Militar e Polícia Civil se deslocaram para a casa das vítimas, localizada na zona rural. No local, encontraram os dois corpos [de Lourdes e Vanessa, mãe e filha] e um homem [prenome Luiz] ainda com vida dentro do buraco utilizado para armazenamento de esgoto sanitário.
Um morador do município informou que uma criança de 11 anos teria presenciado o assassinato da avó e da mãe dela e relatado que o autor das agressões seria o seu pai. O criminoso também é suspeito de abusar sexualmente da menina testemunha dos homicídios. Segundo informações, a família estava sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar de Carbonita devido a suspeita de estupro.
Há informações que o autor do crime teria retornado de São Paulo recentemente, e por motivos ainda desconhecidos, se desentendeu com os familiares e resolveu matá-los. 

Polícia faz buscas e pede ajuda de população
A Polícia Militar realiza buscas com intuito de localizar e prender o principal suspeito de um crime bárbaro . Roberto Adriano, de 35 anos, é o principal acusado de agredir a companheira e os sogros a pauladas. 
O duplo homicídio teria ocorrido na noite de sábado para domingo, 26 e 27.11, e chocou a população de Carbonita e municípios circunvizinhos. As Polícias Militar e Civil compareceram ao local do crime brutal. O sogro do suspeito foi socorrido com vida e encaminhado em estado grave para um hospital.
Roberto Adriano é o principal suspeito do crime (Foto: Reprodução/Facebook)
As primeiras informações dão conta de que Roberto cometeu o crime na presença de uma filha. A menina foi amarrada e solta em uma chapada na estrada que liga o distrito a sede do município.
Roberto Adriano também é suspeito de abusar sexualmente da filha. Segundo informações, a família estava sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar de Carbonita devido a suspeita de estupro.
Em uma página na rede social Facebook, Roberto aparentemente tenta passar uma imagem de pessoa religiosa, inclusive publicou selfie exibindo uma Bíblia e algumas mensagens com referência a Deus e Jesus.
Até o início da noite deste domingo, Roberto Adriano continuava foragido. Caso você tenha informações sobre a localização do suspeito, entre em contato com a Polícia Militar, através do número 190 ou pelo telefone (38) 3526-1271 do Quartel de Carbonita.
Roberto Adriano é o principal suspeito do crime (Foto: Divulgação)
Fonte: Aconteceu no Vale.

UFVJM realiza Audiência Pública para avaliar estragos da PEC 55


No dia 6 de dezembro, das 14h às 18h, no Anfiteatro do Campus I, será realizada a audiência pública “O impacto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/16 no futuro da UFVJM”, promovida pelo Conselho Universitário (Consu) da universidade.
A audiência tem o objetivo de tratar dos riscos que a PEC representa à sobrevivência da instituição, já que a UFVJM encontra-se em processo de consolidação, principalmente na sua infraestrutura física e no quadro de recursos humanos.
A comissão responsável pelo evento convida toda a comunidade a participar e enriquecer o debate sobre o assunto.
SERVIÇOS
Evento: Audiência Pública sobre PEC 55
Local: Campus I - Diamantina/MG  - Rua da Glória, nº 187 - Centro - Fone: (38) 3532-6000. 
Data e hora: 06.12.2016 - De 14 às 18 horas.


