sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Lula de olho arregalado
CNI/Ibope: aprovação de Dilma aumenta 4 pontos e chega a 71%

Quando questionados sobre o desempenho do governo federal, 51% dos entrevistados consideraram que a atual gestão é ótima ou boa. Outros 34% a consideram regular e apenas 11% a avaliam como negativa.
Publicado no Blog do Rudá Ricci
Itaobim realiza Seminário: "A mulher do Jequitinhonha nas políticas"

Será realizado no dia 09.10, na cidade de Itaobim, no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas, o Seminário: “A MULHER DO JEQUITINHONHA NAS POLÍTICAS”


- A mulher do Jequitinhonha ao longo dos anos tem participado do processo de desenvolvimento regional nas várias cadeias sociais, econômicas, culturais e política, contudo essa mesma mulher nunca saiu do anonimato.


Este seminário será o grande espaço de debate, identificação e valorização da mulher do Jequitinhonha. Na oportunidade será elaborado um documento com as demandas da região a ser encaminhado à presidente Dilma.

"Mulheres existem muitas,
tantas quantas são as saias do mundo,
Só é porem, uma grande mulher,
a que se veste com a saia do amor
conjugado no tempo
mais-que-profundo

Mulheres.....
Ah! Mulheres existem tantas
quantos são os lábios do beijo doce.
Será, porém, uma grande mulher,
aquela que sorrindo puder
beijar também com o sorriso,
como se este um doce beijo fosse.

Vós, mulheres "do jequitinhonha",
lavadeiras, artesãs e rezadeiras,
professoras, operárias lavradoras,
parteiras, parideiras de outras mais,
sois todas heroínas,
porque escreveis com suor
a própria história,
defendendo a pátria da vida
assim, "no peito", na dividida,
numa luta quase sempre inglória.

Ah! Se todas fossem iguais a vós,
mulheres do Jequitinhonha".

Gonzaga Medeiros - poeta do Jequi.
Gincana solidária da Unopar arrecada toalhas para o Hospital São Vicente de Araçuaí
Texto e fotos: Sérgio Vasconcelos Através de uma gincana, alunos da UNOPAR- Polo Araçuai- conseguiram arrecadar 121 quilos de toalhas de banho para o Hospital São Vicente de Araçuai. O material foi entregue no inicio da tarde de 29/09.

A felicidade estava estampada no rosto de Sonia Maria Esteves Cardoso, 50 anos, auxiliar de enfermagem do Hospital São Vicente de Paulo em Araçuaí. Ela acompanhava no inicio da noite de 29/09 no pátio do hospital, a pesagem de centenas de toalhas de banho arrecadadas por alunos do Polo Araçuaí , da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR) que através de um gincana foi possível doar 121 quilos de toalhas àquela instituição do Vale do Jequitinhonha.


“ Tem dia que usamos lençóis para enxugar os pacientes, porque não tem toalhas. Esta iniciativa foi ótima. Estávamos numa situação precária”, revelou Sonia Maria. “ Não sabem o bem que fizeram para os pacientes da micro- região do Vale do Jequitinhonha que precisam deste hospital. Que este ato seja abençoado por Deus”, disse Maristane Alves Pereira, enfermeira chefe do São Vicente, agradecendo os alunos.

Verde e amarela
Cerca de 331 estudantes de nove cursos da UNOPAR, divididos em duas equipes – a verde e a amarela – participaram da gincana que teve início no dia 16 de setembro e foi encerrada dia 29 com a pesagem de todo o material. A equipe amarela foi a vencedora, conseguindo arrecadar 67 quilos de toalhas brancas.


“ Foi uma iniciativa muito bacana que ninguém havia pensado. Ajudar o hospital é sempre gratificante”, comemorava Príssia Gama, 21 anos, da equipe amarela e acadêmica do curso de Gestão Ambiental. “ A iniciativa foi muito boa. Tem que haver pessoas para ajudar”, salientou Geraldo Ferreira Prates, 71 anos, voluntário do hospital que acompanhou a movimentação dos estudantes durante a pesagem dos donativos.



“ Vamos fazer esta gincana todos os anos”, anunciou Maria Júlia Ferreira, secretária da UNOPAR. Enquanto funcionários e alunos retiravam o material para pesagem, surgiu até uma toalha branca de banquete e outras de cores variadas. Todas novinhas em folha. Os sacos foram etiquetados com o nome de cada equipe. “ Foi difícil para os alunos encontrar toalhas brancas no comércio local. Muitos foram a outras cidades. Foi bacana ver a empolgação e o engajamento de todos nesta jornada”, observou a enfermeira Bárbara Guedes, tutora da UNOPAR.



“ È importante saber que estamos ajudando pessoas carentes”, afirmou Sâmara de Sousa, 22 anos, acadêmica do curso de História.

Responsabilidade social
Foi pensando em socialização, solidariedade, humanização e integração dos alunos à prática profissional que a UNOPAR- Polo Araçuaí, promoveu a “ Gincana Solidária” em prol do Hospital São Vicente para arrecadar toalhas de banho na cor branca.
A equipe amarela, vencedora da jornada, receberá como prêmio a isenção de uma mensalidade por curso participante. Foram sorteados quatro mensalidades para a equipe, sendo uma para cada curso Os alunos que participaram receberão 15 horas de ACO (Atividade Complementar Obrigatória) Cada aluno é obrigado a cumprir de 100 a 120 horas de ACO.

A UNOPAR está em Araçuaí há 7 anos e conta com cerca de 600 alunos matriculados em seus 10 cursos.
Em outra atividade alunos arrecadaram 650 quilos de alimentos para o hospital São Vicente e 341 para o Hospital São Domingos, de Virgem da Lapa.
Prefeito do Serro propõe lei proibindo greve de professores Em reunião itinerante da AMM- Associação Mineira dos Municípios, na cidade de Jequitinhonha, no nordeste de Minas, o prefeito do Serro, Guilherme Simões Neves, propôs aos 25 prefeitos presentes e uma dezenas de vereadores de municípios do Vale do Jequitinhonha e Mucuri, que a entidade apresente à bancada de deputados federais mineira uma proposta de Emenda Constitucional proibindo a greve de trabalhadores da educação.

Ele justifica tal proposta ao analisar a longa greve dos professores estaduais, por mais de 100 dias. Sua proposta coloca toda responsabilidade nas costas dos professores e coloca o Governo de Minas, que ele apóia, como vítima do movimento.

Algumas lideranças políticas ficaram constrangidas com tal proposta, achando-a inusitada e estranha. Tanto é que nem em votação foi colocada.

Porém, o presidente de AMM, Ângelo Roncalli, presidente da AMM e prefeito de São Gonçalo do Pará, se propôs em articular uma reunião com deputados federais com uma minuta de projeto de lei a ser apresentada ao Congresso Nacional.
Municípios do Baixo Jequitinhonha comemoram o Dia Nacional do Idoso

Idosos exercitando em Rio do Prado
Os municípios da Gerência Regional de Saúde de Pedra Azul realizaram no dia 27 de setembro, Dia Nacional do Idoso, uma série de eventos com o objetivo de mobilizar a população e passar uma visão positiva do envelhecimento, enfatizando a importância de ter uma vida ativa e com mais qualidade.

Em Santo Antônio do Jacinto, cerca de 300 idosos reuniram-se no espaço da Academia Físicus e receberam orientações sobre saúde bucal, aferição de Pressão Arterial (PA), cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC) e ganharam a caderneta de saúde da pessoa idosa.


O secretário de saúde de Santo Antônio do Jacinto, Arlan Lima, disse que o evento proporcionou um trabalho educativo importante que irá contribuir para que os idosos possam ter uma melhora na qualidade de vida. “Buscamos informar a população idosa sobre os serviços que o município oferta para esta faixa etária e orientá-los em relação aos cuidados necessários para terem mais qualidade de vida e se tornarem ativos e participantes da sociedade, evitando, assim, o isolamento nesta fase da vida”. Profissionais de Santo Antônio do Jacinto
A criação de grupos de idosos para praticar atividades físicas também é um importante aliado para buscar controlar a diabetes e a hipertensão.


Em Mata Verde o programa de Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANT) completou um ano e já apresenta resultados positivos. Segundo o secretário de saúde de Mata Verde, Roberto Dias, houve um aumento do número de idosos que participam do grupo Agita Terceira Idade e, como resultado, muitos idosos já não precisam mais usar medicamentos, pois tiveram uma melhora da sua condição de saúde.



Em Rio do Prado, ações semelhantes também têm sido realizadas. O fisioterapeuta, Wiris Rosa, conta que realiza um trabalho voltado ao grupo de terceira idade, com atividades físicas realizadas três vezes por semana. “No nosso município temos uma academia na praça, o que facilita muito o trabalho, pois temos uma estrutura melhor para trabalhar com nosso grupo”. População de Jacinto
Já a população idosa de Jacinto teve de acordar cedo para comemorar o dia do idoso. Cerca de 120 pessoas participaram de um alongamento e uma caminhada, na praça três poderes, às 6h30 da manhã. Os enfermeiros responsáveis pela organização do evento Rafaéu Andrade e Claudia Amarante, contam que os profissionais de saúde fizeram orientações sobre uma dieta adequada para idosos, hipertensos e diabéticos, distribuíram materiais gráficos e realizaram aferição de PA, glicemia capilar em jejum e medidas do IMC.

Enquanto em Itaobim, o dia do idoso foi comemorado com muita alegria com o forró da terceira idade, em Santa Maria do Salto foi realizado um louvor ecumênico, na praça matriz, com participação das igrejas Católica, Quadrangular, Adventista, Batista e Assembléia de Deus. A enfermeira do município, Cristina Rodrigues, frisou que o principal objetivo do evento era atender aos idosos de forma igualitária, já que em outras festas realizadas os idosos evangélicos não participam por não dançarem músicas que não fossem religiosas.
Santa Maria do Salto realiza cultuao para idosos


O diretor da GRS Pedra Azul, Gregory Fortunato, parabenizou os municípios pela diversidade de eventos realizados e ressaltou que a região conta com quase 43 mil idosos, sendo necessário que se pense políticas públicas voltadas para essa faixa etária da população.


