quarta-feira, 30 de novembro de 2011

UFMG E UNIMONTES IMPLANTAM TELESAÚDE EM CINCO CIDADES DO VALE

UFMG E UNIMONTES IMPLANTAM TELESAÚDE EM CINCO CIDADES DO VALE
Redução de encaminhamentos desnecessários
CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O TELESAÚDE
A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), em parceria com a Gerência Regional de Saúde de Pedra Azul, realizaram no dia 29 de novembro, a oficina de implantação do programa Telessaúde nos municípios de Almenara, Felisburgo, Jequitinhonha, Joaíma e Pedra Azul. Com essa adesão, todos os 25 municípios da GRS Pedra Azul passarão a ter a teleconsultoria e telecardiologia, que é um serviço de assistência à distância e que tem como objetivo reduzir os encaminhamentos desnecessários a especialistas e ampliando a resolutividade da Atenção Primária à Saúde.

A teleconsultoria irá permitir que os profissionais de saúde dos municípios possam entrar em contato com outros especialistas, através da utilização da internet, e possam tirar suas dúvidas e discutir diagnósticos, terapias, condutas e exames a ser realizados. Outro recurso disponível é a eletrocardiografia à distância, sendo o eletrocardiograma realizado por meio de um programa informatizado, com tempo de resposta de no máximo 72hs.

Para participar do programa e poder utilizar o serviço, os municípios irão receber um computador com impressora e webcam, uma máquina digital e um aparelho de eletrocardiografia que estão sendo doados pelo Governo de Minas.


PROFISSIONAIS PARTICIPAM DE SIMULADO DE TELECONSULTORIA
O supervisor de projetos do Centro de Telessaúde do Hospital das Clínicas da UFMG, Luciano Ribeiro, afirmou que os municípios que têm aderido ao Telessaúde estão conseguindo diminuir e qualificar o número de encaminhamentos dos pacientes e reduzir o tempo de resposta do diagnóstico, o que segundo ele, faz com que o paciente fique satisfeito pela rapidez do serviço e passe a ter uma relação mais próxima com o profissional. “Fizemos uma pesquisa e verificamos que 81,8% das teleconsultorias evitaram o encaminhamento de pacientes. Isso significa que o paciente passa a ser atendido mais próximo de sua casa e que o gestor municipal vai ter um custo muito menor com esse usuário”, avaliou.

Já os profissionais dos municípios terão a oportunidade de tirar as dúvidas com os especialistas através da teleconsultoria. Segundo a pesquisa apresentada por Ribeiro, 84,5% dos profissionais afirmam que todas as dúvidas foram esclarecidas durante a teleconsultoria e que 97,4% afirmam estar satisfeitos ou muito satisfeitos com a utilização do serviço. “São muitos os benefícios para os municípios que aderiram ao programa, como, a diminuição do isolamento profissional, o serviço oferece um suporte multiprofissional, além de melhorar o acesso a serviços especializados”, relatou.

Investimentos no Telessaúde
O Governo de Minas investiu, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, somente em 2010, mais de R$11 milhões no Tele Minas Saúde (Telessaúde). Atualmente, o governo gasta cerca de R$80,00 para encaminhar um paciente de um município a outro. Com o Telessaúde, a despesa cai para R$6,00.

Experiência exitosa
A partir de agora, todos os municípios da GRS Pedra Azul irão contar com o serviço de teleconsultoria, mas, a região já se destaca na utilização do serviço. Em abril de 2010, o município de Mata Verde, região nordeste de Minas, foi prestigiado durante o 1º Encontro Estadual de Atenção Primária e Telessaúde, realizado em Montes Claros, por ter sido um dos municípios que mais fizeram teleconsultorias.

Graças a utilização do serviço, o município conseguiu reduzir em 70% os encaminhamentos para outros municípios, o que, além de economia, representa um conforto para o paciente, que recebe o laudo de seus exames em um período de tempo muito menor, sem necessidade de deslocamento.

Magnesita começa atuar em 2012 em Almenara

Almenara: MAIOR SITE FINANCEIRO DO BRASIL AVALIA MAGNESITA
Magnesita começa atuar em 2012 em Almenara

INSTALAÇÕES EM ALMENARA-MG JÁ COMEÇARAM
A Magnesita terá um 2012 positivo, avalia a Ativa Corretora, após reunião com o diretor de fusões e aquisições e de relações com os investidores da empresa, Vinicius Santos da Silva. Essa expectativa se deve aos projetos de verticalização, com expansão de margens, além de ganhos com a monetização de ativos minerários e o crescimento da participação da empresa em alguns segmentos, afirma a corretora.

Apesar dessa boa perspectiva, a gestão da empresa está cautelosa em relação às expectativas para o ano que vem, afirma a analista Daniella Maia, em função das incertezas com relação ao panorama da macroeconomia. O cenário brasileiro deverá permanecer estável no próximo ano, confiando no crescimento via ganho de participação no mercado como Europa e América do Norte, afirma Santos.

Projetos em Minas Gerais e na Bahia
A empresa espera um aumento das margens da empresa com o andamento dos projetos em Brumado, na Bahia, e de grafita em Almenara, em Minas Gerais, com o início das operações em março de 2012, podendo até ser iniciado antes. O financiamento do BNB (Banco Nacional do Nordeste) deve ser liberado até dezembro de 2012, afirma, mas a forte posição de caixa da companhia - de R$ 857 milhões ao fim do terceiro trimestre - não torna esse fator crítico para o andamento dos projetos.

"Considerando a produção de 45 mil toneladas em 2012 e a economia de US$ 300 por tonelada, acreditamos que a empresa possa economizar R$ 23 milhões em 2012, cerca de 1 ponto percentual de margem Ebitda (relação percentual entre a receita líquida e a geração operacional de caixa) para o ano", afirma Daniella. Já o projeto em Almenara teve alteração em seu cronograma, devido ao licenciamento ambiental.

Produção de baterias torna positiva a produção de grafita
A companhia estuda também viabilizar a exploração dos recursos para atender a possível demanda originada da produção de baterias para carros elétricos nos próximos anos. "Dada a potencial geração de valor para o acionista, nossa expectativa é que possamos ver alguma novidade sobre essa questão em 2012, o que possivelmente ajudaria o mercado a precificar esse ativo", avalia a analista.
O mercado de grafita é visto como positivo nos próximos anos devido ao aumento da produção de baterias para carros elétricos. Além disso, a expansão da oferta desse produto encontra restrições, devido à viabilidade econômica desses projetos para reservas de pequeno porte e localização dispersa, avalia.

Rentabilidade comprometida e reiteração de recomendação
Para Daniella Maia, apesar do ano de 2012 mostrar um ganho na margem Ebitda devido ao começo das operações em Brumado, espera-se que o forte aumento dos custos de matérias-primas pressione a rentabilidade da empresa. Essa perda de magens se destacaria inclusive sobre os ganhos de performance dos contratos CPP, que visam à redução de custos do setor siderúrgico que a corretora espera para 2012.

Apesar dessa possível perda de rentabilidade e mesmo com grande exposição no setor siderúrgico, o próximo ano deverá ser bom para a companhia, afirma a analista. Desse modo, Daniella reitera a recomendação de compra para as ações da companhia, com preço-alvo para junho de 2012 de R$ 10,70 por ativo, o que configura um potencial de valorização de 82,91% em relação ao fechamento de sexta-feira (25).

Movimento UFVJM em Minas Novas: sociedade se organiza por campus


Movimento UFVJM em Minas Novas: sociedade se organiza por campus

O Movimento em prol da instalação de campus da UFVJM em Minas Novas cresce a cada dia. Membros de todos segmentos da sociedade e lideranças políticas, além de prefeitos de cidades vizinhas aderiram ao movimento. Diretor da Rádio Bom Sucesso "Lalado" e membros da Comissão UFVJM em Minas Novas

Após importante reunião com o Prefeito Municipal José Henrique Gomes Xavier, membros da comissão Pró-Instalação do Campus da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM, além da presença do Vereador Adalgísio Gonçalves e do Secretário de Educação Adelson Aparecido de Sousa, o prefeito José Henrique, em reunião na capital Belo Horizonte com demais prefeitos das cidades vizinhas, garantiu que os mesmos estão com Minas Novas na luta pela implantação de pólo na cidade.
Apresentadora do "Jornal do Dia" Cléa Rodrigues
Na última segunda-feira (28/11/2011) durante reunião ordinária na Câmara Municipal de Minas Novas, a população minasnovense lotou o plenário da Câmara reivindicando o apoio do Presidente José Maria Ferreira (Branco de Piu), bem como dos demais vereadores.

Os vereadores não só apoiaram a causa, bem como marcaram para o próximo sábado (03/12/2011), às 10:00 horas, reunião com lideranças políticas, bem como de toda população, a fim de debater a real possibilidade de implantação do campus em Minas Novas.

O movimento tem reunião marcada com o Secretário de Educação, bem como com diretores de escolas estaduais e municipais para o dia 05/12/2011, quando será discutido com os mesmos a implantação do campus, além da distribuição de tarefas para que cada escola possa contribuir da melhor maneira possível na causa.

Amanhã (30/11/2011), a rádio bom sucesso transmite entrevista com membros da Comissão Pró-Instalação do Campus da UFVJM em Minas, no Programa Jornal do Dia, com apresentação de Cléa Rodrigues.

A partir de agora, então, convidamos você a participar da mobilização social em prol da implantação do Campus Avançado da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) em Minas Novas. Nossa cidade precisa e é merecedora de um Ensino Superior Gratuito e de Qualidade.

A instalação da UFVJM no município irá proporcionar o conhecimento intelectual e científico da região, além de propiciar o desenvolvimento social, econômico e sustentável do Alto Jequitinhonha. Esta é uma luta de todos!
Fonte: Blog do Jequi

Capelinha: ACIDENTE ENTRE CAMINHÃO E MOTO MATA PROFESSORA

Capelinha: ACIDENTE ENTRE CAMINHÃO E MOTO MATA PROFESSORA
Um acidente envolvendo um caminhão e uma moto Bis deixou uma pessoa morta na tarde dessa terça-feira, 29.11.2011, em Capelinha, no Alto Jequitinhonha, nordeste de Minas.
Foto: Facebook Jean Souza

O acidente aconteceu na rua Governador Valadares em frente ao Posto de Combustíveis Panorama. O acidente vitimou a professora Lucimar Cordeiro de Andrade, (vice-diretora da Escola Rosarinha Pimentinha) natural de Mendonça, município de Veredinha.