Fidel, sinônimo de revolução


Fidel tornou-se sinônimo de Revolução, desde que as fotos daqueles barbudos tinham derrubado a ditadura do Batista, no já longínquo 1959. Mais ainda para nós, na America Latina, para quem a revolução era um fenômeno distante no tempo e no espaço – na Rússia, na China, com Lênin, com Mao. Foi Cuba quem colocou para nós e para tantas outra gerações, a revolução como uma atualidade, apontou que a revolução era possível, aqui mesmo, no nosso continente.
Fidel encarnou a revolução na América Latina, mas também para o mundo todo, porque Cuba levantava de novo a ideia do socialismo, quando este tinha se tornado algo aparentemente petrificado, postergado.
Eu comecei minha militância política em 1959, distribuindo um jornalzinho – Ação Socialista -, que tinha estampada a imagem de uns barbudos, pousando como se fossem jogadores de futebol, que tinham derrubado um ditador – naquela época, da America Central, nem se mencionava o Caribe. Logo minha geração tornou-se a geração da Revolução Cubana, que nos seduziu a tantos, com a convocação dos estudantes para acabar com o analfabetismo em Cuba, com a reforma agraria, com a reforma urbana, com a fundação da Casa das Américas, com a soberania diante do imperialismo, com a proclamação da Revolução como uma Revolução Socialista, com a resistência contra a tentativa de invasão da Baia dos Porcos, com a resistência diante da tentativa dos EUA de cerco naval à Ilha, com tudo o que vinha de la', que nos alentava e nos apontava caminhos.
Só fui ver a Fidel quando ele visitou o Chile, durante o governo do Allende. Nas várias visitas que ele fez ao país, até seu discurso final, no Estadio Nacional. Depois, logo depois do golpe no Chile, pude me encontrar com ele pela primeira vez, em Havana, para discutir as consequências do golpe.
Inesquecível vê-lo entrar, enorme, alto, enérgico, simpático, afetivo. Ver como ele tinha infinita capacidade de ouvir as pessoas, de perguntar muito, sobre o Chile, sobre o golpe, sobre Allende, sobre Miguel Enriquez e o MIR, sobre o Brasil.
Tive o privilégio de conviver com sua presença na vida cubana durante muitos anos, conhecer como um dirigente se interessa sobre todo o cotidiano do país e do mundo, se pronunciar o tempo todo sobre todos os problemas, ser o mais radical crítico da própria Revolução, implacável com os erros, mas sempre apontando alternativas e despertando esperanças.
Tê-lo presenciado falar na Praça da Revolução tantas e tantas vezes é das experiencias mais impressionantes que alguém pode ter. Numa dessas concentrações, sempre para milhões de pessoas, se homenageavam os mortos na derrubada de um avião cubano por uma ação terroristas, que matou, entre outros, a toda uma equipe esportiva cubana. Com todos os caixões presentes na Praça, Fidel fez um dos seus discursos mais emocionantes, que concluía dizendo:
"Quando um povo enérgico e viril chora, a injustiça treme."
Para provocar as lágrimas daqueles cubanos que se deslocavam de todos os lugares para ouvi-lo falar durante horas e horas ao sol.
Ele sempre surpreendeu a todos com sua audácia. Desde aquela primeira, do assalto ao quartel Moncada, ao desembarque do Granma, até as iniciativas posteriores, já desde o poder, valendo-se do mesmo fator surpresa da guerrilha. Quando abriu as portas de todas as embaixadas, para que os que quisessem ir embora de Cuba, fossem. Permitindo que chegassem embarcações de Miami para recolhê-lhos. Um gesto audaz, que ele souber reverter a favor da Revolução, como tudo o que ele fazia.
Quando proclamou que o menino Elian seria recuperado por Cuba, objetivo que parecia impossível, mas que ele, incutindo em todos uma imensa confiança, conseguiu. Quando ele afirmou que Cuba recuperaria os 5 heróis presos nos EUA, o que parecia absolutamente inviável, mas ele soube construir, uma vez mais, a estratégia vitoriosa para conseguir uma vez mais o impossível.
Fidel foi o sinônimo de Revolução mais de 50 anos. Quem quisesse saber da Revolução e do Socialismo, tinha que olhara para ele. Ele, junto com o Che, apontaram para tantas gerações o horizonte do socialismo, da revolução, do compromisso militante.
Fidel foi a personificação da Revolução e do Socialismo. Sua vida e suas palavras soaram sempre como a voz mais forte, mais digna, mais vibrante, mais esperançosa, mais corajosa, que a História contemporânea conheceu.

O absurdo da Operação Acrônimo que incrimina Fernando Pimentel.

Kafka e a operação Acrônimo
Durval Ângelo - deputado estadual , líder do Governo na Assembléia Legilstiva de Minas.


Como já divulgou amplamente a imprensa, tramita na Assembleia Legislativa de Minas requerimento com pedido do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para abrir processo contra o governador do Estado, Fernando Pimentel. O pedido se baseia na operação Acrônimo, da Polícia Federal (PF), que, a pretexto de apurar envolvimento do então ministro do Desenvolvimento Econômico em um suposto esquema de desvio de recursos, acabou por explicitar mais um plano nefasto para inviabilizar um governo legitimamente eleito.

Qualquer semelhança não é mera coincidência. Também em Minas setores inconformados com o resultado das eleições de 2014 tentam se utilizar dos mesmos artifícios que levaram ao golpe em nível nacional.

Como líder do governo Fernando Pimentel na Assembleia, não me posso furtar a analisar as alegações que sustentam a pretensão de abertura do processo. E digo com segurança: são frágeis e vazias de conteúdo, como provará a defesa a ser apresentada aos deputados. A acusação peca justamente no que deveria fundamentá-la, pois não apresenta provas. Teriam a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público (MP) a intenção de respaldar o processo somente em “convicção”? Acrescente-se que os procedimentos investigatórios foram marcados por ilegalidades e arbitrariedades que justificam a nulidade de todo o processo.

