segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Concursos Públicos: provas fora da realidade regional do Vale

Concursos Públicos: provas aplicadas desprezam realidade local e regional do Vale

Ontem, domingo, 27.02, as provas do Concurso Público da Prefeitura de Berilo foram realizadas. A empresa responsável por todo o processo é a Magnus Concursos, há mais de 20 anos no mercado.
Os candidatos reclamam, mas as empresas que realizam os concursos não respeitam o município e o Vale do Jequitinhonha. Este é um defeito da maioria delas.

Na prova de Conhecimentos Gerais do Concurso Público de Berilo não há uma só questão sobre o município, Vale do Jequitinhonha ou mesmo de Minas Gerais. Foi proposto oficialmente à Comissão Organizadora que 5 questões dessa prova verssassem sobre a realidade regional e municipal. A idéia não foi acatada, embora respondesse que a proposta fosse interessante.

O candidato que for ocupar um cargo público municipal deverá ter conhecimento mínimo do município ou região. Torna-se irrelevante saber nomes de capital de países ou em qual estado ficam as cidades de Londrina e Maringá.

Mas esse é um vício de acadêmicos e técnicos que vivem longe da realidade onde aplicam provas, cobrando taxas absurdas para candidatos inscritos que querem continuar vivendo e trabalhando em seus municípios.

Pesquisando provas na internet, em sites de concursos públicos, verifica-se que este equívoco vem sendo superado em diversos municípios do país.

Quem se destaca são as Prefeituras do Nordeste que têm exigido das firmas que elaboram concursos o ítem de conhecimento local nas provas de Conhecimentos Gerais. As empresas de Minas continuam ignorando essa tendência nacional.

Conteúdo
Geralmente, as questões de Provas de Conhecimentos Gerais vem abordando conteúdos como a base econômica local, população do IBGE/2010, municípios limítrofes, rios, empresas entidades, fatos históricos, movimentos sociais e culturais, movimentos migratórios, pessoas ilustres do lugar, prefeitos, entidades, clima, bioma, vegetação, comunidades, origem racial do seu povo.
Ou mesmo identificação de mesorregião, receita do município, e muitos outros assuntos.

Berilo, Chapada do Norte e Badaró: 48 anos de emancipação política

Berilo, Chapada do Norte e Badaró: 48 anos de emancipação política
Três municípios do Médio Jequitinhonha completam 48 anos de emancipação política, nesta terça-feira, 01 de março. Berilo, Chapada do Norte e Francisco Badaró tornaram-se municípios independentes em 01 de março de 1963, desmembrando-se de Minas Novas.

Algumas escolas estão propondo redação sobre a história do seu lugar, realizando exposição de fotos e videos, fazendo festas, apresentações culturais, ou promovendo debates sobre a construção do município e suas perspectivas.



Vista parcial da cidade de Berilo

Berilo
Localiza-se a uma latitude 16°57'06" sul e a uma longitud0e 42°27'56" oeste, estando a uma altitude de 401 metros. Sua população foi recenseada em 2010, contando com 12.307 habitantes (IBGE), com 2.500 habitantes na cidade, 1.100 em Lelivéldia e o restante de 8.860 na zona rural.

O povoamento iniciou-se, em 1728, com a exploração do ouro, sendo uma da poucas Vilas no Vale, no século XVIII. Deste período encontram-se duas edificações: o Sobradão Abreu Vieira e a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, ambas tombadas pelo IEPHA e IPHAN, respectivamente.

Devido ao grande contigente de mão de obra escrava, o município povoou-se com mais de 5 mil minifúndios. Foram registradas 27 comunidades quilombolas, pelo CEDEFES - Centro de Documentação Elói Ferreira da Silva, de Belo Horizonte, sendo o maior número dessas comunidades em Minas.

Cerca de 3 mil homens e jovens migram temporariamente para o corte de cana e colheita do café, no interior de São Paulo e sul de Minas.
Possui uma área de 586,752 km².

Hidrografia - Seus principais rios são o rio Jequitinhonha e o rio Araçuaí, além do ribeirão do Altar, ribeirão Barbosa, ribeirão Gangorras e Água Suja.

As rodovias qua cortam o município são MG-114 e BR-367.

A Barragem de Irapé está localizada entre os municípios de Berilo e Grão Mogol, no rio Jequitinhonha. É a mais alta do país, com 207 metros de altura.