Segundo o motorista do caminhão relatou à polícia ele estava subindo sentido centro-bairro e ao virar para entrar na Avenida Geraldo Prisco ouviu um barulho, mas não soube informar detalhes. Testemunhas ouvidas no local disseram que só viram depois do acontecido e não deram muitas informações sobre o acidente.

A vítima Lucimar Cordeiro de Andrade teve traumatismo craniano e de tórax e deu entrada no hospital já sem vida. Após liberado foi levado para a Funerária São Geraldo. O sepultamento será em Veredinha. As aulas na escola onde trabalhava foram suspensas.
Fonte: Blog Capelinha MG, via Blog do Jequi

terça-feira, 29 de novembro de 2011

UFMG lança 3ª edição do Almanaque Ilustrado do Jequitinhonha


UFMG lança 3ª edição do Almanaque Ilustrado do Jequitinhonha
O Almanaque Ilustrado do Jequitinhonha é produzido pela equipe de comunicação do Programa Polo de Integração da UFMG no Vale do Jequitinhonha.

A idéia parte da iniciativa do Programa Polo de trabalhar não só o registro cultural das cidades do Vale, suas peculiaridades, suas histórias, o jeito de ser do povo, como também de reforçar os laços com os parceiros do Vale e proporcionar um maior conhecimento à comunidade universitária dos aspectos da cultura e da vida na região. A obra completa é composta por três edições.
A primeira foi lançada em julho, durante o 29º Festivale na cidade de Jequitinhonha, e está disponível na almanaque.ilustrado.jequitinhonha.1ªedição

No fim de agosto o Programa Polo lançou a segunda edição, que você também pode conferir na segundo.almanaque.ilustrado.
E no mês de outubro a equipe do Polo Jequitinhonha finalizou a terceira edição, que você pode acompanhar 3º.almanaque.online a partir de agora.

Não deixe de conferir!
A ilustração do Almanaque é super criativa e os textos surpreendentes. Divirta-se e conheça um pouco mais sobre o Vale do Jequitinhonha.

Fonte: UFMG/Polo Jequitinhonha

Diamantina: Campanha do dia mundial da luta contra a AIDS

Campanha do dia mundial da luta contra a AIDS
A Prefeitura de Diamantina convida a população para o espetáculo teatral da campanha do "Dia Mundial de luta contra a Aids", com Companhia Condelon de Belo Horizonte, nesta terça-feira, 29 de outubro, às 20 horas, no Teatro Santa Isabel.

Uma outra cultura política é possível!

Uma outra cultura política é possível!
Por Alexandre Macedo
O que transforma o velho no novo bendito o fruto do povo será. (Belchior)
Nesta última sexta foi publicado o texto "A força da sociedade civil organizada", texto este que vêm sendo alvo de algumas observações a cerca da possível "radicalidade que o mesmo possa conter.

Reitero o conteúdo do texto e reafirmo cada vírgula, sem nada modificar e explicarei as razões para tal.

Em primeiro lugar, não julguei diretamente nenhum representante político relacionado ao Movimento "UFVJM é nossa!", apenas tentei evidenciar a ineficiência da "democracia representativa" (esta na qual votamos no candidato e esperamos que todas as ações partem deles). Tal sistema já, por meio da história, provou sua ineficiência, pois não funciona por si só, apenas quando é estreitamente ligada com a sociedade civil. A lógica é clara! Se o País está consolidado sob um regime democrático, logo todo poder emana do povo; assim, se não é o povo que age como protagonista, sobrará-lhe o papel de telespectador, assistindo tudo acontecer sem poder atuar nos rumos da história.

Quando digo que representantes são como "Fuscas velhos à álcool", evidencio que precisam de bons empurrões, mas que "quando pegam no tranco", "sobem até morro de terceira". Com essa metáfora, quis destacar a importância de, a todo o momento, da atuação conjunta entre sociedade civil organizada (movimentos sociais, sindicatos, associações, estudantes, etc.) e os representantes políticos eleitos por meio do voto. Para que isso aconteça é preciso que ambas as partes se disponham a atuar conjuntamente, cada um com seu papel. Afinal, a democracia só funciona quando há a combinação de democracia representativa e participativa (direta) dos cidadãos.

O representante político, eleito pelo povo, tem a missão de representar os interesses do povo, para isso, é preciso com que ele vá ao encontro da sociedade, reunindo reivindicações e colaborando para formular uma vontade coletiva afim de fortalecer a demanda levantada pela população. Para que isso aconteça, é preciso que o representante vá de encontro aos coletivos e colabore para legitimar seus anseios. Afinal, são muito bem pagos para isso, como salários que fogem da realidade brasileira.

Muita vezes sofremos com atuações ineficazes, com Câmaras que não fazem mais do que conceder títulos de "cidadão honorário" ou "batizar nomes de ruas", Assembleias Legislativas que mais parecem mercados com deputados usufruindo de regalias e surdos às necessidades do povo, acomodados...

A realidade precisa mudar! O segredo...Chama-se "socialização da política". É a política que decide tudo, é ela que controla a economia, que controla a saúde, a educação, o preço do pãozinho, do gás, da gasolina, etc. É justo que a política seja decidida por poucos? Será que realmente contemplam os interesses da maioria?

Diante dessa situação, qual é a saída? Há vários, mas primeiramente é preciso que a iniciativa parta da esfera representativa. Historicamente, a maioria dos brasileiros ficaram à margem das principais decisões políticas do País. Desde que Cabral apontou com a primeira caravela na Ilha de Vera Cruz, todas as principais decisões foram tomadas sem consulta ao povo, "pelo alto". Com isso, a sociedade civil, historicamente, sofreu um prejuízo em sua cultura de participação sociopolítica, ocasionando em uma tímida e fragmentada atuação política.

Para virar esse jogo, o segredo é a participação direta da sociedade civil por meio dos vários canais democráticos já existentes com vistas à possibilidade de se inaugurar outros novos. Conselhos, Conferências, Associações de Bairro, Movimentos Sociais e outros, são alguns dos efetivos canais de democratização do poder político que colaboram para que os movimentos sociais exercitem o poder de decisão. Por meio destes instrumentos é possível o acompanhamento e fiscalização dos recursos.


Cada política pública (saúde, assistência, educação,etc., possui seu fundo público, onde a sociedade civil organizada junto com o Executivo (em debate) podem decidir sobre o futuro das verbas. Cada município pode se organizar de acordo com as reivindicações da sociedade civil, uma ótima estratégia de participação seria, por exemplo, o Orçamento Participativo, que já é sucesso em várias cidades do Brasil. Tal mecanismo é sinônimo de transparência e democracia em todas as cidades que o praticam, mas é algo que não se dará naturalmente (só por meio dos representantes), mas sim pela pressão da sociedade civil.

Enfim, a solução para a consolidação de uma verdadeira Política (Com "P" maiúsculo) é a integração da sociedade civil organizada (movimentos sociais, associações, sindicatos, estudantes, etc) com a sociedade política (vereadores, prefeitos, deputados e outros), resultando na prevalência dos interesses da sociedade civil. Isso é claramente possível, pois somos nós que elegemos todos os políticos para nos representar, e eles têm como obrigação atender nossas reivindicações. Em toda a história do Brasil a classe política sempre se prevaleceu perante ao povo, resultando num exagerado centralismo e autoritarismo exacerbados e sem consulta ao povo nas principais decisões. É hora de mudar as regras desse jogo.

Tais afirmações soam como um possível "conflito" forçado entre a sociedade civil e a sociedade política, mas não é esse o objetivo deste texto. Sua finalidade é evidenciar o lugar que a sociedade civil organizada deve ocupar no cenário político. Este lugar não pode ser mais "à margem", "por baixo", na subalternidade, mas sim numa posição de frente, hegemônica e de controle total sobre o processo político-democrático. Todo este processo deve estar aliado ao trabalho dos representantes, para que possamos apresentar nossas demandas e possamos avaliá-los segundo suas competências, técnicas, coragem, esforço e habilidades em efetivar nossas reivindicações .
Afinal, é o nosso dinheiro que é administrado, portanto somos nós que devemos decidir sobre ele. E para isso, é preciso que nós, enquanto sociedade civil, tomemos posse do nosso poder e dos lugares que devemos ocupar na sociedade, fazendo com que assim, nenhuma decisão fuja de nosso controle e passemos a construir o projeto do povo, ou seja, o "projeto popular". Onde o povo organizado é quem decide, quem reivindica, direciona e constrói uma cidade e País de acordo, não com a vontade de uma elite minoritária, mas sim de acordo com os interesses da totalidade da população.

Política se faz assim, ao contrário, gera-se frustração e desesperança no futuro. Corremos o risco de cair num certo fatalismo (se convencer que nada tem jeito, que é impossível,etc.), ocasionando em desânimo e falta de perspectivas de vida. O ser humano é "animal político", dizia Aristóteles, e a todo momento, necessitamos nos relacionar uns com os outros buscando melhores maneiras de se consolidar projetos que visem os interesses da maioria. Essa é a democracia, apossemos-nos dela.

Finalizo parabenizando a toda a sociedade que vêm construindo o Movimento "UFVM é Nossa!", tal movimento vem demonstrando tudo que foi retratado nesse texto, ou seja, sociedade civil e representantes políticos trabalhando juntos em pró de um projeto de interesse coletivo, fortalecendo a luta e colaborando para que a reivindicação alcance vários lugares, várias pessoas, até que se concretize o objetivo da luta.

Destaco aqui o papel dos prefeitos, vereadores e deputados que estão participando desta luta, que acolheram as reivindicações do povo e não economizaram esforços nesse processo. Que possam daqui pra frente irem em direção ao povo, construir mobilizações junto a ele, apoiarem suas reivindicações coletivas, afinal esse é o verdadeiro papel de um político.

É dessa forma que tudo deve acontecer, e que seja assim daqui pra frente. Seja no âmbito municipal ou Estadual, uma coisa é certa, se a sociedade civil não se apossar do poder político, as decisões continuarão nas mãos de poucos.
Que no cenário político, a cada dia, surjam representantes políticos que lutem e estejam abertos às reivindicações dos movimentos sociais , pois só um Estado formado por representantes políticos que estejam vinculados à luta e o fortalecimento da sociedade civil que nos garantirá uma sociedade mais justa, desenvolvida e voltada aos interesses da maioria.