A Acrônimo evidencia, dessa forma, o que já denunciamos há tempos: a politização da Polícia Federal e de setores do MP, traduzida em um absurdo abuso de poder que, a cada dia, fragiliza mais o Estado democrático de direito. O jornalista Luis Nassif definiu bem as motivações da operação, ao considerá-la mais grave que a própria Lava Jato: “É toda baseada em um marqueteiro suspeito, o tal de Bené. Um dia, a PF detém Bené e solta trechos da sua delação. Depois, solta o Bené. Mais tarde, prende de novo o Bené para novas averiguações e novas manchetes. É um movimento contínuo de marola, com o único intuito de impedir o governador Fernando Pimentel de governar”.

Impossível não comparar o nonsense dessa situação àquele vivido por Josef K., personagem de Franz Kafka na inacabada obra “O Processo”, publicada em 1925. Na história, em uma ação arbitrária sem justificativa nas esferas jurídicas e sem que lhe seja apresentado seu suposto crime, o bancário é enredado em um processo estapafúrdio. Por força de uma lei maior e inacessível, vê-se submetido a ordens desconexas e ritos sem sentido, em um cenário surreal, sufocante e claustrofóbico, tal e qual em um pesadelo.

Kafka faz uma crítica clara às instituições de sua época ao apresentar a contradição entre o Estado democrático ideal, pautado pelo respeito às leis que cria e deve cumprir, e o Estado real, que segue uma lógica própria, subvertendo códigos por ele estabelecidos. Ao final, Josef K. é morto, com um golpe de faca no coração. Em uma analogia com a situação de anormalidade vivida no Brasil em tempos pós-golpe, pergunto-me se não estaria também aqui sendo cometida uma execução sumária. A vítima? A democracia.

Publicado no Jornal O TEMPO, de 03.112016

Papa Francisco: um profeta que escuta, olha, toca, denuncia e anuncia

Caríssima Enfermeira Sanitarista e Educadora Popular Marley Valentin, Recife, PE
Nenhuma pessoa de boa vontade, de bom juízo e honesta, seja católica romana, evangélica, mulçumana, judia (que não seja sionista), budista ou sem religião é inerme ao Papa Francisco.
Depois de um longo inverno com o Vaticano ocupado por papas e cúrias subservientes dos macros interesses do império político representado pelos Estados Unidos e a Europa, eis Francisco, que se ergue humilde na qualidade de um Papa encharcado da América Latina e de todos os povos ameaçados pelos patrões ideológicos e econômicos de seus antecessores.
O Papa Francisco faz grandiosa diferença num contexto dominado por cínicos, insensíveis e idólatras do deus poder econômico.
Nosso País conduzido pelos idólatras que tomaram o poder executivo federal, o Congresso Nacional e o judiciário de assalto é levado à bancarrota.
O rito desses adoradores se dá com o desprezo de quem não escuta, não vê e ainda se cala diante das profundas dores de nosso povo, sempre assaltado e golpeado a marretadas nos seus direitos.
Uma das coisas mais chocantes desse ritual foi o que assistimos durante o processo do golpe judicial-parlamentar quando deputados, senadores e juízes fizeram ouvidos e olhos absolutamente moucos em face de todas as explicações que negaram a falta de base e, por conseguinte, as consequências desastradas do ato para o País. 
Nenhum argumento nem testemunho nem investigação que provaram a falta de base para aquilo os emocionou. As evidências foram esfregadas nas caras sujas deles, mas nada viram e nada ouviram. O discurso que fizeram foi o mesmo o tempo inteiro e o continuam hoje. Nem poderia ser diferente porque os insensíveis desprezam a ciência, a verdade, a justiça e os valores humanos mais elementares como o amor ao próximo e a compaixão com os injustiçados. Tudo o que lhes interessa é o roubo do Brasil.
Porém, se prestarmos a atenção ao noticiário internacional, é essa a postura em todo o mundo. Quando Bush encadeou a invasão e a destruição do Iraque, esculhambando com aquela Nação, avacalhando com as vidas de seu povo e matando seu presidente, militantes, intelectuais, religiosos e muitos governos de todo o mundo alertaram para o fato de que as justificativas para a barbárie que poderia levar o mundo a hecatombe não foram escutadas e, pior, foram banalizadas. Da mesma forma com a Líbia, com a Síria e caterva, ninguém escutou nem viu nada dos crimes dos Estados Unidos e de sua prepotência.
Estudantes adolescentes e universitários, ameríndios, mulheres, professores em greve, trabalhadores e os movimentos sociais denunciando a iniquidade do pacote de maldades chamado PEC 55/2016, na aplicação do golpe contra o Estado social, iniciado com o impeachment, não sensibilizam os surdos, cegos e manetas golpistas. Estes são cruelmente decepados de sentidos e de coração.
Daí, mais uma vez a importância da sensibilidade e compaixão profética do Papa Francisco.
Profética porque ele não se ilude com o capitalismo satânico no seu afã de acumular mais e mais nem que para isso massacre o povo e rompa com elos de ligação da sociedade. O capitalismo é desumano e criminoso.
Numa entrevista ao jornalista Paulo Moreira Leite do site Brasil 247, logo após participar no Vaticano de um encontro mundial de lideranças populares, o líder nacional do MST, João Pedro Stédile, falou da importância do Papa Francisco, inclusive para o Brasil.
"O Papa Francisco se transformou um líder progressista para todo mundo, que extrapola a questão do Vaticano e da religião [cic] católica. E se transformou um líder por várias razões. Porque teve a sabedoria de enfrentar e pautar os verdadeiros dilemas da humanidade, debatendo suas causas, como a crise do capitalismo, a crise social, o desemprego, os refugiados, as guerras, etc." 
"Por outra lado tem feito uma autocritica dos erros que o Vaticano cometeu. E recuperou a confiança e esperança mesmo entre os católicos progressistas, depois de dois papados extremamente conservadores, que isolaram a igreja da sociedade moderna.. Veja, no discurso que fez para os movimentos populares, entre outras reflexões compartilhadas, denunciou de que o estado capitalista, se transformou em terrorista, ao dominar as populações pela tirania do dinheiro e pela manipulação midiática do medo". 
"Sobre o tema dos refugiados denunciou de que quando um banco quebra na Europa aparecem bilhões de euros para salvar seus lucros e acionistas. Mas não aparecem centavos para salvar milhares de vidas que todos dias aportam na Europa, expulsos pelas guerras, das armas vendidas pelas empresas europeias. Quem teria coragem de dizer isso hoje entre nossos políticos". 
"A encíclica que o Papa fez sobre os problemas do meio ambiente (Louvado Seja!) é uma obra prima, que nenhum pensador ou corrente politica havia trazido antes como contribuição a esse debate. Recomendo que todos os militantes de esquerda a estudem. Assim, o Papa vai nos ajudar muito, para enfrentarmos o debate dos dilemas que a humanidade vive em função da crise imposta pelo capitalismo", disse Stédile.
Dom Orvandil
Escrito por DOM ORVANDIL - Editor do blog Cartas e Reflexões Proféticas, presidente da Ibrapaz, bispo da Diocese Brasil Central da Igreja Anglicana e professor universitário.