“No nosso estado temos cerca de 75% das doenças resultante das condições crônicas. Isso é resultado, principalmente, do envelhecimento da população. Por isso, é tão importante formularmos políticas que visem atender as demandas existentes. Acredito, que a implantação da rede de urgência e emergência nas macrorregiões nordeste/Jequitinhonha já é um importante passo neste sentido”, finalizou.

Fonte: Diário do Jequi
Governo de Minas libera R$ 3,2 milhões para combater a pobreza no Vale
51 municípios tiveram uma média de R$ 64 mil cada um

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento para os Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), libera nesta sexta-feira, 30.09, na cidade de Jequitinhonha, no Baixo Jequitinhonha, nordeste de Minas, recursos do Projeto de Combate à Pobreza Rural (PCPR) para o Vale do Jequitinhonha. O evento acontecerá às 10 horas, no anfiteatro da Prefeitura Municipal.

Na cerimônia serão assinados 109 convênios, que totalizam R$ 3,2 milhões em recursos, beneficiando 4,6 mil famílias de 51 municípios do Vale do Jequitinhonha.
São eles: Almenara, Angelândia, Aricanduva, Bandeira, Berilo, Cachoeira do Pajeú, Capelinha, Caraí, Carbonita, Chapada do Norte, Coronel Murta, Couto Magalhães de Minas, Datas, Diamantina, Divisópolis, Felício dos Santos, Felisburgo, Francisco Badaró, Gouveia, Itamarandiba, Itaobim, Itinga, Jacinto, Jequitinhonha, Jenipapo de Minas, Joaíma, Jordânia, José Gonçalves de Minas, Leme do Prado, Mata Verde, Medina, Minas Novas, Monte Formoso, Padre Paraíso, Palmópolis, Pedra Azul, Ponto dos Volantes, Presidente Juscelino, Presidente Kubitscheck, Rio do Prado, Rio Vermelho, Rubim, Salto da Divisa, Santa Maria do Salto, Santo Antônio do Jacinto, São Gonçalo do Rio Preto, Senador Modestino Gonçalves, Serro, Turmalina, Veredinha e Virgem da Lapa.

Os investimentos, não reembolsáveis, serão destinados a 56 projetos de natureza produtiva (apicultura, bovinocultura leiteira, centro social comunitário, cozinha comunitária, fabriqueta de farinha, fabriqueta de rapadura, feira, galpão de multiuso, granja comunitária, implementos agrícola, oficina de roupas, padaria, piscicultura, unidade de resfriamento de frutas, unidade de resfriamento de leite e viveiro de mudas), oito projetos de natureza social (centro social comunitário e creche comunitária) e 46 de infraestrutura básica (abastecimento de água – barragem, abastecimento de água – cisterna, abastecimento de água – rede, ambiental, bovinocultura leiteira, centro social comunitário, fabriqueta de derivados do leite, feira, galpão de multiuso, ponte, suinocultura e telefone comunitário).

O vice-governador Alberto Pinto Coelho assina os convênios.. Serão investidos R$ 3,2 milhões. A assinatura será realizada durante as comemorações do aniversário da cidade, quando haverá também a cerimônia de entrega da Medalha do Mérito Alferes Julião Fernandes.
Evento: Assinatura de convênios do Projeto de Combate à Pobreza Rural e entrega da Medalha do Mérito Alferes Julião Fernandes
Data: 30/09/11
Horário: 11h
Local: Prefeitura Municipal de Jequitinhonha
Com informações da Agência Minas
Conjunto Habitacional beneficia famílias empobrecidas de Itinga
Conjunto habitacional Bairro Planalto- Itinga/MG
O Governo de Minas, em parceria com Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS), beneficiou 38 famílias empobrecidas de Itinga, no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas, com a entrega de casas construídas pela Companhia de Habitação do Estado de Minas Gerais (Cohab). O município foi tomado como um dos símbolos da situação visada pelo programa federal Fome Zero, que antecedeu o Programa Bolsa Família.

A construção das moradias, com lote de 200 metros, dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área externa de serviço, custou R$ 1.167.540,20, mas não representa ônus para os beneficiados, por se tratar de um programa voltado para famílias sem poder aquisitivo. O investimento foi dividido meio a meio entre o Governo de Minas e o FNHIS, tendo como agente financeiro a Caixa Econômica Federal (CEF).

As casas fazem parte do Conjunto Habitacional Bairro Planalto e foram entregues pelo gerente de Serviços e Logística da Cohab, José Hertz Cardoso, representando o presidente Octacílio Machado Júnior; e pelo prefeito de Itinga, Charles Azevedo Ferraz.

A solenidade de entrega foi carregada de emoção, não só por parte das famílias beneficiadas, mas também pelas autoridades presentes. O prefeito Charles Azevedo Ferraz destacou os esforços feitos em obras e projetos de melhoria para a cidade. “Além da parceria com a Cohab na construção das 38 casas, Itinga receberá, em breve, uma nova escola estadual!”, comemorou.
A família de Manoelina Roque de Souza foi uma das beneficiadas com a entrega das novas casas. Solteira e com 32 anos, é mãe de Gabriela, de 17 anos; Mateus, 13, portador da síndrome de Kwashiokor (desnutrição calórico protéica crônica); Marcus,11; Nayara, 8; Breno; 6; e Bruno Gabriel, de 2 anos. Agora, pela primeira vez na vida, toda a família passa a ter um teto próprio para se abrigar, deixando de pagar aluguel de R$ 80 por mês.
Fonte: Agência Minas
Gelson Cordeiro, ex-prefeito de Capelinha, tem seus direitos políticos suspensos por 10 anos
Hélio Silva
A Justiça condenou o ex-prefeito de Capelinha, Gelson Cordeiro de Oliveira, a pagar multa de R$ 521.386,60, além de suspender seus direitos políticos por 10 anos. O político, segundo a decisão da Justiça, está proibido de contratar com o Poder Público ou receber benefícios, incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de dez anos.

A sentença é da juíza Renata Cristina Araújo, da 1ª Vara da Comarca, que julgou procedente a ação civil pública de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público (MP).

As irregularidades apontadas pelo Ministério Público mostram que com a participação dos colaboradores Aristeu Paranhos, José Maria Batista e Wilson Pinheiro Magalhães foram realizadas licitações com empresas já pré-selecionadas, sendo que as demais eram fantasmas, para desviar cerca de R$ 577.531,49, simulando assim a aquisição de materiais escolares, hospitalares, de limpeza, de construção, medicamentos e alimentos para a Prefeitura de Capelinha.

As documentações falsas foram apreendidas pela Polícia Militar na residência de Geverson Diogo Cerqueira, que confessou ter vendidos notas fiscais falsas para a Prefeitura Municipal de Capelinha.

A atual secretária de Saúde, Flávia Fernandes, conseguiu provar sua inocência. Já a ex-funcionária pública Juvenata Soyer Barbosa e os outros envolvidos foram considerados culpados e devem pagar multas, além de sofrer outras penalidades.
Jornal A Cidade, de Capelinha
Prefeitura Almenara realiza drenagem no Bairro Itaguaçu A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos está realizando serviços de drenagem no Bairro Itaguaçu, na cidade de Almenara, numa extensão de 274 metros. Esta ação visa à drenagem das águas da Rua Aberto Schirmer, favorecendo assim melhores condições aos moradores e facilitando o tráfego, bem a assistência da coleta de lixo naquela localidade.

A Secretária Municipal de Serviços Urbanos, Fátima Dantas, ressaltou a importância da obra. “Esta é uma antiga reivindicação dos moradores e após o termino da drenagem, as dificuldades dos moradores desta rua, serão minimizadas, bem como serviços de acesso a outras ruas” afirmou Dantas.
Foto: SMSU de Almenara

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

100 agricultores familiares em Encontro de Planejamento Participativo
Berilo: EMATER reúne representantes de 7 municípios do Médio Jequitinhonha
A EMATER está realizando, nos dias 27, 28 e 29 de setembro, na cidade de Berilo, no Médio Jequitinhonha, um Encontro Técnico de Planejamento Participativo com 100 agricultores familiares de 7 municípios do Território da Cidadania do Médio Jequitinhonha: Angelândia, Berilo, Chapada do Norte, Francisco Badaró, Jenipapo de Minas, José Gonçalves de Minas e Novo Cruzeiro, no nordeste de Minas. Este evento faz parte do Programa de Assistência Técnica da EMATER que, no período de abril de 2011 a março de 2012, desenvolve atividades de planejamento e acompanhamento técnico a mil agricultores familiares nos 7 municípios, elaboram diagnósticos das unidades produtivas, realizam 3 mil visitas técnicas, 120 reuniões temáticas, 20 cursos de capacitação e 3 encontros microrregionais.



Todo trabalho de assistência técnica é desenvolvido pelos técnicos de escritórios locais da EMATER. Segundo Ismael Mansur Furtado, Coordenador Técnico da Regional de Capelinha, o objetivo principal é a qualificação da assistência técnica e o atendimento ao agricultor familiar, tendo em vista o desenvolvimento sustentado.
Ele informa que o trabalho segue três eixos temáticos: gestão de propriedade, organização da produção para comercialização e organização de empreendimentos agroindustriais coletivos.



O programa é financiado por programa do governo federal, através do Ministério de Desenvolvimento Agrário – MDA, conquistado pela EMATER através de chamada pública.
José Martins Neto, da comunidade de Lagoinha, de Berilo, disse que estes encontros são muito importantes para o agricultor familiar planejar a sua produção junto com sua família, na sua comunidade, seu município e região.
A flor da terra. Filarmônica dá o tom para jovens e adolescentes em Jequitinhonha.
Repórter: Sérgio Vasconcelos. Foto: Marcela Matias
Grêmio Cultural Bartolomeu de Almeida Franca será uma das atrações do Encontro Regional de Bandas que será realizado em Veredinha dia 16 de outubro. O Grupo fez a abertura da 2ª Reunião Itinerante da Associação Mineira de Municipios (AMM) dia 28 de setembro em Jequitinhonha.
Um menino de 11 anos vê a banda passar e fica impressionado e encantado com o que vê. Hoje ele toca trombone e, já decidiu: “quero fazer faculdade de música”. O menino era Bruno Campos. Hoje, com 15 anos, ele e outros 17 adolescentes, faz parte do Grêmio Cultural Bartolomeu de Almeida Franca, a Banda Filarmônica de Jequitinhonha formada em 1989.O nome é uma homenagem a Bartolomeu de Almeida, músico saxofonista da cidade, já falecido.