Este tem sido, desde do início, o objetivo do MMC - Movimento Muda Capelinha, em mostrar que uma outra política é possível, desde que exista um vínculo estreito entre cidadão e representantes políticos. Dessa forma teremos um país livre da desigualdade social, onde todos possam usufruir de toda a riqueza material e cultural produzida socialmente, buscando assim uma equitativa distribuição de renda e igualdade econômico-social entre todos nós. Utopia? Sim...Mas o que é utopia? Termino este texto com a resposta sábia de Eduardo Galeano:

"A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar"

Alexandre Macedo
alexandrefernandesmacedo@gmail.com
https://www.facebook.com/Alexandrefmsso
Postado por Movimento Muda Capelinha!

Salto da Divisa: Polícia Ambiental recolhe tamanduá

Salto da Divisa: Polícia Ambiental recolhe tamanduá
Policiais militares da 15ª Companhia Independente de Meio Ambiente e Trânsito foram acionados para recolherem um tamanduá na cidade de Salto da Divisa, no Baixo Jequitinhonha, divisa com o sul da Bahia.

O animal foi encontrado no quintal de uma residência da cidade. O fato chamou a atenção da população, pois foi a primeira vez que no município acontece recolhimento de um mamífero desta espécie.

O animal foi encontrado pelo proprietário da residência que acionou imediatamente a Policia Militar de Meio Ambiente, que deslocou ao local e utilizando técnicas de segurança fez o recolhimento do animal e, posteriormente realizou a soltura em seu habitat natural.
Publicado no Blog do Jequi

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

UFVJM continua com seu nome de nascença: o NÃO venceu o plebiscito

Universidade Federal: Jequitinhonha e Mucuri são seus sobrenomes
Acadêmicos disseram NÃO à mudança de nome da Nossa Universidade





Os Vales do Jequitinhonha e Mucuri continuam no nome e sobrenome da Nossa Universidade. UFVJM – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.
Um plebiscito realizado no dia 24.11.2011, na UFVJM, nos campi de Diamantina e Teófilo Otonia, teve a participação de 2.448 votantes. Destes 1.999 foram alunos; 233 professores e 216 técnico-administrativos.
Um quórum muito baixo. Com cerca de 4 mil alunos e 600 servidores públicos federais, houve uma abstenção de mais de 2 mil votantes.
Este plebiscito foi proposto pelo Reitor Pedro Ângelo no dia 04 de novembro para se realizar em 24.11.
A comunidade acadêmica se mostrou madura e sensata, pois não via necessidade nem justificativa para a mudança de nome.
A sociedade dos Vales do Jequitinhonha, comunidade externa, se mostrou revoltada com tal proposta. Houve reuniões, manifestação pública e denúncias de desvirtuamento da UFVJM, de negação de sua missão de ser a principal ferramenta para o desenvolvimento sustentável dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.


Deputados federais, prefeitos e vereadores, representantes políticos da região, foram acionados para evitar que mexessem no nome da instituição que denunciava um projeto de criação de uma nova Universidade para servir a interesses inconfessáveis.

No comunicado dos resultados apurados, o Reitor Pedro Ângelo afirmou que “o desejo da maioria, dos três segmentos da Universidade, ficou demonstrado pela manutenção da sua atual designação: Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri – UFVJM”.
O reitor propôs que a Universidade se chamasse Universidade Federal JK. Esta proposta obteve 109 votos ou 4,2 % do total de votos. Ou seja, 21 votos de técnico-administrativos, 36 de professores e 52 alunos.

Eis os resultados por segmento:
Técnico-administrativos
Total de votantes: 216
NÃO à mudança: 137 - 63,34% ( 29 votos do Mucuri)
Favoráveis: 70 – 32,4%
Nulos: 9 Brancos -

Professores
Total de votantes: 233
NÃO à mudança: 127 – 54,5% ( 66 votos do Mucuri).
Favoráveis: 98 - 42,1%
Nulos: 08 Brancos -

Estudantes
Total de votantes: 1999
NÃO à mudança: 1342 – 67,1% ( 744 votos do Mucuri)
Favoráveis: 603 – 30,2%
Nulos: 53 Brancos - 1

É importante acrescentar que mesmo que o peso dos votos fosse de 70% para professores o NÃO sairia vitorioso.

Dos 2.387 votos válidos o NÃO obteve 1.606 votos, ou 67%. A proposta de mudança de nome obteve 781 votos ou 33% do total de votos válidos.

O Reitor propôs que a Universidade se chamasse Universidade Federal JK. Esta proposta obteve 109 votos ou 4,2 % do total de votos válidos. Ou seja, 21 votos de técnico-administrativos, 36 de professores e 52 alunos.

A mudança de nome para Universidade Federal de Diamantina obteve 544 votos dos válidos (23% do total), sendo 40 de técnico-administrativos, 47 de professores e 457 de estudantes.
Depoimento:
"Alegria que não está cabendo em mim... Parabéns a todos (as) guerreiros que se mobilizaram, defenderam, votaram... A vitória de um povo contra o preconceito e o despotismo!!!"
Estudante Francianny Bezerra Costa

O Blog do Banu, um dos participantes do movimento da cidadania que sacudiu o Vale nos últimos 100 dias, levando à criação do Movimento A UFVJM é nossa!, agradece a todos e todas que votaram pelo NÃO no plebiscito
Temos a certeza que o projeto que queremos contruir é o mesmo ou muito parecido com o da maioria da comunidade acadêmicade da Nossa Universidade.
Uma Universidade que respeite a comunidade externa e esteja a seu serviço, que tenha excelência na difusão e produção de conhecimentos para servir à Sua Excelência: o povo dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, verdadeiros donos da UFVJM.

Exposição fotográfica do Jequitinhonha, na Assembléia Legislativa

Três cliques, três histórias
Fotógrafo Vilmar Oliveira, de Medina, realiza exposição sobre o Vale do Jequitinhonha na Assembléia Legislativa
Obras dos fotógrafos Vilmar Oliveira, Michele Angelillo e Simone Silveira estarão expostas na Galeria de Arte da Asssembleia Legislativa de Minas entre os dias 28 de novembro e 9 de dezembro, em Belo Horizonte.

Depois de expor na Maison du Patrimoine de Saint Julien les Villas e em Les Riceys (França), Vilmar Oliveira se junta ao italiano Michele Angelillo e à belo-horizontina Simone Silveira para mostrar obras selecionadas na exposição intitulada “Três cliques, três histórias”, que fica na Galeria de Arte da Asssembleia Legislativa de Minas entre os dias 28 de novembro e 9 de dezembro.
Especificamente de Vilmar Oliveira, 40 imagens de uma das culturas brasileiras mais instigantes do mundo, a do Vale do Jequitinhonha, serão mostradas em formatos e cores diferentes.



Por ter nascido naquela região, na cidade de Medina, no Médio Jequitinhonha, ele soube registrar uma realidade sócio-cultural emaranhada por manifestações populares, circo, teatro, artesanatos, personagens e paisagens locais como ninguém. “A intenção é sempre desvendar uma diferente estória a cada clique, transformar aspectos culturais e políticos em imagens que emocionam”, conta o artista.

Sobre o fotógrafo Vilmar Oliveira
Por muitos anos de sua vida, ele se dedicou à vivência com índios, trabalhadores rurais, moradores de ruas e trabalhadores da reciclagem de Belo Horizonte. Nascido na cidade de Medina (MG), Vilmar conhece bem os encantos e magias da região e seu povo.
Para ele, mostrar o Vale do Jequitinhonha é contar um pouco de si mesmo. Seus registros são, principalmente, de pessoas, festas e manifestações culturais da região – mostrando uma faceta alegre e cheia de vida do lugar que é classificado como um dos mais pobres do planeta. Seu trabalho reflete a intenção local para ser conhecida no Brasil e no mundo como uma rica região produtora de cultura.
Em 2007, Vilmar Oliveira lançou o belo catálogo-livro “Descendo o rio, os caminhos da cerâmica no Jequitinhonha”, premiado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional Brasileiro com menção honrosa. Trabalho este que mostra o artesanato como um dos mais importantes símbolos de expressão artística da região. A publicação, em espanhol, inglês e português, traz belas imagens, mapas indicativos e contatos de pousadas e artesãos do Vale do Jequitinhonha.
Com ampla atuação na área cultural, com viés na fotografia, no teatro e na produção cultural, estudou História no Centro Universitário de Belo Horizonte (UNI-BH) e pós-graduou-se em Metodologia do Ensino Superior pelo Unicentro Newton Paiva.
Apesar de residir na capital mineira desde 1989, Oliveira se tornou uma das principais referências na arte de fotografar sua terra natal, sendo fotógrafo de várias atividades culturais da região, como o Festivale (Festival de Cultura Popular do Vale do Jequitinhonha), Festeje (Festival de Teatro do Vale do Jequitinhonha), K-iau em Cena (Festival Nacional de Teatro da Cidade de Araçuaí), Programa Viva o Vale (da Avon Cosméticos) e diversos músicos como o Saulo Laranjeira, Rubinho do Vale e grupos de cultura local.
Em 2010, fez fotografias para o Ministério da Cultura do Brasil no prêmio que leva o nome de uma das principais artesãs do local, Dona Izabel Mendes Cunha. E participou como fotógrafo exclusivo do catálogo “Com a cerâmica e a madeira do Vale do Jequitinhonha: vida e obra das artesãs Maria Lira Marques e Josefa Alves dos Reis”, da produtora Luz da Lua (Araçuaí/MG), dentre outros.
No currículo, constam ainda, além da recente exposição na França, diversas exposições individuais e coletivas em Belo Horizonte e em várias cidades do Vale do Jequitinhonha.

Demais expositores
Simone Silveira é pós-graduada em Comunicação Social, e atualmente cursa Artes Plásticas na Escola Guignard, em Belo Horizonte. Participou, em 2010, da Bienal Zero Universitária promovida pela UFMG e Escola Guignard. Em 2011, fez parte 39º Salão de Contemporânea Luiz Sacilotto de Santo André/SP, e da exposição coletiva no Marp – Ribeirão Preto/SP. E nesse mesmo ano foi selecionada para exposição Mostra BDMG Cultural – Belo Horizonte/ MG, com data prevista para janeiro de 2012, e para exposição o Museu de Arte de Goiânia (MAG) a ocorrer em 03/2012.