Berilo fará sua comemoração de 48 anos de emancipação na Praça da Prefeitura, com a apresentação de violeiros da região de Lelivéldia, a partir de 20 horas.

Vista parcial da cidade de Chapada do Norte

Chapada do Norte
De acordo com o censo realizado pelo IBGE em 2010, sua população é de 15.165 habitantes. É conhecido como o segundo município de Minas Gerais com maior concentração de comunidades quilombolas.

A maior fonte de renda da sua população são os programas assistenciais do governo, seguido das pensões por aposentadorias e da migração anual de cerca de 3 mil homens do município para o corte de cana no interior de São Paulo.

As Rodovias MG-114 e BR 367 servem ao município.

Sua base de produção vem de pequenas propriedades rurais.

Vista parcial da cidade de Francisco Badaró

Francisco Badaró
Em 1948, a Vila de Nossa Senhora da Conceição de Sucuriú passou a se chamar Francisco Badaró, em homenagem ao Dr. Francisco Duarte Coelho Badaró, ex-ministro plenipotenciário que se instalou em Minas Novas (Vila do Fanado).

Em 30 de dezembro de 1962, depois de muita luta, liderada principalmente pelos religiosos Cônego Figueiró e Monsenhor Bernardino, ocorreu a tão sonhada emancipação político–administrativa, firmando-se como novo município em 1 de março de 1963, quando oficialmente foi denominado de Francisco Badaró, em substituição ao sugestivo e original topônimo de Sucuriu (que se relacionava à ocorrência de uma cobra inofensiva, mas de porte volumoso –cobra grossa, no idioma tupi-guarani- animal que era abundante nas águas que banhavam a Vila)

O município fica no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas, apresentando um conjunto de belezas - no seu casario, sítios naturais e na simplicidade de sua gente - que nos remetem às vilas encantadas da era mineradora.

A economia local se apoia na produção agropecuária, sendo o artesanato do algodão, o beneficiamento de cereais e dos derivados do leite, principalmente o tradicional requeijão moreno, a fonte garantidora da existência da laboriosa população desse histórico município brasileiro.

Sua população foi recenseada em 2010 pelo IBGE. Conta com 10.244 habitantes, vivendo em uma área de 463,77 km2.

O município é servido pela Rodovia MG-114 que liga Francisco Badaró, por via asfáltica a Araçuaí e Berilo.

A Prefeitura de Francisco Badaró realizou as comemorações do 48º Aniversário de Emancipação Político Administrativa, no dia 26 de Fevereiro, a partir das 22 horas na cobertura do Mercado Municipal com a seguinte programação:
Apresentação do Coral " Flor da Terra"
Show com a Banda "GV Brasil "

Com informações das Prefeituras

Servidor

Servidor
Acordei chorando

Chorei que vertia
Lágrimas quentes,
Grossas, correntes
Lágrimas salgadas
De uma parede vívida

Como se dali brotasse
A natureza da vida
Como se ali fosse a fonte
Do que podia ser

Sonhei ser servidor
De coração inesgotável
De salgadas águas
Vertendo dos meus olhos
Grossas fontes de vida
Vertendo água salgada
de uma parede densa

Líquida

Como se a vida
brotasse tudo dali

Para muita gente sobreviver
Verti água grossa e quente
Salgada, corrente

Enquanto fonte de vida
Servi

Antes que transformassem
Em fonte seca
De nada

Senti

Antes que transformassem

em luta pela vida, vivida
Registrei aqui esse depoimento
Desaguamento
Aguado, m
olhado
Quente
Do que pode ser transformado
Em vida

Em gente.

América vira sobre o Atlético e assume a liderança isolada

América vira sobre o Atlético e assume a liderança isolada
Em clássico movimentado, Coelho sai em desvantagem e reage em tarde de Fábio Júnior


Fábio Júnior festeja o primeiro gol do Coelho, ao lado de Luciano: artilheiro foi o destaque

O Campeonato Mineiro tem um novo líder. O América venceu o Atlético por 2 a 1, de virada, neste domingo, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, e roubou a ponta do próprio time alvinegro. O jogo foi marcado pela movimentação e luta constante, lembrando os bons tempos do antigo ‘Clássico das Multidões’, que acirrou a rivalidade entre os clubes nas décadas de 40 e 50. O Galo saiu na frente com Neto Berola, mas o Coelho passou à frente com dois gols de Fábio Júnior, artilheiro do Estadual.