“ Naquela época, os prefeitos da cidade não apoiavam a iniciativa e a banda que se chamava Filarmônica São Miguel, acabou se desfazendo”, conta Rafael Matos de Almeida, diretor do Grêmio Cultural. “ O atual prefeito, Roberto Botelho acreditou neste sonho e vem dando total apoio. Graças a ele, hoje estamos tocando neste evento”, desabafava o rapaz, antes da apresentação da Filarmônica na 2ª Reunião Itinerante da Associação Mineira dos Municípios realizada em Jequitinhonha dia 28 de setembro , com a presença de 25 prefeitos dos Vales do Jequitinhonha , Mucuri e São Mateus.

Mantendo a tradição
Destinada a incentivar e valorizar a tradição musical das filarmônicas, formando não apenas músicos, mas também cidadãos. Estudar. Ter boas notas e bom comportamento, são algumas das exigências para fazer parte da Filarmônica. Mas não basta apenas estes requisitos. “ É preciso ter aptidão, o dom para a música”, explica o presidente da Banda, Nilson Flávio Vieira Costa, 31 anos. “ A procura está grande. Temos muitos garotos e garotas na fila de espera”, afirma Vieira Costa.

Ele conta que a Filarmônica possuía alguns instrumentos mas não eram suficientes para cobrir a demanda. “ Em 2009 conseguimos através da Secretaria Estadual de Cultura mais 27 instrumentos como saxofones, trompetes, tubas, bombardinos entre outros instrumentos de sopro. “ Com a aquisição, estamos agora realizando aulas duas vezes por semana em três turnos. À noite fazemos um ensaio geral”, diz o presidente.

Mais que uma banda, o Grêmio Cultural, que congrega meninos e meninas de 10 a 16 anos, é uma família, com as discussões normais das famílias mas, onde tudo se resolve harmonicamente. “ Meu avô fazia parte da São Miguel. Hoje estou aqui, tocando saxofone. A música me trouxe mais alegria e me dedico mais aos estudos”, conta Sandy Brito, 16 anos.
Num tempo em que vivemos a geração “ play station”, principalmente nas grandes cidades e que a maioria dos jovens acredita que seja “ fuleragem”, tocar em filarmônicas, em Jequitinhonha e várias cidades do interior, elas exercem um importante papel social e educativo. “ Antes de entrar para a banda eu ficava em casa sem fazer nada. Hoje me sinto mais responsável”, confessa Tairik Dutra Amorim, 17 anos, sendo 4 deles dedicados à Filarmônica.. Ele iniciou tocando bumbo. Hoje toca caixa. “ Agora quero aprender trompete e ter uma banda”, revela o garoto.

O repertório da banda toca o tempo. “ Tocamos de tudo um pouco. Desde dobrados, MPB, música sertaneja, religiosa e hinos”, explica o maestro Reginaldo. “ Estamos recebendo vários convites para apresentações. Agora estamos nos preparando para o Encontro Regional de Bandas que acontece na cidade de Veredinha no dia 16 de outubro. “ Temos nossas dificuldades principalmente pela falta de apoio do empresariado local. O único apoio que estamos recebendo é da prefeitura”, lamenta Nilson Flávio Vieira.

Para muitos, as bandas não passaram à história. Elas continuarão a fazer história, a passar e a tocar, ainda que a crise e os poucos apoios teimem em dar o tom da nota das partituras de muitas delas. Que o Grêmio Cultural Bartolomeu de Almeida Franca sirva de exemplo.

Publicado na Gazeta de Araçuaí

Supervisor do DNIT afirma que asfaltamento da BR-367 só em 2013
Texto e fotos de Sérgio Vasconcelos
Reunião da AMM, em Jequitinhonha, juntou apenas 25 prefeitos da região do Jequitinhonha e Mucuri
O engenheiro José Carlos Maia Ribeiro, supervisor em Minas Gerais do DNIT ( Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) jogou um balde de água fria na fogueira dos prefeitos que exigem o imediato cumprimento da promessa de asfaltamento de trechos da BR-367 feita pela então candidata Dilma Roussef , hoje presidente da República, durante sua visita ao Vale do Jequitinhonha em janeiro do ano passado.

“ Esta obra não sai antes de 2013 devido às burocracias do DNIT”, disse o engenheiro durante reunião itinerante da Associação Mineira dos Municípios, realizada dia 28 de setembro na cidade de Jequitinhonha.

O evento reuniu 25 prefeitos das regiões dos Vales do Jequitinhonha, São Mateus e Mucuri.

De acordo com ele a obra está desafiando as autoridades desde a década de 90. “ Em 2000 foi entregue ao DER ( Departamento de Estradas de Rodagens de MG) a responsabilidade de executar a obra. Na época, a Construtora Minas Sul, ganhadora da licitação iniciou o asfaltamento mas acabou falindo.
Após este episódio,segundo ele, o DER reassumiu a missão de fazer um novo projeto para a 367 mas o DNIT rejeitou porque não estava nos moldes exigidos pelo órgão.


Engenheiro do DNIT, José Carlos Maia

“ O DER acabou perdendo o interesse pela obra. Hoje a pavimentação está sob a responsabilidade do DNIT porém, os escândalos envolvendo o alto escalão do Ministério dos Transportes e do DNIT levaram a presidente da República suspender todas as licitações previstas no país, entre elas a da BR-367”, justificou o engenheiro.


“ Será feito um novo projeto que precisa seguir trâmites legais. Infelizmente esta obra não tem condições de sair em menos de 2 anos. É preciso empenho dos prefeitos. É obra do PAC mas demanda tempo. Se projeto não for bem feito , o Tribunal de Contas da União (TCU) pode suspender. Não deixem devolver para o DER porque ele pode novamente se desinteressar pela obra”, finalizou o engenheiro.

A tônica da reunião itinerante da AMM girou em torno do asfaltamento da BR-367. Os prefeitos reclamaram do jogo de empurra-empurra que se transformou a realização da obra.


O presidente da AMM, Angelo Roncalli de Freitas, prefeito de São Gonçalo do Para´, afirmou que a entidade vai se unir em torno da revindicação dos prefeitos para mobilizar o governador de Minas e a imprensa para sensibilizar o governo federal a agilizar o início da obra.

ONDE FICA A BR-367

A BR-367 é uma rodovia federal . Tem início em Diamantina, MG e término em Santa Cruz Cabralia, (BA), atravessando cidades do nordeste de Minas, cortando todo o Vale do Jequitinhonha, como Turmalina, Virgem da Lapa, Araçuai, Itaobim, Jequitinhonha, Almenara, Jacinto e Salto da Divisa.

Tambem passa por Porto Seguro, no litoral sul da Bahia, tendo sua extensão quase toda pavimentada por asfalto. Existem trechos de estrada de chão (entre os municípios de Jacinto e Salto da Divisa, Minas Novas- Chapada do Norte-Berilo-Virgem da Lapa).

Ainda é possível encontrar nessa rodovia, pontes estreitas de madeira, nos municípios de Chapada do Norte, Berilo, Virgem da Lapa, Jacinto e Salto da Divisa, onde só permite passar um carro por vez.

A promessa de asfaltamento desses trechos foi feita pela candidata Dilma Roussef, durante visita à Araçuai e Jenipapo de Minas em janeiro de 2010.

Apenas 25 prefeitos dos 100 convidados, compareceram à 2ª Reunião Itinerante da AMM cujo objetivo era entregar " agenda positiva dos municipios mineiros" ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado Diniz Pinheiro, que não compareceu. Ele foi representando pelo deputado Inácio Franco, 2º vice-presidente da Assembléia.
Polícia Civil abre inscrições para 349 vagas em Minas
O concurso público vai preencher 144 vagas de delegado e 205 vagas de escrivão

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) abriu na terça-feira (27) inscrições para concurso público para preencher 144 vagas para delegado e 205 vagas para escrivão. As inscrições podem ser feitas até o dia 26 de outubro na sede da Academia de Polícia Civil, nas Delegacias Regionais no interior do Estado ou pelo site www.acadepol.mg.gov.br.

Para o cargo de delegado, o salário inicial é de R$ 5.716,87 para jornada de 40 horas semanais. Já para escrivão, R$ 2.041,72 para a mesma jornada. A primeira etapa do concurso será realizada em Belo Horizonte no dia 27 de novembro.

Os candidatos aprovados devem passar por um curso preparatório de seis meses e a previsão da assessoria da Polícia Civil é de que assumam os cargos em outubro de 2012. Nesse período, de acordo com os reajustes previstos, a projeção do órgão é de que os delegados assumam recebendo R$ 7.043,18 e os escrivães R$ 2.515,40.

Fonte: Hoje em Dia
Quilombolas pedem no Palácio do Planalto agilidade na titulação de terras em Minas Brasília - Representantes de um grupo de quilombolas de Minas Gerais acorrentaram-se hoje (29.09) a uma placa em frente ao Palácio do Planalto para pedir a assinatura de um decreto de desapropriação do território da comunidade Brejo dos Crioulos, em Varzelândia e São João da Ponte, no norte do estado. Eles querem receber a titulação da terra.

O decreto está na Casa Civil e aguarda a assinatura da presidenta Dilma Rousseff. Em um manifesto distribuído pelo grupo de quilombolas, eles reclamam da demora na tramitação do processo e relatam que por não terem a posse da terra ficam expostos à violência de grileiros e latifundiários que ocupam o território.

“Queremos a agilização do processo de titulação dos territórios quilombolas e a garantia de aplicação do orçamento destinado a essa finalidade”, disse o representante da Pastoral da Terra do Maranhão, Inaldo Cerejo, que acompanhou a mobilização dos quilombolas de Minas Gerais.