Michele Angelillo nasceu e vive em Nápoles (Itália). Sempre demonstrou interesse pela fotografia, especialmente em preto e branco. Suas atividades diárias de médico radiologista ajudaram a aperfeiçoar sua observação sobre a luz, dirigindo um olhar muito particular. Ele utiliza expressionismo nas fotografias, criando situações únicas e inusitadas com a luz. Na tentativa de experimentar novas técnicas, Michele faz uso de raio-x na fotografia na perspectiva de expressar um certo “interior”, até mesmo por coisas inanimadas.
--
Contatos:
vilmar.oliveira1@gmail.com / (31) 9208-9537
Outras imagens e informações para a imprensa: (31) 8478-6713 (Tereza)

Copa Aranãs: Capivari e Vila Nova são finalistas

Copa Aranãs: Capivari e Vila Nova são finalistas
O Vila Nova joga a final com a vantagem de dois resultados iguais

O Capivari e o Vila Nova, ambos de Capelina, são os dois times finalistas da Copa Aranãs FM 2011.
É a primeira vez que as duas equipes capelinhenses vão se enfrentar em uma final da competição.



O Capivari disputa sua quinta final na Copa Aranãs. Ganhou duas finais. Agora, quer ser tri campeão.
O Capivari conquistou a condição de finalista no sábado, dia 26, ao empatar em 0 x 0 com o Atalanta de Malacacheta, no Estádio Newton Ribeiro, em Capelinha. No primeiro jogo, as duas equipes haviam empatado em 2 a 2 e o Capivari tinha a vantagem de jogar por dois resultados iguais.
O Capivari chega à sua quinta final da Copa Aranãs (em 2000, campeão, contra o Angelândia, campeão; Berilo, em 2001; em 2006, campeão; Novo Cruzeiro, em 2010 e em 2011), tendo conquistado o título em duas oportunidades.


Vila Nova conquistou a condição de finalista neste domingo, dia 27.11, ao empatar em 0 a 0 com o Aranãs, no Estádio Newton Ribeiro, em Capelinha. No primeiro jogo, as duas equipes haviam empatado em 3 a 3 e o Vila Nova tinha a vantagem de jogar por dois resultados iguais. O Vila Nova chega à sua primeira final da Copa. Detalhe interessante: mesmo eliminados, Aranãs e Atalanta de Malacacheta terminaram a Copa invictos.

Na decisão da Copa Aranãs FM 2011, o Vila Nova tem a vantagem de jogar por dois resultados iguais e ser o mandante de campo na segunda partida contra o Capivari por ter marcado três gols na semifinal, enquanto o Capivari marcou dois gols.

Os jogos da decisão estão marcados para os dias 04 e 11 de dezembro, porém o primeiro jogo também poderá ser no dia 03, sábado, às 8 da noite, em Capelinha.

BALANÇO SEMIFINAL – 26 E 27/11
CAPIVARI 0 x 0 ATALANTA
Trio: Robson, Mislaine e Célio Roberto (Timóteo e Ipatinga)
Equipe: Cleuber, Nilton, Nísio, Tico, Nô, Lafaiete e Geralda
Público Estimado: 1.800 torcedores
Melhor Jogador do Capivari: Dêga
Melhor Jogador do Atalanta: Sérgio Adriano
Cartões Amarelos: Robert e Júnio Ferreira (Capivari)
Tiagão (Atalanta)

O forte e organizado time do Vila Nova disputa sua primeira final na Copa Aranãs
VILA NOVA 0 X 0 ARANÃS
Trio: Robson, Mislaine e Célio Roberto (Timóteo e Ipatinga)
Equipe: Cleuber, Nilton, Nísio, Tico, Nô, Lafaiete e Geralda
Público Estimado: 1.300 torcedores
Melhor Jogador do Vila Nova: Bruno
Melhor Jogador do Aranãs: Serjão
Cartões Amarelos: Wilson (goleiro), Zolinha, Serjão e Badu (Vila Nova)
Adriano (Aranãs)
RESUMO DOS JOGOS DE IDA DA SEMIFINAL
Número de Jogos: 02 - Gols Marcados: 0
Público Total Estimado: 3.100 torcedores - Média: 1.550 torcedores
Cartões Amarelos: 08
Jogador Destaque da Rodada: Bruno (Vila Nova)
Fonte: Rádio Aranãs FM, de Capelinha

Itamarandiba: População lota plenário da Câmara por campus da UFVJM

Itamarandiba: População lota plenário da Câmara por campus da UFVJM


Pedro Afonso
Aconteceu no dia 23 de novembro, na Câmara Municipal de Itamarandiba, Alto Jequitinhonha, audiência pública para discussão da importância e a necessidade da implantação do campus da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) no município de Itamarandiba.


O evento idealizado e promovido pelo “Movimento UFVJM em Itamarandiba” foi marcado pela grande participação popular. Além de representantes dos poderes legislativo e executivo, reuniram-se, no auditório da casa legislativa, professores, estudantes, empresários, presidentes de associações e entidades, lideranças políticas e religiosas, advogados e população local.

“Estamos vivendo um momento histórico no qual precisamos nos unir por uma causa única: o desenvolvimento socioeconômico e cultural de Itamarandiba. É uma oportunidade ímpar e somente com união e luta poderemos transformar este sonho em realidade.”, comentou o empresário Walber de Miranda Santos, um dos apoiadores do movimento.


De acordo com os membros da comissão “Vale + Educação”, a mobilização tem acontecido pelo fato de os municípios de Unaí e Janaúba terem sidos contemplados com 02 novos campi da UFVJM, mesmo estes não sendo município da região dos Vales do Jequitinhonha e Mucurí.



No encontro os membros da comissão fizeram questão de ressaltar que o movimento não possui caráter político-partidário e que a união é peça fundamental na conquista de um campus universitário para o município de Itamarandiba.


Como explicou o Oficial de Justiça, José da Conceição Meira, um dos integrantes da comissão. “Queremos deixar bem claro que nós da comissão não temos nenhuma ligação partidária. Se percebermos que tem pessoas à frente com interesse político estaremos contra. Precisamos da união de todos, independente de credo, raça e ideologias políticas. Somente com aderência comum que conseguiremos obter êxito nesta luta.”.



Na audiência pública ficou evidenciado que todos os segmentos sociais e políticos estão em comum acordo para a implantação do campus da UFVJM no município.


A Secretária Municipal de Assistência Social, Rosana Freire, apresentou aos participantes as ações que a Prefeitura já desenvolveu em busca da instalação do campus no município e reiterou o compromisso do poder executivo em apoiar, em todos os sentidos, o movimento.

“Estamos todos engajados em um único propósito; que é conseguir a implantação da UFVJM em Itamarandiba. E com a união, aqui demonstrada por tantos segmentos da sociedade, não tenho dúvida que poderemos realizar nosso sonho.”, concluiu a Secretária.


No encontro foi lembrado que além, do apoio da população, Prefeitura e Câmara Municipal de Itamarandiba, vários outros municípios circunvizinhos já aderiram a idéia e estão apoiando a implantação do campus da UFVJM em Itamarandiba.

Contudo, a audiência serviu, ainda, para ser debatido e definido quais as melhores estratégias para realizar, com qualidade, um trabalho conjunto entre todos os apoiadores da mobilização.


Segundo, os integrantes da comissão “Vale + Educação”, Itamarandiba tem totais condições de acolher uma universidade, a centralização regional (são 13 os municípios que fazem limites, totalizando uma população aproximada de 170 mil habitantes), a disponibilidade de recursos, grande ascensão econômica, mercado imobiliário em franco desenvolvimento (grandes áreas para expansão), grandioso potencial turístico, dentre outros, são apontados como fatores relevantes para conseguir a instalação da UFVJM no município.

Fonte: Diário do Jequi

UFVJM ocupa 20º lugar no ranking das universidades federais brasileiras

UFVJM ocupa 20º lugar no ranking das universidades federais brasileiras


De acordo com dados do Índice Geral de Cursos (IGC), divulgados pelo INEP/MEC, disponíveis em www.inep.gov.br, a UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri está em 20º (vigésimo) lugar no ranking das universidades federais brasileiras e ocupa o 9º (nono) lugar na classificação das universidades federais mineiras.

O Índice Geral de Cursos (IGC) é um indicador do Ministério da Educação (MEC) que mede a qualidade das instituições de ensino superior do país.

A maioria dos cursos avaliados em 2010 (Agronomia, Zootecnia, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição, Odontologia e Serviço Social) obteve conceito 5 no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e Conceito Preliminar de Curso - CPC 5 e 4, numa escala que varia de 1 a 5.

A Prograd parabeniza os discentes, docentes e servidores técnico-administrativos pelo excelente desempenho da UFVJM nos indicadores de qualidade do MEC e pela significativa contribuição para o crescimento e consolidação da nossa Instituição.
Site da UFVJM

Comentário

A Nossa Universidade está de parabéns. Os professores, os técnico-administrativos e os estudantes mostraram que a UFVJM vem se tornando uma das maiores Universidades do país.

Parabéns aos jovens de todo o Brasil que estudam na Nossa Universidade. Parabéns especial ao jovens do Vale do Jequitinhonha que ocupam mais da metade das matrículas, ou seja, mais de 2 mil. Suas notas jogaram pra cima o IGC. Em um estudo do Cláudio Moura e Castro, pesquisador da educação e colunista da revista Veja, avaliando apenas as notas obtidas a UFVJM fica em 9º lugar no país.

Isso prova que o povo do Vale é inteligente, dedicado aos estudos e mostrará muitos talentos que brotam em todos os cantos da nossa região.

Governo mineiro enfrenta cenário de crise

Governo mineiro enfrenta cenário de crise
São muitos fatores que devem tirar o sono de Antonio Anastasia:
1) A greve dos professores estaduais. Já houve até esboço de articulação com o pessoal da saúde e da polícia militar. O subsídio, aprovado pelos deputados estaduais que apoiam o governo estadual, foi uma vitória de Pirro e colocou gasolina na fogueira. A reação do SindUTE será muito forte, logo no início de 2012, ano eleitoral;



2) A entrada dos produtos chineses já azeda a festa do comércio mineiro. A importação de brinquedos e calçados deve aumentar em 40% até a passagem do ano. O Sindicato da Indústria de Calçado de Nova Serrana (pólo do setor em MG) afirma que além da concorrência no mercado interno, a China bloqueia expansão de vendas no exterior (3% da produção de Nova Serrana é exportada). O calçado chinês é vendido, hoje, pela metade do preço do calçado fabricado em Minas Gerais;


3) A dívida do governo mineiro com o governo federal explodiu. A dívida já atinge 55,7 bilhões de reais. O governo mineiro sugeriu, na semana passada, trocar esta dívida por investimentos em obras envolvendo áreas de responsabilidade do governo federal, como ampliação da BR-381.

Texto de Rudá Ricci, publicado em seu Blog De Esquerda em Esquerda.