Além de vencer o duelo pela liderança, o América também levou a melhor no confronto entre os artilheiros. Com os dois gols, Fábio Júnior abriu vantagem sobre os concorrentes Diego Tardelli, Magno Alves e Neto Berola, este vice-goleador ao marcar cinco vezes. O Coelho chegou a 13 pontos, ultrapassou o Atlético e se isolou na ponta. Já o Galo, que até então tinha vencido todas as partidas, perdeu a primeira do ano e vê o Cruzeiro encostar. O Alvinegro segura a segunda posição por ter balançado as redes mais que o rival: 15 a 11.
Com informações do Superesportes

No sufoco, Cruzeiro ganha do América, em Teófilo Otoni
Com a força máxima, o Cruzeiro foi a campo, neste sábado, em Teófilo Otoni. Acredito ser uma verdadeira homenagem à grande torcida azul do Mucuri e Vale do Jequitinhonha.

Com um gol contra aos 47min do segundo tempo, o Cruzeiro venceu de forma sofrida o América de Teófilo Otoni por 2 a 1 neste sábado, no Estádio Nassri Mattar, pela quinta rodada do Campeonato Mineiro, tirando a invencibilidade dos donos da casa no torneio.

O atacante celeste Wallyson marcou seu sexto gol em quatro jogos e abriu o placar do emocionante duelo aos 42min do primeiro tempo, mas Jonatas Obina deixou tudo igual aos 13min da etapa final.

Pouco depois, os anfitriões tiveram Wellington Bruno expulso,mo melhor jogador em campo, e resistiram à pressão até os 47min, quando Rodrigo Sena, defensor do América TO, mandou a bola para as próprias redes.

Com o resultado, o time do técnico Cuca vai a 12 pontos e alcança o líder e arquirrival Atlético-MG, que perdeu par ao América.

Já a equipe de Teófilo Otoni, que reclama de um gol anulado no final do jogo, fica com seis pontos após seu primeiro revés na competição.

O jogo continuou equilibrado. Montillo criava as principais jogadas de perigo de um lado, enquanto Wellington Bruno dava trabalho para a defesa celeste do outro. .

Após sofrer sua primeira derrota, o time de Teófilo Otoni recebe o Funorte no próximo sábado, pela sexta rodada do Mineiro. Um dia depois, o Cruzeiro pega o Democrata de Governador Valadares na Arena do Jacaré.

Antes, porém, atenções voltadas para o duelo de quarta-feira contra o Tolima, em Ibagué, pela Copa Libertadores.
Com informações do Portal Terra

CLASSIFICAÇÃO
1- América, 13 pontos, saldo 7 gols
2- Atlético, 12 pontos, saldo de 6 gols
3- Cruzeiro, 12 pontos, saldo de 6 gols
4- Villa Nova, 8 pontos, saldo de 3 gols
5- Tupi, 8 pontos, saldo de 0 gol
6- Guarani, 7 pontos, saldo de 4 gols
7- América TO, 6 pontos, saldo de O gol
8- Uberaba, 5 pontos, com saldo negativo de 3 gols
9- Caldense, 4 pontos, com saldo negativo de 5 gols
10- Democrata GV, 3 pontos, com saldo negativo de 4 gols
11- Funorte-Montes Claros, 2 pontos, com saldo negativo de 5 gols
12- Ipatinga, 1 ponto, com saldo negativo de 10 gols

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Almenarenses invadem Teófilo Otoni

Almenarenses azuis invadem Teófilo Otoni
Excursão levou torcedores celestes de Almenara para acompanhar apresentação cruzeirense

Neste sábado, 26.02, um grupo de amigos cruzeirenses de Almenara e alguns simpatizantes viajaram em excursão para Teófilo Otoni. Essa aventura foi organizada por Jeferson, mais conhecido como “Jefim”. Todos foram até a cidade de Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, para acompanhar a partida entre o Cruzeiro e o América de TO, pela quinta rodada do campeonato mineiro.

Os cruzeirenses viajaram confiantes na vitória celeste. A confiança era tanta que, no bolão da excursão organizado por Pururuca, a maioria dos palpites dava uma vantagem elástica para o Cruzeiro.

Após a partida, o cruzeirense Wanderley Sena, o Leléu, concedeu entrevista para a televisão local e também para o Diário do Jequi.