O secretário nacional de Articulação Social da Secretaria-Geral da Presidência, Paulo Maltos, conversou com os representantes dos quilombolas e disse que o decreto já está pronto e que o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, vai se empenhar para atender ao pedido do grupo. Segundo ele, Carvalho vai conversar ao longo do dia com a presidenta Dilma Rousseff e com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e amanhã vai recebê-los. “Enquanto estão sem área, eles ficam fragilizados e expostos a ações de pistoleiros”, explicou Paulo Maltos.
Fonte: Agência Brasil
Diretor do Iter teve propriedade no Vale do Jequitinhonha legitimada por Manoel Costa
Wedson Serafim da Silva recebeu do Estado um imóvel no município de Santa Maria do Salto

Moradores de Salinas tiveram terras legitimadas pelo ex-secretário
O atual diretor do Programa Nacional de Crédito Fundiário do Instituto de Terras (Iter), Wedson Serafim da Silva, recebeu do Estado um imóvel no município de Santa Maria do Salto, no Vale do Jequitinhonha. Ele teve a posse legitimada no dia 22 de fevereiro deste ano em ato assinado pelo então secretário extraordinário de Regularização Fundiária, Manoel Costa (PDT), e publicado no Diário Oficial do Estado, o "Minas Gerais". Na época, Costa acumulava os cargos de secretário e diretor interino do Iter.

O imóvel legitimado em favor de Silva possui 402,42 metros quadrados e está situado na praça da cidade. Seis meses depois de tomar posse do terreno, ele foi nomeado para o cargo em comissão no Iter. A nomeação foi assinada pelo já empossado diretor-geral do Instituto, Ivonei Abade Brito, em agosto deste ano. Ivonei está preso em Montes Claros, no Norte de Minas, acusado de grilagem de terras públicas em poder de pequenos agricultores.


Costa foi exonerado tão logo veio à tona a ‘Operação Grilo, do Ministério Público Estadual (MP) em conjunto com a Polícia Federal. Silva continua no Iter responsável pelo Programa de Nacional de Crédito Fundiário. Wedson confirmou que o imóvel foi legitimado, mas negou influência no Iter para o ato. “Este terreno é minha casa. No interior quase nenhum terreno é legitimado. Você constrói e depois legitima. Mas já tem um registro na prefeitura da minha casa”, afirmou. Apesar de ser coordenador do Iter, cargo de confiança, Wedson sustenta que não foi indicado por ninguém. “Mandei meu currículo. Selecionaram duas pessoas e eu passei. Não sou indicado por ninguém”, garantiu.

Na última segunda-feira (26), técnicos do MP recolheram, em um galpão cedido ao ITer, documentação referente a várias legitimações de posse no Estado desde o ano de 2007. Autoridades envolvidas na operação apuram a possibilidade de mais irregularidades na cessão das terras a terceiros. O Ministério Público Federal em Montes Claros também investiga se a quadrilha se apossou de terras públicas pertencentes à União.

O PDT decidiu esperar o fim das investigações, ou pelo menos a "poeria assentar", para reivindicar a vaga de secretário de Regularização Fundiária. Na terça-feira (27), o deputado estadual Alencar da Silveira Júnior (PDT) informou que a legenda irá aguardar o desfecho da operação. "Estamos esperando apurar as denúncias para ver como vai ficar. A indicação está assegurada ao partido", afirmou. Segundo ele, se ficar provada a inocência de Costa, ele poderá voltar ao cenário político. "Se ele mostrar que não tem nada de errado, o governador pode reconduzi-lo ao cargo", completou.
Fonte: Hoje Em Dia

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Fim da mais longa greve da educação em Minas

O pior salário de professor do país, segundo o deputado Rogerio Correia.
ANASTASIA GANHA QUEDA DE BRAÇO COM PROFESSORES MINEIROS.
Camiseta de professora em greve.
Ganhou a ditadura que se baseou no cassetete da policia militar e da P2 da PM que agiu se infiltrando na greve e vigiando a liderança do ¨Nucléo Duro¨da greve.
A greve durou todo este tempo, 112 dias, e os professores retornam ás aulas sem a certeza do PISO a que tem direito.
Os ganhos foram poucos para tanta manifestação e imensa possibilidade de sucesso dos educadores. Perderam porque a maioria dos professores não se uniram na luta, ficando dentro das salas de aula, dentro das escolas, como se nada estivesse acontecendo e fortalecendo assim o governo. Preferiram ser coniventes com os massacres que sofríamos ao invés de se juntarem aos batalhadores. Infelizmente esses pulhas que não são educadores, mas simplesmente servidores estaduais, que ajudaram o governador e provavelmente votaram e votaram no sacana, se beneficiarão com qualquer vantagem conseguida pelos educadores que foram ás ruas, que fizeram greve de fome e enfrentaram a policia de Anestesia.
Até agora está ganhando Aécio, Anastasia, PSDB,DEM e outros pulhas.




Deputados da base do governo, imbecis, esbravejaram no plenário da assembléia legislativa, na reunião de agora a tarde, que os professores voltaram as salas com a mesma proposta de Anastasia de três meses atrás. Mas resta uma esperança. A luta pela implantação do PISO Salarial Nacional está apenas começando. Continua a educação mineira em ¨estado de greve¨.

Texto do professor Alberto Bouchardet, do norte de Minas

Prefeitos do Vale realizam encontro na cidade de Jequitinhonha

Prefeitos do Vale realizam encontro na cidade de Jequitinhonha A Associação Mineira de Municípios (AMM) realiza nesta quarta-feira, 28.09, a 2ª Reunião Itinerante da Diretoria – Gestão 2011/2013. O encontro ocorrerá no município de Jequitinhonha, no Baixo Jequitinhonha, a partir das 8h30, no Clube Campestre (rua Diamantina, 79 – Bairro Montes Claros), quando são esperados prefeitos de toda a região, deputados e demais autoridades.
“A exemplo da 1ª Reunião do dia 20 de julho, em São Gonçalo do Pará, quando apresentamos ao governador Antonio Anastasia a Agenda Positiva, elaboramos um documento nos mesmos moldes para entregar ao presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Dinis Pinheiro”, explica Ângelo Roncalli, presidente da AMM e prefeito de São Gonçalo do Pará.

A Reunião promovida em São Gonçalo do Pará contou com a presença de mais de 100 prefeitos de várias regiões do Estado. Na ocasião, Roncalli apresentou ao governador a pauta de reivindicações com propostas nas áreas da saúde, educação, segurança, infraestrutura e desenvolvimento regional. “Essas reuniões valorizam as regiões e mostram a força dos municípios. Temos que alertar sempre que o cidadão vive é na cidade e, à medida que avançamos e mostramos às diversas autoridades a união que temos regionalmente, poderemos alcançar nossos objetivos”, considera Roncalli.
O prefeito de Jequitinhonha, Roberto Botelho, também presidente da UMVALE - União dos Municipios do Vale do Jequitinhonha, espera contar com a presença de mais de 60 prefeitos do Vale do Jequitinhonha, do Mucuri e do norte de Minas.
Será reforçada uma pauta de reivindicações aos governos estadual e federal, além de pontos municipalistas como o reforço do FPM, a redistribuição tributária, a Emenda 29 da Saúde e o apoio para implementação do Piso Nacional Salarial do Professor. A revitalização do rio Jequitinhonha, a implantação de campus da UFVJM no Médio e Baixo Jequitinhonha e a pavimentação da BR 367 serão as bandeiras unificadoras.

Os escravistas contra Lula

Em meio ao debate sobre a crise econômica internacional, Lula chegou a França. Seria bom que soubesse que, antes de receber o doutorado Honoris Causa da Sciences Po, deveria pedir desculpas aos elitistas de seu país. Um trabalhador metalúrgico não pode ser presidente. Se por alguma casualidade chegou ao Planalto, agora deveria guardar recato. No Brasil, a casa grande das fazendas estava reservada aos proprietários de terras e escravos. Assim, Lula, agora, silêncio, por favor. Os da casa grande estão enojados.

Martín Granovsky, do Página/12, jornal argentino, de Buenos Aires.

Podem pronunciar “sians po”. É, mais ou menos, a fonética de “sciences politiques”. E dizer Sciences Po basta para referir o encaixe perfeito de duas estruturas: a Fundação nacional de Ciências Políticas da França e o Instituto de Estudos Políticos de Paris. Não é difícil pronunciar “sians po”. O difícil é entender, a esta altura do século XXI, como as ideias escravocratas seguem permeando os integrantes das elites sul-americanas. Na tarde desta terça, Richar Descoings, diretor da Sciences Po, entregará pela primeira vez o doutorado Honoris Causa a um latino-americano: o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. Descoings falará e, é claro, Lula também.

Para explicar bem sua iniciativa, o diretor convocou uma reunião em seu escritório na rua Saint Guillaume, muito perto da igreja de Saint Germain des Pres. Meter-se na cozinha sempre é interessante. Se alguém passa por Paris para participar como expositor de duas atividades acadêmicas, uma sobre a situação política argentina e outra sobre as relações entre Argentina e Brasil, não está mal que se meta na cozinha de Sciences Po.

Pareceu o mesmo à historiadora Diana Quattrocchi Woisson, que dirige em Paris o Observatório sobre a Argentina Contemporânea, é diretora do Instituto das Américas e foi quem teve a ideia de organizar as duas atividades acadêmicas sobre a Argentina e o Brasil, das quais também participou o economista e historiador Mario Rapoport, um dos fundadores do Plano Fênix há dez anos.

Naturalmente, para escutar Descoings foram citados vários colegas brasileiros. O professor Descoings quis ser amável e didático. Sciences Po tem uma cátedra de Mercosul, os estudantes brasileiros vão cada vez mais para a França, Lula não saiu da elite tradicional do Brasil, mas chegou ao máximo nível de responsabilidade e aplicou planos de alta eficiência social.