Futebol Solidário: Seleção de Minas Novas x Seleção de Turmalina

Futebol Solidário: Seleção de Minas Novas x Seleção de Turmalina
Amigos de Minas Novas realizam Natal Solidário dia 23/12/2011, a partir das 18:00 horas. A juventude minasnovense se organizou e realizará no proximo dia 23/12/2011, às 18:00 horas o Futebol Solidário, entre a Seleção de Minas Novas x Seleção de Turmalina. O ingresso será a doação de 01 Kg de alimento não perecível, que atenderá famílias carentes de Minas Novas.

Logo após a partida, haverá show de pagode com a Banda Oz PaiGodeiros e amigos, mais DJ. Durante o show, para quem comprar o ingresso antecipado por R$15,00 reais terá direito a open bar (bebida liberada).
Participe desta campanha e marque um gol pela solidariedade.
Realização: Amigos de Minas Novas.

Cruzeiro pode ser rebaixado no próximo domingo em jogo contra o Galo


Cruzeiro pode ser rebaixado no jogo contra o Galo
Raposa mineira tem 28% de chances de rebaixamento
Sonho da torcida atleticana é rebaixar o Cruzeiro no jogo final do Campeonato Brasileiro
O Cruzeiro continua ameaçado de rebaixamento para a série B. Não conseguiu mais que um empate de 2 x 2, neste domingo, 27.11, no jogo contra o Ceará, em Fortaleza. Saiu perdendo, foi atrás do resultado e virou o jogo. Com 2 x 1 no placar poria o Atlético-PR e Ceará na zona de rebaixamento e se livraria da série B. Mas, cedeu o empate, aos 38 minutos do segundo tempo.
A navalha do rebaixamento já cortou o pescoço do América-MG e ameaça o do Cruzeiro
Agora, enfrenta o Atlético mineiro, no próximo domingo, quando terá que vencer para só depender de si mesmo. Chegaria aos 43 pontos sem poder ser alcançado pelos seus rivais.

O Cruzeiro tem 40 pontos, 10 vitórias e saldo negativo de 8 gols.
O Cruzeiro tem 28% de chances de ser rebaixado, segundo o site de estatísticas do futebol Infobola, http://www.infobola.com.br , do engenheiro gaúcho Tristão Garcia, da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Segundo ele, o Atlético paranaense tem 91% de chances de cair. Ele tem 38 pontos e saldo negativo de 18 gols. Enfrenta o seu arqui-rival Coritiba, precisando vencer, além de torcer por derrota e empate do Ceará na última rodada.

O Ceará tem 81% chances de rebaixamento. Tem 39 pontos e precisa vencer o Bahia, em Salvador, além de torcer por empate ou derrota do Cruzeiro para o Atlético. Com a vitória chegaria aos 42 pontos, dois à frente do Cruzeiro.
Muro pixado como ameaça ao presidente do Cruzeiro Zezé Perrela

Cruzeiro pode continuar na série A, mesmo perdendo para o Galo
Os cruzeirenses vem fazendo contas nesta segunda fase do campeonato brasileiro. Mesmo perdendo para o Atlético, no próximo domingo, dia 04.12, pode escapar do rebaixamento.
Acontecerá somente se o Ceará perder ou empatar contra o Bahia, que precisa vencer para chegar à Sul Americana; combinado com empate ou derrota do Atlético paranaense, em Curitiba, contra o Coritiba, que precisa da vitória para ter vaga na Copa Libertadores em 2012.

Na vida desportiva em que muitos torcedores vivem mais felizes torcendo pela desgraça do outro do que pelo seu próprio time, os atleticanos vivem o êxtase de serem os principais responsáveis pelo rebaixamento do Cruzeiro, seu maior rival em campeonatos mineiros e nacionais.
Na última rodada do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro, precisando da vitória para depender apenas de si mesmo, enfrenta o Atlético sem seus dois grandes jogadores: o goleiro Fábio e o meia-atacante, o argentino Montillo.

Com R$ 10 mil, diretor filma sonhos e a esperança dos moradores do Vale

Com R$ 10 mil, diretor filma sonhos e a esperança dos moradores do Vale
Fonte: Jornal Estado de Minas
Com alguma desconfiança, o ator e diretor Ernane Alves, de 34 anos, informa: o filme Cinema Vale Sonhos, em cartaz hoje, às 19h, no Sesc Palladium, custou R$ 10 mil.
O receio tem motivo: ele teme o preconceito em relação à sua obra.

O orçamento curto se deve ao fato de Ernane ter se encarregado de praticamente todas as tarefas no set. Aproveitou as horas de folga, em meio a um trabalho de encomenda no Vale do Jequitinhonha, parafilmar moradores da região que nunca foram ao cinema. Eles falaram de sonhos e de filmes.

A ajuda de amigos facilitou a finalização, a arte e a trilha original de Cinema vale sonhos, assinada por Bruno Tonelli, do grupo Sete Estrelas. Mas a grana curta prolongou o processo. As imagens foram gravadas em 2007 e o trabalho só ficou pronto em 2010.

Ernane pretende lançar seu filme em salas dedicadas ao cinema de arte. “Fui tocado profundamente por aquela realidade”, conta o diretor. Ele se emocionou ao ver crianças, adolescentes, adultos e idosos sonhando com uma vida melhor, com a casa própria e até em deixar o Vale do Jequitinhonha. “Eram histórias não muito diferentes das que ouvi de meus pais e avós, também gente da roça”, observa. “É papo reto, simples, muito sofisticado e amoroso de gente pobre que encontra modos de ajudar os outros, ainda mais pobres”, acrescenta.

Selva Ernane convida o espectador a conferir o seu trabalho. “Gostaria muito que o vissem. Quem mora na selva de pedra acha que gente humilde não tem cultura, mas não é assim. Aquelas pessoas têm sabedoria, cada encontro foi uma lição de vida para mim”, garante.

Cinema vale sonhos tem humanidade e verdade, assegura o diretor. “Fiz um filme sobre os esquecidos pelo cinema”, resume. Há quem veja nele estética próxima ao neorrealismo dos italianos dos anos 1940. Recém-saídos da 2ª Guerra, aqueles cineastas produziram filmes baratos e diretos.

O trabalho de Ernane circulou por festivais, mas ainda não chegou às salas de exibição. “Estou aprendendo a ter paciência”, brinca ele, que está tocando novos projetos. Vai filmar a vida da escritora Helena Jobim, irmã do autor de Garota de Ipanema, e planeja uma fita sobre a bossa nova em Minas Gerais. Ernane já filmou a Trilogia do tédio, que reúne os curtas Cinco minutos do meu pensamento, Crunch e Clash.
Publicado no Passadiço Virtual

domingo, 27 de novembro de 2011

Cruzeiro precisa vencer e torcer contra Atlético-PR para se classificar

Cruzeiro precisa vencer e torcer contra Atlético-PR para se classificar

Tem 34,5 % de chances para cair para a série B

O Cruzeiro disputa hoje o jogo da sua vida, em 2011. Terá que vencer o Ceará, em Fortaleza, para ter chances reais de classificação. Se o Atlético paranaense perder ou empatar com o América-MG, em Sete Lagoas, estará classificado para a série A de 2012.
O fraco plantel do Cruzeiro terá que se superar para vencer o Ceará, em Fortaleza.

O Cruzeiro tem 39 pontos, 10 vitórias e saldo de 7 gols negativos; o Ceará tem 38 pontos, 10 vitórias e 14 gols negativos; o Atlético-PR tem 38 pontos, 9 vitórias e 15 gols negativos.
Torcedores cruzeirenses ameçam o ex-presidente do Cruzeiro Zezé Perrela que desmantelou o time durante campeonato, formando umas das mais fracas equipes dos últimos 30 anos.

Se o Cruzeiro perder, terá que ganhar do arquirival Atlético mineiro, no próximo domingo, e torcer contra o Ceará e Atlético para que não ultrapassem 42 pontos.

É um final de campeonato brasileiro que o cruzeirense nunca vivenciou. Está fazendo muitas contas e torcendo por várias combinações de resutados.

Todos os jogos serão realizados hoje, domingo, no mesmo horário para evitar favorecimentos de resultados de um time ou outro.

Municípios da Regional de Pedra Azul realizam eventos da saúde

Municípios da Regional de Pedra Azul realizam eventos da saúde Em Salto da Divisa, no Baixo Jequitinhonha, nordese de Minas, vem sendo realizado um trabalho de palestras educativas direcionadas para diabéticos, além de controle da glicose, pressão arterial e atividades físicas.

Em um evento realizado esta semana no município, o médico Guilherme Marques, explanou sobre as classificações das doenças, os sinais e sintomas, e sobre a fisiopatologia que envolve a explicação da necessidade de insulina produzida pelo pâncreas. Já o médico, Leandro Veloso, abordou os tipos de diabetes e como os diabéticos podem ter uma vida balanceada e também sobre o tratamento.
No município de Felisburgo, o trabalho realizado pelas equipes da Estratégia Saúde da Família mobilizou a população para os riscos relacionados ao tabaco e à diabetes. “Frequentemente temos aferido a pressão arterial, glicemia capilar e temos feito orientações sobre os efeitos do tabaco no organismo e nos dentes”, disse a enfermeira Wagila Souza.

Já em Jordânia, uma campanha relacionada aos direitos das crianças e dos adolescentes movimentou a cidade. O evento contou com a colaboração dos alunos das escolas estaduais, municipais e particulares do município que retrataram diversos temas, como, o abuso e a exploração sexual, a pedofilia, saúde e a importância do sono.



A Escola Estadual de Jordânia e a Secretaria Municipal de Saúde finalizaram o evento abordando temas como gravidez na adolescência, drogas e suas conseqüências e sobre as Doenças Sexualmente transmissíveis (DST). “Gostaria de ressaltar que esse foi um dos mais completos eventos que já realizamos em nosso município direcionados às crianças e adolescentes, pois contamos com um desfile que contou com a participação de aproximadamente três mil pessoas de todas as idades”, comemorou a secretaria de saúde de Jordânia, Juvecy Ribeiro.

O diretor da GRS - Gerência Regional de Saúde de Pedra Azul, Gregory Fortunato, ressaltou que a iniciativa dos municípios em realizar eventos de promoção à saúde é muito importante para que os problemas de saúde possam ser sanados. “Os gestores sabem quais sãos os principais problemas de saúde existentes em suas cidades, porque conhecem sua realidade e possuem os sistemas de informação que lhes dão esse tipo de dados. Então, cabe aos municípios, realizar um planejamento e desenvolver ações de promoção à saúde que visem melhorar a qualidade de vida da sua população”, finalizou.
Allan Campos, da GRS Pedra Azul

Capelinha: 2º Festival de Esporte-Atletismo do Alto Vale do Jequitinhonha

Capelinha: 2º Festival de Esporte-Atletismo do Alto Vale do Jequitinhonha
Neste sábado, 26.11, durante toda a manhã e tarde aconteceu em Capelinha, no Alto Jequitinhonha, nordeste de Minas, o 2º Festival de Esporte-Atletismo do Alto Vale do Jequitinhonha da Estação do Conhecimento.