“Além do sofrer com a falta de cerveja durante a partida, o meu sofrimento maior foi, na verdade, com a falta de gols do Cruzeiro. Apesar de que , eu acho que o segundo gol do América foi legítimo. Infelizmente para eles e felizmente para nós, o juiz anulou. Enfim, ganhamos no maior sufoco, com um gol contra, no último minuto.”

Durante a viagem de ida, a torcida cruzeirense foi embalada por muita cerveja gelada e da tradicional farofa. Na volta, o cruzeirense Tôta reclamou de uma “sicura na garganta" ocasionada pela falta de cerveja nas primeiras horas de viagem.

Muito mais que acompanhar uma partida de futebol do time de coração a excursão proporcionou a todos um momento único de confraternização entre amigos e, principalmente, para alguns pais que levaram seus filhos para assistirem ao vivo a vitória do Cruzeiro pelo placar de 2 x 1.

Registro do Léo Rocha, do Diário do Jequi, de Almenara

Concurso Público

Concurso Público
José Maria da Silva

O que adianta?
Tanta labuta,
tanta disputa
para o diploma pegar.
Realmente, o que eu vejo
são jovens com desejo
à formatura chegar.

O que adianta?
Passar a noite estudando,
os neurônios queimando
para ser um alguém.
Fico triste pensando,
horas e horas matutando:
formar-se, pra ser escravo de quem?

O que adianta?
Tanto sonho na vida,
ter coragem na luta aguerrida.
Afinal, tudo desmoronado.
O campo ficou pequeno,
muita gente, pouco terreno
para disputar uma vaga, coitado!

O que adianta?
Ser enganado pelas firmas,
elas querem é faturar em cima
do pobre desempregado.
Exigem currículos completos,
podem ser até analfabetos.
Importa é o dinheiro depositado.

O que adianta?
Falar fluente o inglês,
alemão ou japonês,
e mil na disputa irracional.
Já pegou o que queria
o faturamento dessa orgia
essa vergonha nacional.

O que adianta?
Você ser capacitado,
quem sabe o mais preparado
para a vaga ocupar.
Neste jogo tem macete,
O filho do amigo do palacete
na certeza, com o cargo irá ficar.

O que adianta?
É não ser bobo, ser persistente,
exigir do nosso Presidente
com as regras desse golpe acabar.
Todo concurso deve ser de graça,
não ter custo, muito menos taxa,
punindo os desonestos do contratar.


O que adianta?
É exigir transparência, honestidade,
para que todos da firma e da cidade
respeitem as regras da disputa.
E aquele que a vaga conseguir
todos vão, com certeza, aplaudir
e reconhecer que valeu a luta.

José Maria da Silva é servidor público estadual, de Almenara, trabalha e mora em Belo Horizonte.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Leituras para os que enxergam pouco

Leituras para os que enxergam pouco
Paulo Castelo Branco, no Brasília em Dia

Em Diamantina (MG), o menino Affonso Heliodoro acordava à noite para olhar as estrelas e imaginar a distância que os separava. Era menino cheio de sonhos que buscava, nas tardes chuvosas, os tesouros enterrados nos reflexos do arco-íris. De uns tempos para cá, sua visão está se perdendo no infinito, e sombras ocupam a retina, deixando o hoje nonagenário sem poder identificar as letras que usava para compor seus poemas e escritos cheios de histórias de um Brasil esperançoso, vigoroso e divertido, conduzido por Juscelino Kubitschek, de quem foi braço direito nos tempos de ouro.

Dia desses, Affonso, que dirige o Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, participava, num final de tarde, de conversas com acadêmicos à volta de mesa com pães de queijo e café, como se fosse à beira de um forno à lenha dos tempos de antigamente. Um dos acadêmicos mostrava um texto que Affonso não podia ler. Affonso reclamou que nos dias de hoje tem sido impossível a leitura dos jornais e das revistas, em virtude da diminuição das letras nos textos publicados. O acadêmico, solícito, se dispôs a ler em voz alta a história.

Tratava-se de um netinho que, ao chegar da escola com uma questão para pesquisa, assim disse:
- Sabe, vô, existe uma grande crise nos países árabes que são governados a ferro e fogo por ditadores cruéis que não respeitam os cidadãos e os prendem e matam em nome da tranquilidade dos povos. O professor disse-nos que todas as demais nações sempre souberam disso, mas fazem vistas grossas em troca de petróleo e outras riquezas.