domingo, 27 de novembro de 2016

Aécio é denunciado , mais uma vez, na Operação Lava Jato.

Artesanato do Vale do Jequitinhonha é grande atração em exposição em São Paulo

Cerâmica do Jequitinhonha chega a um dos espaços mais contemporâneos da capital paulista.Exposição vai de 22 de novembro até 23 de dezembro.
Exposição será realizada até 23 de dezembro (Divulgação)

Na abertura oficial, o curador da exposição — professor Ricardo Gomes Lima — mediou uma “rodada de conversa” com a participação de quatro artesãos. Os produtos estarão à venda até o dia 23 de dezembro, ou seja, os interessados na arte popular terão um mês para conhecer e, possivelmente, adquirir uma peça da autêntica arte popular.
A mostra na capital paulista é mais uma forma de valorização do artesanato da comunidade de Santana do Araçuaí, trabalho inspirado na obra criativa de “dona Izabel Mendes da Cunha” (1924 – 2014). A mestra, como também ficou conhecida ao longo de sua trajetória, foi reconhecida nacional e internacionalmente por diversos organismos, entre eles a Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.
Ao mesmo tempo em que desenvolvia o seu trabalho, a mestra Izabel conseguiu ensinar a arte das bonecas a parentes e à comunidade deixando muitos discípulos e o legado de uma das mais expressivas formas de arte popular. Para essa exposição, a parceria envolveu as secretarias de Desenvolvimento Integrado e Fóruns Regionais (Seedif), Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor/Idene), Sebrae Minas e A Casa – Museu do Objeto Brasileiro, um dos espaços mais valorizados de São Paulo, que gentilmente recebe o trabalho dos mineiros do Vale do Jequitinhonha.
De acordo com os parceiros no evento, o artesanato é de fundamental importância na vida de muitas comunidades mineiras, razão pela qual merece todo o apoio possível para a inserção em novos mercados, por meio de mostras especiais ou feiras. São Paulo acolhe e valoriza o artesanato tradicional, facilitando a vida dos artesãos gerando emprego e renda.
Serviço:
Sobre flores e bonecas: a cerâmica do Jequitinhonha (Mostra de Cerâmica de Santana do Araçuaí)
Local: A Casa – Museu do Objeto Brasileiro (Av. Pedroso de Morais, 1234 – Pinheiros, São Paulo, Telefone: (11) 3814-9711).
Período de exposição/vendas: 23 de novembro a 23 de dezembro, das 10 às 18h.

Fonmte: Ascom Seedif