O local escolhido pela organização do evento para a realização do mesmo foi o parque de exposições e a praça de esportes, nesses ambientes foi montada uma impressionante estrutura para receber os atletas de Capelinha e das outras cidades do Alto Jequitinhonha(23 cidades) participantes do Festival.


Esses atletas puderam durante todo o dia vivenciar e disputar atividades esportivas e de lazer: provas de atletismo, desafios de mobilização entre cidades, jogos e brincadeiras como peteca, cabo-de-guerra, xadrez, dama entre outras.


Estiveram presente durante o Festival varias autoridades Capelinhenses e de outras cidades mineiras. O atleta medalhista de ouro no atletismo nos Jogos Pan-americanos de Guadalajara Solonei Rocha foi o encarregado de fazer a premiação.


A Estação Conhecimento Vale do Jequitinhonha acredita que o investimento no Esporte promove o desenvolvimento social dos territórios. Acredita, também, que a ação regional integrada potencializa o desenvolvimento territorial, pois mobiliza e articula esforços para superação de desafios comuns e para o alcance de metas compartilhadas.

2º Festival de Esporte-Atletismo
Realização: Estação Conhecimento
Parceria: Fundação Vale, Secretaria de Estado de Esporte e Juventude de Minas Gerais, Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais-IDENE, Secretaria Especial de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas-SEDAVAN, Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha e Mucuri, Prefeitura Municipal de Capelinha e demais prefeituras dos municípios convidados a participar.

Publicado no Blog Regiscap1

Diamantina: Audiência Pública debate sobre a UFVJM

Diamantina: Audiência Pública debate sobre a UFVJM
Evento reuniu deputados e sociedade civil. Reitor não compareceu nem enviou representantes


Comitiva de Almenara na Auduiência Pública, em Diamantina. Foto: Fabrício Fagundes
As Comissões de Defesa do Consumidor e do Contribuinte e de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), participaram na última quinta feira (24/11) de uma audiência pública em Diamantina, no Alto Jequitinhonha, para discutir com autoridades locais e representantes de movimentos civis a questão que virou motivo de sérias divergências na região do semiárido mineiro.


De um lado, o reitor da UFVJM afirma que a decisão é irreversível e não vai prejudicar em nada os moradores do Vale. Do outro, políticos e moradores questionam a transferência para outros municípios de recursos prometidos à região.

O deputado estadual Délio Malheiros (PV), autor do requerimento para a realização da audiência pública, defende que antes da expansão da universidade para os municípios de Unaí e Janaúba, nas regiões Noroeste e Norte do Estado, é preciso avaliar a missão para a qual a instituição foi criada, impedindo que a ampliação para outros lugares prejudique a ampliação de vagas para os moradores dos vales. “Temos uma carência enorme no vale e são vários municípios que reivindicam unidades. A ampliação faz com que o objetivo dessa universidade acabe se perdendo”, explica o parlamentar.

O reitor da UFVJM, Pedro Ângelo Almeida Abreu, não participou da Audiência e disse que a definição sobre a ampliação da universidade para Unaí e Janaúba já foi discutida e aprovada pelo Conselho Universitário, sem possibilidade de mudanças.


Sobre a construção de novas unidades no Vale do Jequitinhonha, o reitor explica que já estão sendo feitos estudos técnicos pelo mesmo Conselho e que enquanto não houver uma definição ele prefere não participar de discussões sobre o tema.


“Acho justa a reivindicação dos movimentos civis por novos câmpus e podem ser viáveis três novas unidades no Vale, mas a questão não pode ser colocada como um confronto entre regiões. O Norte de Minas também precisa ser atendido com ofertas de cursos superiores”, afirmou Abreu.
O CONSU - Conselho Universitário formou uma Comissão para fazer estudos técnicos, mas a Reitoria não liberou diárias para técnicos e professores viajarem até as cidades e fazerem levantamentos in loco. Porém, o Reitor já visitou cidades que ele tem interesse em implantar um campus, sem estudos e consulta ao CONSU.


Almenara presente
A distância de quase 700 quilômetros entre Almenara e Diamantina ficou pequena em relação à disposição dos representantes do Baixo Jequitinhonha em defender a bandeira de um campus em Almenara.A comitiva almenarense literalmente vestiu a camisa da campanha “UFVJM em Almenara – Eu Apoio essa idéia”.

Em entrevista à TV Assembleia de Minas Gerais, a presidenta da Associação Comercial de Almenara, Zinelma Calheiros, falou da importância da instalação de um Campus da UFVJM em Almenara e registrou o repudio na questão de alteração do nome da Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri para outro qualquer. Entrevista de Zinelma Calheiros a TV Assembleia
Mais democracia
A posição definitiva apresentada pelo reitor desagradou aos integrantes do movimento “A UFVJM é nossa!”, que esperavam uma discussão mais aberta. “A questão está sendo tratada com muito autoritarismo por parte do reitor. Não é justo que lugares em situações melhores e que já têm opções para seus moradores recebam investimentos prometidos para o vale”, criticou Maria do Rosário Sampaio, integrante do movimento. Ela também cobrou uma ação mais efetiva dos parlamentares. “Estamos brigando há mais de seis meses e até agora os deputados têm andado a reboque dessas discussões. Parece até que os interesses da região não são importantes para o estado”, enfatizou.
Com informações de Marcelo Fonseca do jornal Estado de Minas: impasse-ufvjm

Capelinha: 2º Encontro de Criadores de Pássaros

Capelinha: 2º Encontro de Criadores de Pássaros
Capelinha se tornou palco de uma grande atração. Neste último domingo, aconteceu no Galpão cultural, o 2º encontro de passarinheiros da cidade, que contou com a presença de 86 criadores de várias cidades como: Montes Claros, Malacacheta, Setubinha, Minas Novas, Turmalina, Itamarandiba, Bocaiúva, Aricanduva, Diamantina, Angelândia, Carbonita, Manhuaçu, dentre outras.

Dentre os vários troféus entregues no evento, 5 ficaram em Capelinha. São eles Luciano (Troféu Trinca Ferro Fibra) Valter (Troféu Trina Ferro Fibra) José Lúcio (Troféu Tico-Tico e Coleirinha) e Valdeci Mecânico (Troféu 1º e 3º Lugar Canto Livre).

Fonte: Blog A Cidade

sábado, 26 de novembro de 2011

Zara Sampaio: "Deixe nossa Universidade em paz!"

Zara Sampaio, de Capelinha: "Deixe nossa Universidade em paz!"
Representante do Movimento A UFVJM é nossa cobra de deputados votados na região coerência e respeito ao projeto original do Presidente Lula
Discurso proferido em manifestação pública em Capelinha, 25.11:


Deputado federal e presidente estadual do PT, Reginaldo Lopes, ouve críticas de Zara Sampaio à decisão da Presienta Dilma em criar campus da UFVJM fora do Vale e cobra compromisso com a região.

Mulheres e homens do bom combate do Vale do Jequitinhonha ,Mucuri e Rio Doce
Minhas conterrâneas, homens de Capelinha,jovens e crianças desta terra que merece o melhor..
Senhores Representantes eleitos em uma democracia capitalista e ,portanto,democracia limitada.
Meu nome é Maria do Rosário Sampaio, trabalho na Fundacentro,Ministério do Trabalho e faço doutorado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro.Estas instituições sustentam meu trabalho de pesquisa em Capelinha.A primeira atitude é sempre agradecer a todas e todos que acreditaram na proposta que veiculei na Radio Aranãs em 07/10/2011,logo após a reunião do conselho Universitário,quando Jailson Pereira nos concedeu espaço em seu programa.Alias,agradeço muito a Rádio Aranãs, através de Camélia Sampaio, que foi parceira de primeira hora desde o inicio de minha pesquisa ,em novembro de 2011, e que terminou resultando nesta movimentação Jequitinhonha a dentro que hoje se assiste .
E que pesquisa é esta? Bem,nascida aqui em Capelinha ,eu sempre vi minha mãe e suas comadres da roça e da cidade trabalharem muito,lutarem por sua independência financeira.Eu sempre vi as mulheres da zona rural movimentarem a feira livre aos sábados com produtos do seu trabalho.Por que então as mulheres do Jequitinhonha foram apelidadas de viúvas de maridos vivos como se vivessem a espera de uma pensão ao final de cada mês e nada fizessem?Decidi mostrar outra mulher que do Vale brotava: não só aquelas marcadas pela história de migração e que trabalhavam, mas, também aquela que exercia liderança em alguma esfera de poder. A principio iria investigar mulheres com este perfil em Berilo, Araçuaí e Itinga porque era importante a variável “migração”.Em conversa com amigas,soube da existência de mulheres aqui em Capelinha com o perfil que eu procurava .Decidi ,então,que seria Capelinha a cidade amostra da pesquisa .
Depois de longas conversas sobre trabalho e vida com o grupo de mulheres selecionadas, estas,ao serem indagadas sobre seus sonhos, disseram-me que era estudar filhos ou netos em Universidade ou em Capelinha ou em cidade mais próximas, porque para elas,.nem o PROUNI resolveria.E que seus filhos /filhas formavam no segundo grau e continuavam a migrar do mesmo jeito que o avô, o pai, por falta de estudo.Concluído o trabalho de campo,voltei a BH e comecei a enviar mensagens pedindo apoio aqueles que tivessem poder político ,prestígio e dinheiro.Alguns responderam ,outros não.
Enviei cartas a muitos deputados e a Presidente Dilma também.Enviei mensagem ao Instituto de cidadania ,do Presidente Lula.Então,este pleito de Capelinha por Universidade já era conhecido da Presidente e do MEC desde Janeiro.E tenho respostas tanto da presidente Dilma quanto do MEC.
Como justificar então que a expansão se dê nos atropelando a todos os do Jequitinhonha?