O avô, conhecedor de histórias desde as “Mil e uma noites” e “Ali Babá e os quarenta ladrões”, fez breve exposição sobre os problemas que afligem os povos, hoje muito pobres, mas que já foram líderes mundiais e gozavam de prestígio por suas obras fantásticas e suas culturas milenares. O menino pediu que o avô esclarecesse suas dúvidas e ia anotando. O avô contou as histórias do Egito, do Irã e do Afeganistão até chegar ao Iêmen. Neste ponto, o neto interrompeu a aula do avô e questionou:

- Vô, a Mariinha, minha irmã, outro dia falava para o namorado que esse tal de hímen nem existe mais. É verdade?

O avô corrigiu:
- Estou me referindo ao Iêmen - pigarreou e fingiu adormecer. Affonso, que pouco enxerga, pouco ouve, mas sabe tudo, quase morreu de rir!

Carnaberilo: 10 bandas, Trio Elétrico, blocos e praia no rio Araçuaí

Carnaberilo: 10 bandas, Trio Elétrico, blocos e praia no rio Araçuaí O Carnaberilo vem crescendo a cada ano. A cidade de Berilo, no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas, recebe mais de 6 mil foliões de várias cidades do Vale do Jequitinhonha na festa carnavalesca mais animada da região.

Em 2011, tem 10 bandas da melhor qualidade, da axé music do sul da Bahia. Oito bandas tocarão no palco armado na Praça da Prefeitura e na praia do rio Araçuaí. Duas outras bandas tocarão no Trio elétrico.
A Batida Baiana, uma das sensações do carnaval do ano passado, volta com a corda toda. E tem mais: Tô a TÔa, Pizindim, Pisadocha, Break, Levada da Kanga, Alessandro e Nanaê.

No domingo e terça, de manhã, tem a tradicional saída do Bloco da Ressaca, que vai comemorar seu 15º ano.

A grande novidade foi bolada pelo jovem Marthon com a organização do Trio Elétrico e o Bloco Sarapinga, que sairá dias 05 e 07 de março, no sábado e segunda-feira de carnaval, com duas bandas: Tikerê e Delícia da Moçada.
A organização está animada, tendo encomendado 800 abadás. No dia 02 de março, haverá a abertura do Carnaberilo com o DJ Mascote.

A praia do rio Araçuaí já tem barraca armada e agitada para receber os foliões.
Onde fica Berilo
A cidade de Berilo está localizada no Médio Jequitinhonha, sendo cortada pela BR 367, estando a 20 km de Chapada do Norte; 40 km de Minas Novas; 30 km de Virgem da Lapa; 16 km, de asfalto, de Francisco Badaró; 62 km de Araçuaí, também de asfalto; 100 km de Capelinha; 170 km de Salinas; 90 km de Grão Mogol; 130 km de Itaobim.

A cidade oferece bons serviços de Pousada e restaurantes, belas praias e corredeiras do rio Araçuaí; o tradicional artesanato de tecelagem; sobradões coloniais; cachaça da melhor qualidade; e muita animação.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Prefeitura de Berilo: 938 candidatos disputam 111 vagas

Berilo: Concurso público tem 938 candidatos
Prova deste domingo decide 111 vagas na Prefeitura
Vista parcial da cidade de Berilo, no Médio Jequitinhonha
O concurso público da Prefeitura de Berilo realizará provas para preenchimento de 111 vagas, neste domingo, 27.02. Foram inscritos 938 candidatos. A grande maioria é do próprio município, principalmente para preenchimento de cargos que exigem apenas a escolaridade do ensino fundamental, cujos salários também são mais baixos.

Já nos cargos de nível superior há inscrições de candidatos de municípios vizinhos, do Vale do Jequitinhonha e norte de Minas.

As provas serão realizadas de manhã e à tarde na Escola Estadual Professor Jason de Morais e Escola Estadual de Berilo.

As vagas de Auxiliar de Serviços Gerais somam 23, mesmo número de vagas para professores e pedgaogo, na Secretaria de Educação. 13 vagas são para Agente Administrativo. Os motoristas disputam 10 vagas.
O restante dos cargos tem poucas vagas.

As inscrições majoritárias foram ao cargo de Auxiliar de Serviços Gerais com 347 candidatos. Logo após, vieram 124 candidatos a Auxiliar Administrativo.