Um dos colegas perguntou se era correto premiar alguém que se jacta de nunca ter lido um livro. O professor manteve sua calma e o olhou assombrado. Talvez saiba que essa jactância de Lula não consta em atas, ainda que seja certo que não tem título universitário. Certo também é que, quando assumiu a presidência, em 1° de janeiro de 2003, levantou o diploma que os presidentes recebem no Brasil e disse: “É uma pena que minha mãe morreu. Ela sempre quis que eu tivesse um diploma e nunca imaginou que o primeiro seria o de presidente da República”. E chorou.

“Por que premiam a um presidente que tolerou a corrupção?” – foi a pergunta seguinte.

O professor sorriu e disse: “Veja, Sciences Po não é a Igreja Católica. Não entra em análises morais, nem tira conclusões apressadas. Deixa para o balanço histórico esse assunto e outros muitos importantes, como a instalação de eletricidade em favelas em todo o Brasil e as políticas sociais”. E acrescentou, pegando o Le Monde: “Que país pode medir moralmente hoje outro país? Se não queremos falar destes dias, recordemos como um alto funcionário de outro país teve que renunciar por ter plagiado uma tese de doutorado de um estudante”. Falava de Karl-Theodor zu Guttenberg, ministro de Defesa da Alemanha até que se soube do plágio.

Mais ainda: “Não desculpamos, nem julgamos. Simplesmente não damos lições de moral a outros países”.

Outro colega perguntou se estava bem premiar alguém que, certa vez, chamou Muamar Kadafi de “irmão”.

Com as devidas desculpas, que foram expressadas ao professor e aos colegas, a impaciência argentina levou a perguntar onde Kadafi havia comprado suas armas e que país refinava seu petróleo, além de comprá-lo. O professor deve ter agradecido que a pergunta não tenha mencionado com nome e sobrenome França e Itália.

Descoings aproveitou para destacar Lula como “o homem de ação que modificou o curso das coisas”, e disse que a concepção de Sciences Po não é o ser humano como “uns ou outros”, mas sim como “uns e outros”. Marcou muito o “e”, “y” em francês.

Diana Quattrocchi, como latino-americana que estudou e se doutorou em Paris após sair de uma prisão da ditadura argentina graças à pressão da Anistia Internacional, disse que estava orgulhosa que Sciences Pos desse o Honoris Causa a um presidente da região e perguntou pelos motivos geopolíticos.

“Todo o mundo se pergunta”, disse Descoings. “E temos que escutar a todos. O mundo não sabe sequer se a Europa existirá no ano que vem”.

Na Sciences Po, Descoings introduziu estímulos para o ingresso de estudantes que, supostamente, estão em desvantagem para serem aprovados no exame. O que se chama discriminação positiva ou ação afirmativa e se parece, por exemplo, com a obrigação argentina de que um terço das candidaturas legislativas devam ser ocupadas por mulheres.

Outro colega brasileiro perguntou, com ironia, se o Honoris Causa a Lula fazia parte da política de ação afirmativa da Sciences Po. Descoings observou-o com atenção antes de responder. “As elites não são só escolares ou sociais”, disse. “Os que avaliam quem são os melhores são os outros, não os que são iguais a alguém. Se não, estaríamos frente a um caso de elitismo social. Lula é um torneiro mecânico que chegou à presidência, mas segundo entendi não ganhou uma vaga, mas foi votado por milhões de brasileiros em eleições democráticas”.

Como Cristina Fernández de Kirchner e Dilma Rousseff na Assembleia Geral das Nações Unidas, Lula vem insistindo que a reforma do FMI e do Banco Mundial está atrasada. Diz que esses organismos, tal como funcionam hoje, “não servem para nada”. O grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) ofereceu ajuda para a Europa. A China sozinha tem o nível de reservas mais alto do mundo. Em um artigo publicado no El País, de Madri, os ex-primeiros ministros Felipe González e Gordon Brown pediram maior autonomia para o FMI. Querem que seja o auditor independente dos países do G-20, integrado pelos mais ricos e também, pela América do Sul, pela Argentina e pelo Brasil. Ou seja, querem o contrário do que pensam os BRICS.

Em meio a essa discussão, Lula chega a França. Seria bom que soubesse que, antes de receber o doutorado Honoris Causa da Sciences Po, deve pedir desculpas aos elitistas de seu país. Um trabalhador metalúrgico não pode ser presidente. Se por alguma casualidade chegou ao Planalto, agora deveria guardar recato. No Brasil, a casa grande das fazendas estava reservada aos proprietários de terras e escravos. Assim, Lula, agora, silêncio, por favor. Os da casa grande estão enojados.

Tradução: Katarina Peixoto
Fotos: Ricardo Stuckert/Instituto Lula - divulgação

Diamantina realiza Conferência dos Direitos da Criança e Adolescentes

Diamantina realiza Conferência dos Direitos das Crianças e Adolescentes
Fonte: Prefeitura de Diamantina



A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social e o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente convidam toda a comunidade para participar da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e Adolescentes, dia 29 de setembro, ás 08 horas da manhã no Teatro Santa Isabel.

Este ano o tema da conferência é: "Mobilizando, Impementando e Monitorando a Politica e o Plano Decenal de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes nos Estados, Distrito Federal e nos Municípios."

PROGRAMAÇÃO:
08:00 hs Credenciamento
08:30 hs Abertura
09:00 hs Apresentação dos eixos:
I-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes
II-Proteção e Defesa dos Direitos
III-Protagonismo e Participação de Crianças e Adolescentes
IV-Controle Social e Efetivação dos Direitos
V- Gestão da Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

10:15hs Plenária
11:30 hs Eleição para delegados
12:00hs Encerramento

Art.4º da resolução nº 05/2009: Será obrigatória a participação das organizações da Sociedade Civil no Fórum dos Direitos da Criança e Adolescente, sob pena de não obterem o registro junto ao CMDCA.

Coordenação: Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Diamantina-CMDCA

Araçuaí: Polícia prende assaltante do Posto da Receita Estadual de Ibirité

Araçuaí: Polícia prende assaltante do Posto da Receita Estadual de Ibirité

Gilson Pinheiro estava com 2 mandados de prisão decretados. Ele mantinha um relacionamento em Araçuaí com uma adolescente de 15 anos.

Ao registrar uma ocorrência de ameaça feita por uma dona de casa contra o auxiliar de topografia , Gilson Pinheiro Soares , 31 anos, natural de Barra Mansa, estado do Rio de Janeiro, policiais de Araçuaí descobriram que o mesmo era foragido da polícia desde 2007 e assaltante do Posto da Receita Estadual de Ibirité, região metropolitana de Belo Horizonte. O auxiliar de topografia estava com dois pedidos de prisão decretada pelo juiz daquela Comarca. Ele recebeu voz de prisão dentro do quartel da PM em Araçuaí, durante uma acareação.

A prisão só foi possível porque a doméstica Neube Pereira Pego, 40 anos, residente no bairro Juparaná, em Araçuaí, procurou a polícia militar para denunciar que estava sendo ameaçada por Gilson Pinheiro que mantinha um caso amoroso com sua filha de 15 anos. Segundo ela, o auxiliar de topografia lhe enviou um recado ameaçador: “ Ele disse que iria dar uma coronhada na cabeça da minha filha e depois me matar”, contou a mãe da adolescente, acreditando que as ameaças eram provenientes do fim do relacionamento dele com a menina.

Ao ser informados que Gilson Pinheiro estava hospedado em uma pousada da cidade, os policiais militares, Edu Alves Rocha e Marco Aurélio da Silva Rocha saíram à sua procura. O auxiliar de topografia foi localizado na Pousada Tropical, na Vila Magnólia.

Levado para o quartel para uma acareação entre ele e a dona de casa, para explicar as ameaças, os militares descobriram, após averiguação de sua ficha criminal, que ele era foragido e condenado por assalto ao posto da Receita Fiscal do Estado de Minas em Ibirité. “ Ao receber voz de prisão, ele chorou e disse que sabia que um dia isso iria acontecer”, contou o militar Edu Rocha.

Gilson Pinheiro Soares deverá ser transferido para o presídio de Ibirité. Ele está à disposição da Justiça desde o dia 19 de setembro e vai responder também por crime de corrupção de menores.
Fonte: Gazeta de Araçuaí

Araçuaí: Professores em greve realizam protesto

Os professores da rede estadual de ensino da região, em greve há mais de 90 dias, realizaram na terça-feira da semana passada, dia 13.09, um protesto pacifico em exigindo do governo do estado o pagamento do piso nacional para categoria e melhorias na área da educação.
Foto: Cléber Espínola
Apitos, carros de som e muitas faixas marcaram a manifestação dos professores da rede estadual de ensino em Araçuaí. O protesto contou com representantes de virgem da lapa, salinas, coronel murta e Itaobim. Na pauta de reivindicação eles cobram do governo do estado o pagamento do piso nacional.
A greve já se arrasta por mais de 100 dias numa das maiores paralisações do país. Durante o protesto, os professores seguiram perfilados da praça do fórum até a sede da superintendência de ensino de Araçuaí. Alguns funcionários se solidarizaram com o grupo e suas reivindicações. Os manifestantes pediram a presença de um representante da superintendência para dialogarem e não foram atendidos.Foto Cléber Espínola
Na terça feira houve manifestações em todo o estado, porque o projeto de lei do executivo estadual entrou na pauta da comissão de constituição e justiça da assembléia de minas. Os professores queimaram simbolicamente o projeto que contem a nova política de remuneração dos profissionais da rede estadual de educação.
Texto: André Sá - TV Araçuaí

Prefeito de Araçuai deixa o PDT

Prefeito de Araçuai deixa o PDT
Texto e foto de Sérgio Vasconcelos Prefeito de Araçuaí Aécio Jardim
O prefeito de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, médico Aécio Silva Jardim apresentou seu pedido de desfiliação ao PDT ( Partido Democrático Trabalhista ) no inicio da noite desta segunda-feira, 26.09, ao presidente do partido no município, Marcos Vinicius Silva, seu ex-chefe de gabinete. O comunicado foi entregue por um assessor do prefeito, na casa do presidente municipal do PDT, no bairro Santa Teresa.

A saída do prefeito já era esperada por seus correligionários e por dirigentes da sigla no Estado. “ Agora quero ter tranquilidade e tempo para pensar sobre o rumo que tomarei. Tenho convite de vários partidos entre eles, o PSDB, partido do governador de Minas”, assegurou Aécio Jardim.