Nada de pólo nem para o Alto, nem Médio, nem Baixo e nem sequer uma explicação razoável para tal medida? Se indagarmos aos deputados da situação porque razão Dilma quer desfazer compromisso de Lula com o Jequitinhonha, eles não saberão responder. Se indagarmos porque deixaram, também ficarão constrangidos. Se dirigirmos a pergunta para os deputados de oposição, com maioria de votos na região, a coisa ainda fica pior: onde estavam que não viram o ocorrido?
Onde estava ,por exemplo, Fabinho Ramalho, do PV e seus 52.209 votos na região,
Ademir Camilo do PDT, com 36.903 votos,Bernardo Santana, do PR e seus 35.779 votos, Rodrigo de Castro, PSDB e seus 29.559 votos, ou Leonardo Monteiro, do PT com 20.904,Marcus Pestana, PSDB 12.274 votos e tantos outros que aparecem no Vale de quatro em quatro anos.

Por favor, senhores deputados, expliquem para as suas próprias consciências como permitiram que a Presidente Dilma tirasse do Jequitinhonha o que ele ainda não tem?

Pior: como a Presidente Dilma destrói o projeto de desenvolvimento social que o ex-presidente Lula que criou para o Jequitinhonha?
E a Presidente Dilma conta com a conivência de deputados do PT e com a omissão de quem se diz oposição?
Nós queremos a execução do projeto original do qual meu companheiro de luta-Banu- já mencionou: expansão Jequitinhonha a dentro! Um pólo para Capelinha que atenderá os Vales do Mucuri e Rio Doce, outro para o Médio e outro para Baixo com possibilidades de atender o sul da Bahia.
Que a Presidente Dilma se arme de coragem e faça passar o projeto da Universidade Federal do Norte de Minas Gerais.
Nós não somos o Norte , nós somos o Jequitinhonha, aquela porção geográfica que ficou interditada a todos os demais brasileiros até 1860 em razão de sua riqueza...

Até quando pagaremos o preço desta interdição? Já pagamos muito caro por ter tido muito diamantes e índios indomáveis. Já passa da hora do Brasil e Minas incluir o Jequitinhonha em seu mapa. como Lula tentou fazer .Não é possível acreditar que será Dilma que o expulsará de novo ...

Por fim, resta dizer que como liderança do Movimento a UFVJM é nossa. Não vou me compactuar com quem usa a fé e a esperança do povo a troco de voto: não creio que a promessa de tantos pólos ou IFETS seja verdadeira...

A promessa veio muito rápida e exagerada. O santo desconfiou. Por isso, nós temos que seguir a luta.O Vale inteiro,unido e fortalecido.. Não seremos mais o curral eleitoral barato. Nosso voto deve ser de quem nos traz benefícios maiores: universidades, Hospitais regionais, empreendimentos sustentáveis ou de quem, no mínimo, nos respeite, não nos tomando o que ainda nem temos.

Nada mais será como antes agora que temos facebook e ninguém poderá deter a primavera do Jequitinhonha que só está começando .. Muita água ainda baixará neste solo, mas, nossos pólos virão.Nós, Jequitinhonhenses,lutaremos por eles.E que nenhum presidente da república, deputado ou reitor ouse mais nos tratar como gado de segunda!

Ë como cidadãos e cidadãs de primeira que o movimento A UFVJM é nossa ! vem apresentar aos deputados de situação e oposição - ambos em dívida com o Jequitinhonha- a seguinte proposta : formação de frente suprapartidária para aprovação de projeto de Universidade Federal do Norte de Minas Gerais que poderá dar suporte ao projeto de exploração minério de ferro das empresas de Eike Batista que herdou da ditadura o mapeamento das riquezas minerarias brasileiras ..
E deixem a nossa Universidade em paz!

Que vocês deputados, como nossos representantes que são, pressionem o MEC a executar o projeto original de expansão de UFVJM que Lula nos deixou: nossos três pólos Jequitinhonha adentra.Um deles ,eu sei que nos defende: Dr Jean Freire.
Gostaríamos de ouvir os que os deputados acham de nossa proposta.
Hum milhão de pessoas são o Jequitinhonha e Mucuri.Tratem de nos respeitar!Afinal, não são nossos representantes?Representem-nos, então!

OBRIGADA! À luta, Jequitinhonhenses!
À luta, mulheres guerreiras!

Maria do Rosário Sampaio é doutoranda da UERJ - Universidade Estadual do Rio de Janeiro. É de Capelinha. Como pesquisadora, trabalha na FUNDACENTRO/ Ministério do Trabalho e Emprego.

Capelinha: Copa Aranãs tem jogos decisivos no final de semana


Capelinha: Copa Aranãs tem jogos decisivos no final de semana

Os dois jogos serão em Capelinha, no Estádio Newton Ribeiro

Capivari e Atalanta, sábado. Vila Nova e Aranãs, domingo.
A organização da Copa Aranãs FM 2011 definiu as datas e horários dos jogos decisivos do mata-mata da semifinal. Capivari e Atalanta de Malacacheta jogam neste sábado, dia 26/11/2011, às 20:00 horas, no Estádio Newton Ribeiro, em Capelinha.
Troféus da Copa Aranãs 2011
O Capivari de Capelinha joga pelo empate para garantir a vaga na final. O Atalanta de Malaacheta precisa de uma vitória simples.

Já Vila Nova e Aranãs. ambos de Caeplinha, jogam neste domingo, dia 27, às 19:00 horas, também no Estádio Newton Ribeiro, em Capelinha.
O Vila Nova joga pelo empate para se classificar para a final. O Aranãs precisa de uma vitória simples.

Informações e fotos da Rádio Aranãs FM

Deputados discutirão em Taiobeiras impactos da mineração

Deputados discutirão em Taiobeiras impactos da mineração
A Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais realizará nesta sexta-feira (2/12/11), audiência pública em Taiobeiras, Vale do Jequitinhonha, norte de Minas, para discutir as perspectivas de desenvolvimento socioeconômico e os possíveis impactos decorrentes dos grandes empreendimentos de mineração de ferro e ouro a serem implantados em municípios da região Norte do Estado.

Requerida pelos deputados Rogério Correia (PT) e Sávio Souza Cruz (PMDB), a reunião será às 9h30, na Câmara Municipal de Taiobeiras (Avenida da Liberdade, 314, Centro).

A população do Norte de Minas, segundo Rogério Correia, vive a expectativa de um novo ciclo econômico com a exploração do minério de ferro e do gás natural. A discussão, segundo o parlamentar, envolverá a sociedade civil organizada para “esclarecer os impactos sociais, econômicos e ambientais que esses projetos causarão à região”.

Convidados - Foram convidados a participar da audiência o deputado federal Padre João (PT); o procurador da República, André de Vasconcelos Dias; o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), Vilson Luiz da Silva; o promotor de Justiça e coordenador da Regional de Defesa do Patrimônio Público do Norte de Minas, Paulo Márcio da Silva; o arcebispo Metropolitano de Montes Claros, D. José Alberto Moura; a promotora de Justiça e coordenadora Regional das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente das Bacias do Rios Verde, Grande e do Rio Pardo de Minas, Ana Eloísa Marcondes da Silveira; o biólogo e perito Ambiental da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Flávio Fonseca do Carmo; o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Pardo de Minas, Elmy Pereira Soares; o representante do Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas, Eliseu José de Oliveira; o representante da Comissão Pastoral da Terra, Alvimar Ribeiro dos Santos; o representante do Movimento dos Atingidos por Barragens, Moisés Borges de Oliveira; e o presidente da Associação dos Amigos de Porteirinha, Halley Mendes Cunha.

Almenara: duas jovens morreram afogadas do Jequitinhonha

Almenara: duas jovens morreram afogadas no rio Jequitinhonha
Uma tentou salvar a outra

O afogamento aconteceu na última terça-feira, 22.11. Segundo testemunhas, as duas eram amigas, e tinham 13 e 18 anos.
Elas estariam se divertindo em uma ilha do rio, de propriedade dos pais, quando a mais nova, começou a se afogar. Ao ver tal situação, a mais velha tentou salvá-la. Mas foi em vão, e as duas morreram afogadas.

Detalhe, a jovem mais velha (18 anos) era natural de Belo Horizonte, e estava em Almenara de férias.
O Corpo de Bombeiros foram acionados para resgatar os corpos que estavam perdidos. Eles fizeram rastreamento pelo local e encontraram os corpos.
Mesmo poluído, o Rio Jequitinhonha é bastante frequentado por banhistas, principalmente nos finais de semana.

Resgate - Dicas para salvar uma pessoas se afogando
Acalmar a pessoa é fundamental para que ela não leve você para o fundo
1 - Ao ver alguém se afogando, ofereça à vítima algum objeto que a ajude a flutuar, como uma prancha. Se nada disso funcionar, parta para o resgate, inicialmente pedindo calma à pessoa antes de um contato físico. Isso é importante pois, no desespero, ela pode acabar afogando você também;
2 - Aproxime-se da pessoa por trás, passando um braço por baixo da axila e do queixo da vítima, ajudando-a assim a manter a boca fora d’água. Seu braço mais hábil fica livre para você nadar;
3 - Vá para a parte mais rasa usando o chamado nado militar, "remando" com seu braço livre e movimentando as pernas para ganhar impulso. Se o mar estiver agitado e for difícil chegar à praia, tente ficar em uma região com menos turbulência até que vocês recebam ajuda;
4 - É importante que a pessoa que vai tentar salvar alguém saiba nadar bem.

Chapada do Norte: estudante de comunidade quilombola vence concurso de redação estadual

Chapada do Norte: estudante de comunidade quilombola vence concurso de redação estadual

A estudantes Daniela Alves Pereira, moradora da Comunidade Quilombola de Moça Santa, localizada a 30 km da sede do município de Chapada do Norte, no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas, fez bonito e venceu o concurso de redação “Eu, minha cidade e os 300 anos do Ciclo do Ouro em Minas”, promovido pela Secretaria de Estado de Educação e a Assembleia Legislativa de Minas Gerais.
Daniela é estudante do 3º Ano do Ensino Médio da Escola Estadual José Rodrigues Figueiredo no distrito de São Sebastião da Boa Vista e deixou toda a comunidade escolar cheia de orgulho. A mesma contou com a orientação da Professora Maria Helena Dias Lopes, que também será premiada com um notebook.

Foram premiados dois estudantes, um de ensino fundamental e outro de ensino médio, em cada uma das 47 Superintendências Regionais de Ensino (SREs) do Estado. Cada um dos alunos premiados, assim como seus professores, receberá um notebook. Já a escola do estudante vai receber um valor de R$5 mil.