Os motoristas fizeram 61 inscrições. Candidatos a Auxiliar de Saúde tem 62 inscritos.
Somente esses inscritos totalizaram 594 inscrições. São a grande maioria dos quase mil candidatos.
107 candidatos aos cursos de nível superior ficaram assim divididos. Fora o Fonoaudiólogo que tem 2 vagas, todos disputam 01 vaga cada um:
Enfermagem – 32 inscritos
Farmacêutico-Bioquímico – 14 inscritos
Assistente Social – 12 inscritas
Fisioterapeuta – 11 inscritos
Nutricionista – 9 inscritos
Psicólogo – 8 inscritos
Advogado – 7 inscritos
Fonoaudiólogo – 6 inscritos, para duas vagas
Biomédico – 6 inscritos
Engenheiro – 02 inscritos.

Os candidatos pagaram uma taxa de inscrição que variou de R$ 25,00, R$ 28,00, R$ 60,00 e R$ 85,00, dependendo do cargo a que cada um concorreu.
A organização – Prefeitura Municipal e Magnus Concursos - arrecadou cerca de de R$ 30 mil para a realização do Concurso Público.

Prefeitura faz lançamento das obras do PAC

Prefeitura faz lançamento das obras do PAC

Diário do Jequi
Prefeita assina ordem de serviço das obras

Solenidade da ordem de serviço reuniu moradores e membros do poder executivo na Vila Esperança

Um dia histórico para o poder executivo municipal. Na noite de quarta-feira, (23), a Prefeita de Teófilo Otoni, no nordeste de Minas, Maria José Haueisein Freire, assinou a ordem de serviço para o inicio imediato das obras do Programa de Aceleração do Crescimento, PAC. A solenidade aconteceu na Vila Esperança, zona Sul da cidade e vai beneficiar seis bairros da cidade com serviços de drenagem pluvial.

A Vila Esperança será o marco de inicio das obras que começaram na manhã desta quinta-feira e o valor da obra é de R$ 1.739.529,12.

Para o Presidente da Associação do Bairro Vila Esperança, Fernando Borges, os moradores aguardaram por melhorias na infraestrutura da comunidade há muito tempo. “A nossa expectativa é enorme. Somos moradores desde criança aqui da Vila Esperança e temos o privilégio de vermos o lançamento das obras aqui na nossa comunidade,” afirma Fernando.

A Prefeita de Teófilo Otoni, Maria José, disse que se sente satisfeita pelo inicio das obras. “Estou muito feliz, muito satisfeita. A cidade irá sofrer intervenção em muitos bairros e começa aqui na zona sul,” declara a prefeita.

O Secretário Municipal de Obras, Alexandre Gomes Leite, fez uma apresentação para os moradores do bairro explicando detalhadamente onde serão feitas as obras e disse que “haverá melhorias significativas para a comunidade, pois a realização da drenagem pluvial irá solucionar o problema das enchentes que ocorrem no bairro.”

Após as obras na Vila Esperança, os Bairros que também terão obras do PAC são: Solidariedade, Bairro Castro Pires, Concórdia, Tabajaras e Alberto Laender.
A responsabilidade de realizar as obras e a contratação de mão de obra local é da Construtora Centro Minas, CCM.

A previsão de conclusão das obras na Vila Esperança é de quatro meses e para o atendimento a todos os seis bairros é de um ano. O valor total para as obras nos seis bairros da cidade chega à casa dos 10 milhões de reais.

Informações da Prefeitura de Teófilo Otoni

Mobilização por Minas

Mobilização por Minas
Zé Dirceu

Os prefeitos petistas de Minas assinaram um manifesto que serve de exemplo aos administradores municipais: pregam a união e a defesa dos interesses do povo acima de problemas com a arrecadação, a variação de recursos do Fundo de Participação dos Municípios e as consequências dos desastres naturais, que recaem com maior peso sobre o orçamento das prefeituras.

Por serem a estrutura do Estado mais próxima da população, as prefeituras são o primeiro alvo das reivindicações por melhorias no serviço público, mesmo quando o que está sendo exigido é obrigação constitucional de outra esfera de governo.

Não é incomum que o cidadão vá à prefeitura reclamar mais segurança, responsabilidade dos governos estadual e federal. Ou que a Secretaria Municipal de Saúde registre protestos contra a má gestão de um hospital que não administra. O mesmo na educação: há prefeituras que bancam a manutenção de escolas públicas que não integram a rede municipal para não deixar que a população pague o preço pelo descuido de outros governos.