Eleito em 2008 com 9.603 votos, Aécio Jardim reafirmou que é candidato à reeleição.Ele derrotou o candidato do PT José Antonio Martins, que obteve 8.106 votos.

De acordo com a Lei Eleitoral, o prefeito tem até 7 de outubro para ingressar em outro partido para se candidatar.

Questionado pelo Gazeta On Line porque estava deixando o partido pelo qual se elegeu, o prefeito afirmou que estava sendo ameaçado de punição pelo PDT devido ao seu apoio nas últimas eleições ao deputado federal Fábio Ramalho, do Partido Verde (PV) e ao deputado estadual Luiz Henrique (PSDB). A indignação pelo apoio a outros candidatos estava partindo principalmente do deputado federal Ademir Camilo que obteve no município 1.590 votos e Fábio Ramalho 3.057.

“Não poderia deixar de apoiar o Fabinho Ramalho porque através dele consegui recursos de emendas parlamentares. Ele foi uma porta aberta para Araçuaí. O PDT considerou infidelidade partidária meu apoio a estes candidatos. Como havia uma ameaça de não me dar a legenda para ser novamente candidato, decidi abandonar o PDT após várias conversas, inclusive com a direção em Belo Horizonte”, justificou o prefeito, argumentando que consultou juristas sobre a possibilidade da perda de mandato caso ingressasse em outro partido. “ Não existe fidelidade partidária para quem ocupa cargos executivos”, acredita Aécio Jardim.

“ O partido não obriga ninguém a permanecer filiado a ele. Ele fica até o dia que achar conveniente. Sobre as medidas que o partido tomará a partir do ato do prefeito, acho melhor a reportagem falar com o deputado Ademir Camilo”, disse Marcos Vinicius.

“ Democracia é isto.É liberdade de escolha. Não saio com mágoas. O 12 ( número do PDT) foi marcante na minha vida”, salientou Aécio Jardim.

O Gazeta On Line tentou , sem sucesso, falar com o deputado Ademir Camilo que, de acordo com sua assessoria, se encontra nos Estados Unidos.
Perda de Mandato
De acordo com a Resolução do Tribunal Superior Eleitoral nº 22.610/2007, que disciplina a chamada “fidelidade partidária”, o político que pede desfiliação sem declaração de justa causa pode perder seu cargo eletivo, e quando o partido não formular o pedido, o Ministério Público Eleitoral ou quem tenha interesse jurídico pode fazer o requerimento. São consideradas justificativas válidas a incorporação ou fusão do partido, a criação de novo partido, a mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário ou grave discriminação pessoal, sendo necessário que a Justiça Eleitoral julgue a causa alegada.

Desta forma, especula-se que o prefeito de Araçuaí deverá se filiar ao PSD, novo partido criado no Brasil e aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) , na noite de ontem, 27 de setembro.

Publicado no Gazeta de Araçuaí

7 Municípios do Vale são beneficiados pelo ICMS turístico

7 Municípios do Vale são beneficiados pelo ICMS turístico
Sobradão colonial feito de pau-a-pique, na cidade de Minas Novas, Alto Jequitinhonha, nordeste de Minas
Na manhã desta terça-feira, 27.09, em comemoração ao Dia Mundial do Turismo, o secretário de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, anunciou os 63 municípios mineiros que serão contemplados com os recursos do ICMS Turístico em 2012, previstos em R$ 10 milhões. A distribuição desta parcela é uma ação pioneira que acontece no Brasil.
“Esta é uma forma da política pública ser executada na ponta, nas cidades – que detêm o conhecimento de suas reais necessidades e sabem em quais ações o benefício será melhor aplicado para o desenvolvimento do turismo ”, afirmou o secretário.

Neste ano, 217 cidades mineiras enviaram para a Secretaria de Estado de Turismo a documentação para habilitação ao benefício. Houve um crescimento de 41% na participação dos municípios em relação a 2010.

Já no ano anterior, 44 cidades mineiras foram habilitadas e desde janeiro de 2011, e semanalmente recebem o benefício. A expectativa é de que até o final deste ano estas 44 cidades recebam uma soma de R$ 8 milhões.

Confira os municípios do Vale do Jequitinhonha contemplados, a partir de janeiro, são: Angelândia, Botumirim,
Capelinha, Grão Mogol, Itacambira, Jenipapo de Minas e Minas Novas.

A Diretora do Circuito Turístico do Lago de Irapé, do Departamento de Turismo de Grão Mogol, Diná Costa, salienta que dois municípios da entidade foram beneficiados, sendo destaque no Estado.
Agência Minas

3º Encontro de Bandas de Música em Veredinha

3º Encontro de Bandas de Música em Veredinha


Domingo, 16 de outubro de 2011

TSE aprova PSD de Kassab

TSE aprova PSD de Kassab Por 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral aprovou nesta terça-feira a criação do PSD. O julgamento do pedido de registro, que começou na semana passada, foi concluído hoje. Com a decisão, o partido poderá disputar as eleições municipais do ano que vem.


Em Minas Gerais, o organizador do novo partido é um dos dirigentes empresariais mais próximos do Palácio do Planalto e, não surpreendentemente, do PSDB. O engenheiro civil Paulo Safady Simão, 62 anos, é presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) desde 2003, embora sua empresa, a Wady Simão, não esteja mais em operação. Isto não o impediu de ser um dos interlocutores do governo com o setor privado na formulação do programa "Minha Casa, Minha Vida" e de participar do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Simão participou da campanha derrotada de Pimenta da Veiga ao governo do Estado em 1990 e foi o presidente da autarquia estadual de turismo no governo de Eduardo Azeredo, entre 1995 e 1998. Nos anos 50, a Wady Simão foi uma das construtoras do "conjunto JK", o edifício mais alto de BH. A empresa está desativada desde que Simão assumiu a presidência da CBIC.

Publicado por Rudá Ricci, em seu Blog De esquerda em Esquerda

Prefeitura de Capelinha reajusta salários de servidores da Educação!

Prefeitura de Capelinha reajusta salários de servidores da Educação!
Piso salarial é o segundo melhor da região A Prefeitura Municipal de Capelinha aprovou o novo Plano de Cargos e Salários dos Servidores da Educação e hoje o piso salarial básico dos Professores da rede municipal é o segundo melhor de toda a região, sendo de R$ 825,74 por jornada de 24 horas semanais.
Somente a pequena cidade de Aricanduva paga o piso salarial um pouco maior, de R$950,00.

A Prefeitura também paga o adicional por especialização e está estudando a possibilidade de pagamento das progressões por tempo de serviço. Também atendendo reivindicação do Sindicato dos Servidores – SINSERCA, reduziu a jornada de trabalho das serventes escolares e Monitoras de Creches para 06 horas diárias.
A partir do mês de setembro, a Prefeitura está reajustando em 5% (cinco por cento) o salário base de todos os servidores com piso superior ao mínimo.
A Secrearua Municipal de Educação informa que está cumprindo rigorosamente com as suas obrigações e valorizando os seus servidores.
Fonte: Site da Prefeitura - www.capelinha.mg.gov.br

Uma região, uma universidade e um drama

Uma região, uma universidade e um drama
Por Douglas Lima twitter.com/douglasjlima Qual é o papel de uma universidade? Como ela deve se inserir junto à comunidade que vive no seu entorno? Quais os benefícios que esse tipo de instituição pode trazer para um lugar, um estado ou país? Resumindo, para que serve uma universidade?

A universidade já serviu a variados fins ao longo da história. No Brasil de hoje uma instituição de ensino superior é definida como universidade desde que ao menos um terço dos seus professores possua mestrado ou doutorado. Além disso, é necessário que um terço dos docentes se dedique à instituição em tempo integral. Essa é a definição legal, mas uma universidade vai muito além do que diz a legislação. Em um mundo com tantas divergências e tão plural ao mesmo tempo, a universidade pode subsidiar melhores formas de vivências para uma sociedade. O tripé ensino, pesquisa e extensão deve estar em constante diálogo com a comunidade que vive ao lado da instituição e que deposita esperanças e aspirações no seu potencial transformador.

Desde meados de Agosto desse ano a sociedade civil do Vale do Jequitinhonha acompanha com apreensão o desenrolar da discussão sobre a expansão da UFVJM (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri). Pela Lei 11.173, de 6 de setembro de 2005, as Faculdades Federais Integradas de Diamantina foram transformadas em universidade. Resultado de um longo processo, essa nova instituição surgiu gerando expectativas na região.

Em seu estatuto aprovado pelo Conselho Universitário em 2009, a UFVJM é caracterizada como uma universidade multicampi, com ênfase nos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Entre seus vários objetivos elencados, um se destaca: contribuir para o processo de desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Brasil.

Atualmente a UVFJM está na iminência de se expandir para regiões fora do raio de atuação para o qual foi concebida. As cidades de Unaí e Janaúba foram indicadas pela Secretaria de Educação Superior do MEC para receber dois campi administrados pela UFVJM. São cidades importantes para a economia de Minas Gerais e com uma população conjunta de quase 150.000 habitantes. Entende-se a relevância desses municípios no contexto estadual e é inquestionável o fato de que merecem receber cursos superiores federais. No entanto, não tem a menor lógica dos pólos universitários dessas cidades ficarem sob a tutela da UFVJM.

Em primeiro lugar, cabe dizer que a própria Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri ainda passa por processo de estruturação. Não custa nada lembrar que a universidade completa apenas 6 anos agora em 2011. Diante disso, entendem-se as origens de alguns problemas e dificuldades pelos quais a universidade passa. O fato de a instituição ser multicampi é um complicador a mais. Só a toque de exemplo, há várias reclamações em relação ao campus de Teófilo Otoni. Então, antes mesmo da universidade se enraizar na região para a qual nasceu ela vai alçar vôo para distantes paragens. Unaí está a cerca de 700 quilômetros de Diamantina. É meio improvável que essa grande distância resulte em uma boa administração universitária.