A redação de Daniela foi escolhida como a melhor do ensino médio da regional de Araçuaí.
A cerimônia de premiação acontece no dia 14 de dezembro e o último mês do ano ainda reserva uma programação especial para os vencedores. No dia 13 eles visitam a cidade de Ouro Preto e no dia 14, antes da solenidade de premiação, fazem um passeio no Museu de Minas e Metais, em Belo Horizonte. Os autores, professores e diretores das escolas vencedoras participarão da premiação.
JOVENS AUTORES
O concurso esteve aberto para estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, além de estudantes do ensino médio. Cada escola participante fez uma seleção e enviou uma redação apenas para cada nível de ensino. No total, foram mais de 1.400 redações recebidas pelas Superintendências Regionais de Ensino.

Capelinha: Mais de 7 mil enchem praça querendo educação superior

Capelinha: Multidão enche praça querendo educação superior
Mais de 7 mil pessoas gritaram por Universidade Federal, pública, gratuita e de qualidade
Eles vinham chegando aos blocos, grupos, portando faixas, sorrisos, esperanças. Eram os meninos e meninas do Vale, adolescentes, jovens, com seus olhos brilhantes no horizonte de uma vida digna, um sonho que se sonha junto.
Brotavam de todas as esquinas, dos ônibus escolares, das caravanas de Angelândia, Aricanduva, Água Boa, Santa Maria do Suaçuí, da zona rural, de todas as escolas, de tantas cidades vizinhas. Muitas cidades não puderam enviar caravanas devido à chuva teimosa que caía na região e mandaram justificar, registrando que torcia e se juntava à luta do povo presente.

Mas vieram representantes: prefeitos, vereadores, lideranças, cidadãos e cidadãs.
Trabalhadores, empresários, professores, comunicadores, servidores públicos, vereadores, prefeitos, deputados, profissionais liberais recheavam aquela multidão.

Em toda a microrregião são cerca de 300 mil habitantes e 45 mil jovens de 18 a 24 anos querendo uma Escola Federal que ofereça educação superior pública, gratuita e de qualidade.

Uma bandeira de luta de todo o Vale do Jequitinhonha unia pessoas de todos os partidos, todas as igrejas, segmentos sociais e econômicos mais diversos. Estava sendo marcado neste 25.11.2011: é o Dia E, Dia da Educação.

Uma bandeira de luta unificadora, de paz, de diálogo, de sonho que se sonha junto. Há tanta gente que vem participando desta caminhada que difícil apontar destaques. São mais de 23 mil apoios no abaixo-assinado e uma diversidade de colaborações.

No palanque armado na Praça do Povo, do centro de Capelinha, no Alto Jequitinhonha, nordeste de Minas, o radialista Cleuber Luiz anunciava apoios de 12 cidades à implantação de um campus da UFJM em Capelinha.

De repente, uma multidão. Mais de 7 mil pessoas, segundo cálculos da Polícia Militar.
Cadê os deputados e as pessoas do Movimento A Universidade é nossa? Não vai falar não? Havia uma impaciência pelo atraso do avião que demorou a aterrisar no moderno aeroporto regional de Capelinha.

Muitos foram embora, impacientes com a demora do início das falas. Mas, muitos ficaram e se agitaram com os cantos de animação de um Cônego.
O prefeito Pedro Vieira falou da felicidade de ver tanta gente junto lutando por uma coisa só, a educação que o povo do Vale merece. E garantiu a contrapartida e parceira do município para tão importante projeto.

Álbano Silveira Machado, do Movimento A UFVJM é nossa!, de Berilo, falou do compromisso do documento de criação da Nossa Universidade em ser multicampi com instalações de campus nas cidades de Capelinha, Araçuaí/Itaobim e Almenara. Registrou que a Usina de Biodiesel da Petrobrás havia sido anunciada pelo Presidente Lula e políticos do norte de Minas a levaram para Montes Claros. A Estrada Real levou nossas riquezas para fora, há 300 anos. Não podíamos perder a nossa estrada do conhecimento, a Nossa Universidade.
Um grupo de estudantes começou a gritar acompanhado por uma multidão: Arrá, urru!
A Federal é Nossa!

Maria do Rosário Sampaio, pesquisadora da FUNDACENTRO, do Ministério do Trabalho, de Capelinha, também cobrou compromissos de representantes políticos votados na região com a implantação de 3 campi em cidades do Vale. Criticou a implantação de 2 campi nas cidades de Janaúba e Unaí, vinculados à UFVJM. E perguntou onde estavam os representantes políticos votados na região que não evitaram tal desvio de missão.

O Presidente do PT de Minas, o deputado federal Reginaldo Lopes, afirmou que o Governo Federal, nos últimos 9 anos, construiu a mais extensa rede de universidades públicas federais do país e também de escolas técnicas. Esclareceu que não permitir que dois campi fossem implantados em Unaí e Janaúba seria um preconceito contra as pessoas que moram naquelas cidades e regiões.

Garantiu que, do mesmo jeito, a UFVJM instalaria 3 campi nas cidades do Vale do Jequitinhonha, sendo um na cidade de Capelinha. A multidão explodiu e começou a dançar e pular. O outro poderia ser na cidade de Araçuaí ou Itaobim, no Médio Jequitinhonha. O terceiro campus seria no Baixo Jequitinhonha na cidade de Almenara, pois esta oferecia as melhores condições para tal projeto.

Disse que Capelinha oferecia todas as condições para a instalação de um campus e que a microrregião poderia se desenvolver, inclusive implantando um pólo de tecnologia de ponta, pois a Universidade deveria se preocupar com pesquisa para descobrir tecnologias que possibilitem o desenvolvimento humano e enfrentar os mais diversos problemas porque passam as pessoas.

O suplente de deputado estadual Jean Freire, vereador e médico de Itaobim, discorreu sobre a luta histórica do povo do Vale para estruturar a implantar a sua Universidade. Lembrou que vem , há muitos anos, lutando pela educação superior, na região. Propôs ao CONSU – Conselho Universitário da UFVJM, no dia 7 de outubro, que aprovou sua proposição de instalação de 3 campi: no Alto, Médio e Baixo Jequitinhonha.

Cobrou dos deputados federais Reginaldo Lopes e Miguel Correa, ambos do PT, que firmassem compromisso de atender aos anseios do povo do Vale: não mudar o nome da Nossa Universidade que já é um orgulho do povo do Vale e lutar junto ao governo federal para inserção no PPA 2012-2015 de instalação de 3 campi na região.
Por último, Nicinha, presidente do PT de Capelinha, falou da emoção de estar ali em um momento inesquecível para Capelinha e região.

O deputado federal Reginaldo Lopes informou que, naquele momento, falou com o Secretário de Ensino Superior/MEC, Luiz Cláudio Costa, e com o Reitor Pedro Ângelo, para que atendessem as reivindicações propostas pelo povo do Vale.
No final, todos se abraçaram em confraternização de representantes dos movimentos sociais, estudantes, cidadãos e agentes políticos, se comprometendo a continuar a luta pela construção de pólos universitários na região.

O evento teve o apoio da Prefeitura e Câmara Municipal de Capelinha, sindicatos, todos os partidos políticos, comerciantes, escolas, profissionais liberais, rádios, jornais, revistas, blogs e sites da cidade e região.

Nunca mais a educação do Vale será a mesma. Um povo que vem dando lição em doutores e mestres. “Mestre não é quem sempre ensina, mas aquele que de repente, aprende”.
Muitos já disseram em diversas reuniões, encontros, seminários e manifestações de rua: não queremos cestas básicas, medidas paliativas pela falta d água e estudos constatando as nossas precárias condições de vida.
Não queremos ser estudados, queremos estudar.

BR 367: Ponte inacabada há cinco anos é motivo de revolta de moradores

BR 367: Ponte inacabada há cinco anos é motivo de revolta de moradores
Fonte: Jornal Estado de Minas - João Henrique do Vale, em 25.11.2011
BR 367: Ponte sobre o rio Fanado, na cidade de Minas Novas, no Alto Jequitinhonha

A estrutura tem 150 metros de extensão e 25 metros de largura. A obra custou, até agora, R$ 3 mi e só não foi concluída pois alguns trechos da rodovia ainda não foram pavimentados

Uma obra que diminuiria a viagem dos motoristas que passam pela BR-367, próximo a Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha, vem testando a paciência de moradores da região. Uma ponte, que liga a rodovia às cidades de Chapada do Norte, Berilo, entre outras, está pronta há cinco anos e espera apenas a construção da cabeceira da pista para ser finalizada. Porém, a demora se dá pela queda de braço entre o Departamento de Estradas e Rodagem (DER) e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit).
A construção da estrutura começou em 2005 e foi finalizada em 2006 pelo DER que fez um convênio com o Dnit. A ponte tem 150 metros de extensão e 25 metros de largura, e a obra foi orçada em R$ 3 milhões.

Segundo a assessoria do DER, o trabalho que foi passado ao órgão, foi concluído e ficou faltando o encabeçamento da pista que teria de ser feito pelo Dnit, pois o trecho é de responsabilidade federal. Para este trabalho ser feito, alguns trechos da rodovia têm que ser pavimentados, pois hoje são de terra batida. Ao todo, segundo o DER, um pedaço de sete quilômetros ainda falta receber asfalto para que o encabeçamento seja concluído.

Enquanto isso não acontece, o DER afirma que faz a manutenção da pista, como limpeza, nivelamento e trabalhos para evitar alagamentos nas encostas de rios.

O Dnit informou, em nota, que a diretoria do órgão em Brasília está preparando uma licitação das obras que são necessárias para a conclusão da ponte e do restante da rodovia. A expectativa é que saia no ano que vem.
Motoristas pagam o pato
O jogo de empurra entre os órgãos prejudica os motoristas que têm que passar pelo trecho. Morador de Mantena, na Região do Rio Doce, o servidor público Edson Silva, passou pela BR-367 onde iria visita uns amigos em Minas Novas. Ao passar pela estrutura abandonada, ele se impressionou com o que viu. “Vimos a ponte e achamos um absurdo. É uma obra muito grande que está abandonada sem a cabeceira. Além disso tem muita sujeira no local. É um desperdício de dinheiro”, afirma Edson Silva.

Se a ponte estivesse pronta iria ajudar muitos motoristas que têm que passar pela região para seguir para outras regiões do Estado. “Essa rodovia sai em outra BR que corta do Nordeste ao Norte de Minas. Se tivesse pronta, ia ser uma mão na roda”, disse Edson. A opinião dele é compartilhada por um funcionário do DER de Capelinha, que não quis se identificar. “Quem está na região Guanhães, Turmalina, Minas Novas, e segue neste trecho é um caminho certo. Vai diminuir bastante a quilometragem”, conta o funcionário.