Ao mesmo tempo em que põe em discussão a redistribuição da arrecadação e os deveres dos entes federativos - temática central da reforma tributária -, o manifesto serve como demonstração de firmeza perante um governo estadual que, pela terceira vez seguida nas mãos do PSDB, repete os erros cometidos em outras gestões tucanas.

Hoje, a principal missão partidária do governador Antonio Anastasia é conduzir um mandato que passe longe de turbulências políticas para permitir que seu padrinho político, o senador Aécio Neves, brilhe à vontade enquanto trabalha para ser o candidato a presidente da oposição em 2014. Serão quatro anos, portanto, propensos a medidas de impacto midiático, mas de pouco planejamento estratégico.

Faz-se essencial que os prefeitos do PT coloquem-se de acordo com o que está no quinto item do manifesto, assinado pelos 107 prefeitos mineiros do partido: combater aqueles "modelos de gestão de tipo empresarial" que "privatizam o gerenciamento", para "construir políticas de Estado fundadas num amplo acordo social". Opõem-se, assim, a "políticas de governo para fazer o nome do administrador".

O texto cita ainda a aceleração na implantação de mecanismos essenciais para esse processo: políticas públicas participativas, que atraem a população para o debate, e a junção de grupos de cidades em consórcios regionais, para garantir mais peso de negociação aos municípios.

Por meio do ativismo político e da cobrança por maior amparo das demais esferas de governo (inclusive da federal), os prefeitos de Minas trabalham por suas cidades em duas frentes importantíssimas da dinâmica política brasileira: exigem maior autonomia para resolver as questões locais e se impõem para proteger suas populações de sofrer os efeitos imediatos de uma disputa político-partidária que extrapola os limites do Estado.

Publicado originalmente no jornal O Tempo, em 19.02.2011

José Dirceu de Oliveira, advogado, ex-deputado federal e ex-ministro da Casa Civil do Govern Lula, de 2003 a 2005.

Incra firma cooperação técnica para regularizar quilombolas no Vale

Incra firma cooperação técnica para regularizar quilombolas no Vale
Acordo com a UFVJM visa estudos antropológicos de comunidades de Almenara e Jenipapo de Minas
Um Acordo de Cooperação Técnica com a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) para produção de relatórios antropológicos de comunidades remanescentes de Quilombos foi publicado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária em Minas Gerais (Incra/MG) no Diário Oficial da União.

O relatório é uma das peças mais importantes para o processo de regularização dos quilombolas. Trata-se da caracterização histórica, econômica e sócio-cultural dos territórios.

A UFVJM vai produzir os relatórios antropológicos das comunidades de Marobá dos Teixeiras, no município de Almenara (MG), e Lagoa Grande, em Jenipapo de Minas (MG). O Incra/MG deverá aprovar o relatório após sua confecção.

O acordo não prevê repasse financeiro entre as instituições. Mas cabe ao Incra/MG prestar todas as informações necessárias, disponibilizar viatura e ressarcir os gastos de viagens dos professores designados para o serviço.

Funcionários do serviço de Regularização de Territórios Quilombolas do Incra/MG visitaram as comunidades na última semana para explicar como vai ser feito o trabalho.

Os relatórios são necessários aos processos de regularização dos territórios de comunidades quilombolas, realizados pelo Incra desde 2003 de acordo com o Decreto 4.887/03. Atualmente, o Incra/MG conduz 128 processos de regularização de territórios quilombolas.

O Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID) é composto por seis peças, entre elas o laudo antropológico e a identificação de propriedades na área. Após possíveis contestações, o Incra publica portaria de reconhecimento e dá início aos processos de aquisição das propriedades.

Fonte: Incra

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Vale do Jequitinhonha realiza I Fórum Intersetorial de Políticas Públicas

Vale do Jequitinhonha realiza I Fórum Irtesetorial de Políticas Públicas
Almenara foi sede de encontro de profissionais e conselheiros de políticas sociais
Intersetorialidade no Programa Bolsa Família foi o tema debatido.
Foi realizado nesta quarta-feira, 23.02, no salão social do Sesc de Almenara, no Baixo Jequitinhonha, nordeste de Minas, o I Fórum Intersetorial de Políticas Públicas da União Regional dos Conselheiros Municipais da Assistência Social, com o tema “A Intersetorialidade do Programa Bolsa Família”.