Passamos agora para os perfis regionais das cidades envolvidas. Pra começar, as dinâmicas sociais, culturais e demográficas de Unaí e Janaúba são totalmente diferentes das percebidas nos Vales. Os interesses, conseqüentemente, não serão os mesmos. Caso a UFVJM tome a configuração que estão propondo, assistiremos ao surgimento de uma universidade sem identidade e extremamente pulverizada. Será, então, muito difícil colocar em prática a “Visão” da instituição, que atualmente é estar entre as melhores Instituições de Ensino Superior do Brasil, reconhecida e respeitada pela excelência do ensino, da pesquisa e da extensão, contribuindo para o desenvolvimento nacional, em especial dos Vales do Jequitinhonha e do Mucuri.

Nesse quadro extremamente dramático, o reitor da universidade surge com uma ideia no mínimo estranha: modificar o nome da instituição para Universidade Juscelino Kubitschek. Infelizmente, temos percebido que a população regional – que pela internet se articulou no movimento “A UFVJM é nossa” – está alijada de toda discussão. O princípio da gestão democrática – expresso no estatuto universitário – não foi colocado em prática ao longo do processo. Pelo que parece, a reitoria da universidade sente-se receosa de barrar a decisão do MEC-Sesu e posteriormente ter dificuldade para conseguir benefícios para a instituição.

Nessa peleja dos últimos dias fica perceptível como os Vales ainda são vistos apenas como regiões para fins eleitoreiros. Embora o número de eleitores não esteja entre os maiores de Minas, há deputados que só se elegeram porque tiveram votação expressiva no lugar. Vemos alguns representantes federais realizando jogo duplo, “sobe em palanque apoiando a instalação em Janaúba e Unaí e vem para o Vale dizer que esta "com o Vale nessa briga" – como muito bem resumiu Bernardo Vieira no Blog do Jequi.

Mas há um lado positivo nesse roteiro tragicômico, já que a sociedade civil do Vale do Jequitinhonha não aceitou passivamente a imposição e tem discutido – ainda que à margem da administração universitária – toda essa realidade. Pode até ser que saia derrotada nessa batalha, mas o grupo que luta em busca de uma região mais democrática, com preocupações em defender bandeiras sociais e ambientais sairá fortalecido e mais experiente.
Postado por Movimento Muda Capelinha!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Reitor quer tirar UFVJM do Vale, levar pra Unaí e mudar seu nome

Reitor quer tirar a UFVJM do Vale, levar pra Unaí e Janaúba, além de mudar seu nome
O reitor Pedro Ângelo Abreu, da UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, em Audiência Pública, na cidade de Unaí, noroeste de Minas, afirmou que "a presença da universidade na cidade seria positiva, sob o ponto de vista de sua expansão no Estado, significando também uma oportunidade de mudança na vida da população carente da região, na medida em que possibilitará a oferta de educação qualificada e a incorporação de conhecimento à força produtiva da região".

O reitor lembrou que a implantação de uma universidade federal em Unaí faz parte do Programa de Expansão da Universidade Pública Brasileira (Reuni). Segundo Abreu, a análise que está sendo feita pela comissão refere-se apenas à viabilidade de ser a UFVJM a implementar o campus na cidade.
É importante esclarecer que a Reitoria da UFVJM nem o seu Conselho Universitário convidaram representantes do Vale do Jequitinhonha para debater e definir tal expansão.



Empresários oferecem terrenos para implantação de campus
Dois documentos contendo a oferta de doação de terrenos particulares para a implementação do campus da UFVJM em Unaí foram entregues ao reitor da UFVJM durante a audiência pública.
Uma das ofertas foi feita pelo empresário Luiz Roberto Rocha, que justificou sua vontade de doar o terreno, que ficaria a cerca de dois quilômetros do centro de Unaí, como uma forma de possibilitar que os jovens tenham acesso ao ensino superior sem ter que deixar sua cidade natal, o que, segundo ele, acontecia na época em que era estudante.

O segundo terreno oferecido é de propriedade do fazendeiro Artur Vieira Júnior e fica na BR-251, a seis quilômetros da cidade. Os dois empresários afirmaram que a extensão dos terrenos oferecidos para doação ainda não está acertada, uma vez que isso depende da definição da área que será demandada para a implementação da universidade.
O reitor da UFVJM afirmou que as duas propostas serão encaminhadas a técnicos da universidade, que avaliarão a viabilidade de utilização dos terrenos.


Em entrevista ao jornal Estado de Minas, o reitor propõe mudança do nome da nossa Universidade para Universidade JK para justificar sua expansão para Unaí, no noroeste, e Janaúba, no norte de Minas.

O movimento "A UFVJM é nossa!" quer três campi em cidades do Vale do Jequitinhonha, não aceita a mudança de nome e não apoia a expansão para fora da nossa região.


Deputado Almir Paraca propõe alternativa
O presidente da comissão e autor do requerimento para a reunião, deputado Almir Paraca (PT), classificou a instalação do campus da universidade federal como uma grande conquista para Unaí. Para ele, a presença do ensino universitário na cidade, por meio do programa federal Reuni, vai ampliar as oportunidades para a população local, na medida em que garantirá a presença de mais pessoas nas universidades federais.
Paraca também esclareceu que há uma sinalização para que os cursos a serem abertos no campus de Unaí sejam ligados à área agrária, de forma a aproveitar o potencial da região.
O deputado afirmou também que, caso a resposta da UFVJM seja negativa em relação à implementação do campus na cidade, outras instituições, como a Universidade Federal do Triângulo Mineiro, já mostraram interesse em participar do processo.

Interiorização da universidade – O deputado Federal Reginaldo Lopes (PT-MG) defendeu a ampliação das universidades federais no interior de Minas Gerais. Ele também criticou a qualidade da educação no Estado, bem como os baixos salários pagos aos professores da educação básica. "É difícil ter universidade de qualidade se na base da educação os professores não recebem um salário digno", afirmou o deputado. Lopes também lamentou a ausência do prefeito de Unaí, Antério Mânica, e afirmou que a universidade na cidade é um sonho que poderá transformar a realidade dos cidadãos da região.


A interiorização do ensino público no Estado também foi defendida pelo deputado federal Leonardo Monteiro (PT-MG), que também destacou a importância de envolvimento da comunidade no processo de implementação do campus de Unaí, especialmente no que se refere à definição dos cursos que melhor atenderão à força de trabalho da região.

Com informações da Assembléia Legislativa e Unaínet

Criação de campus fora do Vale gera polêmica

Criação de novos campi universitários gera polêmica no semiárido mineiro

Prefeitos e lideranças políticas se mobilizam para evitar construção de dois complexos universitários a 700km da sede da Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Alessandra Mello - Estado de Minas

A criação de dois campi da Universidade dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), implantada no início do primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tem provocado polêmica na região do semiárido mineiro, onde a instituição está instalada.

É que o Ministério da Educação quer expandir a universidade para as cidades de Unaí, no Noroeste de Minas, quase divisa com o Distrito Federal, e Janaúba, no Norte do estado. Lideranças e movimentos sociais da região se organizam para tentar barrar a ampliação da universidade para fora da região, defendendo que o investimento seja revertido para os dois câmpus já existentes, em Diamantina e Teófilo Otoni.

Em seminário na Câmara dos Deputados, no dia 13.09, organizado para discutir o desenvolvimento sustentável dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, prefeitos aprovaram documento em que pedem o asfaltamento da BR-367, a recuperação da Bacia do Rio Jequitinhonha e a expansão da universidade na própria região. O Conselho Universitário - CONSU da UFVJM deveria ter se reunido em setembro para decidir sobre o caso, mas devido à repercussão dos novos campi, adiou para 7 de outubro.

A criação de campus no Brasil foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff em agosto e pegou de surpresa até a UFVJM, já que o projeto que criou a instituição previa novas unidades, mas todas nos vales. Esta deve ser a última expansão de universidade brasileira feita por determinação do MEC. A partir de agora, a ampliação vai ser feita baseada em projetos das próprias instituições.



O reitor da UFVJM, Pedro Angelo Almeida Abreu, disse que a universidade, apesar de não ter requerido, foi “aquinhoada” com os campus. “Surpresas à parte, o MEC ofereceu a tutela destes dois campus à UFVJM no pressuposto de sermos a única Ifes (Instituição Federal de Ensino Superior) com sede na metade norte do Estado e, sobretudo, para tornar esta universidade mais robusta”, afirma o reitor.



Segundo ele, se esses campi não forem incorporados pela instituição, serão por outra universidade estabelecida no estado. A decisão tem de passar pelo conselho formado majoritariamente por representantes da universidade. Uma única vaga pertence à comunidade, representada no conselho pelo Fórum de Desenvolvimento dos Vales, cujo indicado é um dos coordenadores da Cáritas (entidade ligada à Igreja Católica) de Araçuaí, José Nelson. “O Vale nunca é escutado”, reclamou José Nelson.

Mudanças de nome
O reitor propõe a mudança do nome da instituição para Universidade Juscelino Kubitschek, como uma forma de justificar a incorporação de novas regiões. “Nessa perspectiva, dois novos territórios serão motivo de abordagem pela UFVJM: o Norte e o Noroeste de Minas Gerais. Motiva uma nova denominação à UFVJM?”, afirmou.



Cada campus deve acolher 2,5 mil estudantes em sete cursos de graduação. As aulas devem começar em 2014. José Nelson rejeita a mudança do nome e aposta que o Conselho Universiatário - CONSU não vai aceitar a expansão para outras regiões. Segundo ele, a Univale ainda carece de melhoria em infraestrutura física e de mais cursos. Para ele, antes da expansão, o MEC e a própria universidade deveriam investir na melhoria da instituição.

Para o prefeito de Virgem da Lapa, Averaldo Moreira Martins (PT), no Médio Jequitinhonha, um dos signatários do documento que pede a expansão dentro do própio vale, a criação dos campi cerca de 700 quilômetros da sede da universidade é irreversível. “A expansão da universidade não tem retorno. Vai acontecer de qualquer jeito. A nossa prioridade é que pelo menos o Vale seja contemplado com mais um campus”, defendeu.



O vereador de Itaobim, Jean Freire (PT), critica: “Soa esquisito um campus fora do Vale. Queremos sim a extensão da universidade, mas para o miolo do Vale”. Na campanha de 2010 ele entregou a Dilma um manifesto pela ampliação. “A vida inteira falam da miséria do vale, mas na hora das ações não se lembram disso”, afirmou.--

Prefeitos e empresários do Vale e do norte de Minas são suspeitos de fraude na legalização de terras

Prefeitos e empresários do Vale e do norte de Minas são suspeitos de fraude na legalização de terras
Do G1 MG
Os prefeitos de Vargem Grande do Rio Pardo e Indaiabira, cidades da Bacia do Jequitinhonha, na região de Salinas, no norte de Minas Gerais, foram apontados em investigação do Ministério Público Estadual por suspeita de envolvimento na venda irregular de terras do estado. Outras nove pessoas suspeitas de integrar o esquema foram presas durante uma operação da Polícia Federal, na semana passada.

Dentre os detidos, estão dois diretores do Instituto de Terras do Estado de Minas Gerais (Iter-MG), do Governo de Minas, Antônio Carlos Quaresma e Ivonei Abade, três servidores do Iter-MG, um policial civil, uma tabeliã do cartório de notas de Serranópolis de Minas e dois empresários ligados a mineradoras. Um empresário de Salinas, que também é suspeito de integrar a fraude, está foragido, segundo a polícia.

De acordo com informações do promotor João Paulo Alvarenga Brant, o pedido de afastamento dos prefeitos de Vargem Grande do Rio Pardo e Indaiabira foi feito pela juíza de São João do Paraíso. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) não confirmou o recebimento do pedido. Nenhum dos prefeitos foi encontrado para se pronunciar sobre o caso.

O secretário de Estado da Regularização Fundiária, do Governo de Minas, Manoel Costa, foi exonerado do cargo após denúncia de participação no esquema. Segundo o MP, foi decretada a indisponibilidade de bens do ex-secretário.

Procurado pelo G1, Manoel Costa informou que não tem detalhes sobre as investigações. “Não sei se há acusações específicas contra a minha pessoa”, disse. Perguntado sobre o motivo da exoneração, ele afirmou que “não tem nada contra”. “É para não ficar um desgaste político. Apuram-se os fatos e pronto”, falou. Segundo Costa, ele levantou pessoalmente as informações sobre irregularidades que deram origem a estas investigações. ”Estávamos preocupados, desconfiados. Nossa ação foi proativa. Passamos informações tanto para a Auditoria Geral do Estado quanto para o Ministério Público no fim do ano passado e no início deste ano”, relatou.

Manoel Costa acrescentou ainda que não tem informações sobre as mineradoras investigadas. Segundo ele, a equipe em que atuava há quatro anos e meio focava na regularização de pequenas propriedades. “Não temos nenhuma relação com mineração. Nossa ação é só atuar na regularização de terras de até 100 hectares na zona rural”, completou.

Ninguém do Instituto de Terras do Estado de Minas Gerais (Iter-MG) foi encontrado para comentar sobre o afastamento de dois diretores e a prisão de três servidores investigados.

Esquema
A Polícia Federal informou que o esquema contava com o apoio de policiais civis que intimidavam pequenos proprietários a deixar terras, que eram repassadas a grileiros com a ajuda de servidores do Iter-MG. Os grileiros eram os responsáveis por vender as propriedades a mineradoras.

Ainda de acordo com o promotor, a Vale e uma empresa fantasma denominada Floresta Empreendimentos foram citadas nas investigações. De acordo com a ação do MP, a Vale seria responsável pelo repasse de R$ 41 milhões para compra de uma propriedade localizada entre os municípios de Salinas e Grão Mogol, que pertence ao estado. O promotor João Paulo Alvarenga Brant informou ainda que foi pedido o bloqueio de bens referentes à transação.

Procurada pelo G1, a Vale informou por meio de nota que realiza estudos para implantar uma unidade de mineração de ferro na região do Vale do Jequitinhonha e norte do estado, conforme protocolo assinado com o governo. A Vale informou que “possui procedimento sistematizado de aquisições baseado nos mais rigorosos critérios éticos” e que não identificou irregularidades na compra de terras na região.

De acordo com o Ministério Público, em outra ação, da comarca de São João do Paraíso, foi pedido o bloqueado de R$ 200 milhões, referentes a enriquecimento ilícito com a fraude e multa. Ainda segundo o MP, durante a operação, foram apreendidos documentos e computadores que vão passar por perícia técnica, além de automóveis.

Norte de Minas tem 360 mil famílias de miseráveis

Norte de Minas tem 360 mil famílias de miseráveis

Girleno Alencar, do Hoje em Dia O Norte de Minas tem aproximadamente 360 mil famílias em situação de miséria, à espera de políticas públicas para reverter este quadro. Os dados foram apresentados durante o Encontro Regional do Seminário Pobreza e Desigualdade, promovido na última sexta-feira, dia 23 de setembro, em Montes Claros, pela Assembleia Legislativa. A região concentra 40% da população socialmente vulnerável no Estado.


O levantamento da situação de pobreza do Norte de Minas foi feito pelo assistente social Luiz Wanderley Lobo, da Secretaria de Desenvolvimento Social de Montes Claros e membro da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene, e mostra que o percentual de casas com abastecimento de água é de apenas 69% e que as moradias com rede de esgoto ou fossa séptica somam 59%.


A pobreza tem reflexos na saúde. A taxa de mortalidade infantil é, em média, de 13 mortes por mil nascidos vivos. Um indicador positivo, porém, está no PSF – Programa de Saúde da Família, que privilegia a prevenção de doenças e atende a 90% da população da região.


Para Luiz Lobo, é necessária a criação de políticas para a redução da pobreza, mas as ações não podem deixar de fora quilombolas, vazanteiros, indígenas e gerazeiros, os últimos, moradores do Cerrado do Norte de Minas.

Pedra Azul realiza Conferência da Juventude

Pedra Azul realiza Conferência da Juventude
Evento aconteceu no Salão de Convenções da Casa Paroquial
Cerca de 120 jovens do município de Pedra Azul, no Médio Jequitinhonha, no nordeste de Minas, participaram, nos dias 22 e 23 de setembro, da 1ª Conferência Livre de Políticas Públicas da Juventude, que aconteceu no Salão de Convenções da Casa Paroquial. O objetivo do evento foi de elaborar o plano municipal da juventude e de eleger os delegados que irão participar da 2ª Conferência Estadual da Juventude, entre os dias 28 e 30 de outubro, em Araxá.

A autoridade sanitária e referência técnica de DST/AIDS da GRS Pedra Azul, Zeilzia Silva, e a referência técnica do Núcleo de Atenção à Saúde, Rosângela Oliveira, participaram dos grupos que discutiram os oito temas centrais da conferência: sexualidade, vida saudável e políticas sobre drogas, respeito às diferenças, diálogo com o governo, segurança, cultura e conexão, educação e mercado de trabalho.

O coordenador de Vigilância em Saúde de Pedra Azul, Glaubert Souza, ressaltou que a conferência atingiu o seu objetivo graças à ampla mobilização e participação dos jovens durante o evento. “Destaco que estamos num período em que a faísca foi lançada e os grupos de jovens que estão sendo formados contribuirão efetivamente com as políticas públicas da nossa cidade e região, inclusive, com a comissão da juventude aprovada na última reunião do Conselho Municipal de Saúde”, disse.

Já a graduanda em Ciências do Estado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Ana Soares, salientou que os jovens têm um importante papel na formulação das políticas públicas. “Temos que exigir do governo recursos específicos para atender as demandas dos jovens, assim como, deixar de esperar que o governo ou a mídia dominante venha a impor o que é importante para os jovens. Na verdade, é necessário que os jovens participem da formulação das propostas para que as reais necessidades da juventude possam ser atendidas”, sugeriu.

O caminho a ser seguido pelos jovens para conseguir atingir esse objetivo, segundo Soares, é a conferência da juventude, que é um importante instrumento de participação e de definição de demandas prioritárias que serão encaminhadas para o governo. “Os jovens precisam ocupar a cidade de maneira construtiva a fim de fazer valer seus direitos e ser ouvidos. A ação política, como exercício de cidadania, é fundamental nesse processo. Nesse sentido, considero bem sucedida a 1ª conferência livre das juventudes de pedra azul, pois conseguimos definir prioridades e envolver os jovens num clima de colaboração e democracia”, comemorou.
Espaço lúdico
A conferência de Pedra Azul contou, também, com um momento mais lúdico, onde foram apresentadas peças que abordavam temas polêmicos, como doenças sexualmente transmissíveis e drogas. Com o objetivo de mostrar que a AIDS não tem cura, mas o preconceito tem, o Grupo de Teatro de Pedra Azul (Gruteapa), mostrou as dificuldades vividas por uma mãe, que é HIV positivo, e que tem um marido alcoólatra e dois filhos, sendo um envolvido com drogas e outro com tráfico de armas. A encenação serviu como reflexão para os jovens que assistiram a peça e que se identificaram com uma série de situações que foram apresentadas.

Parceiros
A organização da conferência contou com a colaboração de dois grupos mobilizados da juventude de pedra azul: a comissão jovem “Prazer e Paz”, ligada ao programa municipal de DST/HIV-AIDS, e o grupo Vida, ligado ao Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Vale do Jequitinhonha (Cededica Vale).

Já os grupos de teatro Gruteapa e Artvale de Pedra Azul e a Anime Kids de Montes Claros fizeram várias apresentações teatrais durante a conferência. A proposta lúdica do evento foi de apresentar aos jovens a 1ª mostra do projeto “Agita Paz com Arte e Saúde” que irá realizar no mês de outubro, 10 apresentações de teatro em locais com alta vulnerabilidade social (alto índice de drogas e violência, por exemplo). Em outra etapa, o projeto visa implantar em cinco escolas o núcleo de teatro, com o objetivo de mobilização dos alunos do ensino médio que irão realizar uma mostra escolar no mês de novembro. As ações que estão sendo realizas visa fortalecer o teatro como ferramenta de mobilização social.

FONTE: ALLAN CAMPUS - ASSESSORIA