O evento contou com a participação de conselheiros municipais, conselheiros tutelares, trabalhadores da área de assistência social, psicólogos, educadores sociais, agentes de saúde, universitários, professores e beneficiários do Programa Bolsa Família.

O fórum teve como objetivo, articular um modelo de atuação intersetorial para melhoria da gestão do Programa Bolsa Família e elaborar ações em conjunto com a rede sócio assistencial para dar suporte e qualificação do programa junto às famílias.

O Presidente do Conselho Municipal de Assistência Social e Presidente da União Região dos Municipais da Assistência Social, Paulo Cézar Macedo dos Santos, falou que o fórum é um espaço democrático que foi criado para permitir que se discutam as políticas públicas e suas execuções.

“O nosso tema prioritário é debater a intersetorialidade no Programa Bolsa Família, ou seja, as ações que são desenvolvidas pela Assistência Social, pela Saúde e pela educação. Então, o nosso objetivo é permitir que se faça uma avaliação, da execução deste programa, a articulação que é feita entre estas secretarias responsáveis pelas ações, com as condicionalidades a serem cumpridas, e na ausência do cumprimento destas, nós queremos discutir quais serão as planejadas entre esses setores e se de fato estão conseguindo garantir o acesso das famílias a proteção social que é prevista dentro do programa”, afirmou Paulo Cézar.

O Secretário Municipal de Saúde, Eduardo Tertuliano, falou da participação da secretaria de saúde no Programa Bolsa Família. “Temos um papel importante e fundamental na execução dessa política pública de assistência, somos responsáveis por garantir à assistência a saúde às famílias que são acompanhadas pelo programa. A realização desse fórum vai fortalecer ainda mais a participação de todos na unificação em prol de um objetivo comum, que é melhorar o acompanhamento destas famílias”, disse Eduardo.

A Assessora Técnica da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, Maria Imaculada Vignatti, falou da importância deste evento onde foi abordada a política social do Programa Bolsa Família. “Vejo neste programa destinado a população de baixo poder aquisitivo, que vive em situação de vulnerabilidade social, uma grandeza. Ás vezes, as pessoas não entendem o que este benefício representa para as famílias que recebem e surgem conceitos deturbados. A Secretaria de Educação faz a avaliação da freqüência escolar no setor de documentação, depois envia um relatório para as escolas, que nos repassam novamente, para a partir daí ser encaminhado a Secretaria de Assistência Social”, ressaltou Imaculada.

A Gestora do Programa Bolsa Família, Patrícia Ramos, ressaltou o papel da Assistência Social no programa.

“O nosso papel aqui hoje e de passar informações. Muitas pessoas quando falam do Programa Bolsa Família, esquecem das condicionalidades e compromissos do programa. Então vamos buscar esclarecer e tirar dúvidas, pois muitos que estão aqui são de outras cidades, o que torna mais favorável a troca de experiência”, falou Patrícia.

Com informações do Diário do Jequi, de Almenara

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Diamantina: Carnaval para se divertir e também para respeitar!

Diamantina: Carnaval para se divertir e também para respeitar!
O povo de Diamantina começa a reagir contra os carnavalescos foliões que invadem a cidade nos dias de carnaval e tudo destroem.

A manifestação popular que vem surgindo é uma reação à destruição de relíquias da cidade do Vale que é do Patrimônio Cultural da Humanidade.

Publicado no Passadiço Virtual, de Diamantina.

Mais Você da TV Globo visita Almenara

Mais Você da TV Globo visita Almenara
'Tem Visita' vai ao Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais

O Mais Você, da TV Globo, da sexta-feira passada, 18 de fevereiro, exibiu mais uma edição do quadro “Tem Visita”, com repórter Nádia Bochi, que sempre traz lindas histórias de suas viagens por recantos encantadores do Brasil.

Dessa vez, a equipe foi pra Minas Gerais e conheceu a cidade de Almenara, no nordeste de Minas, que fica num dos lugares mais curiosos do Brasil: o Vale do Jequitinhonha.

O vale é riquíssimo culturalmente. Dentro da sua simplicidade é um celeiro de artesãos, contadores de causos e gente guerreira que vive folclore no dia a dia.

CONFIRA OS BASTIDORES DAS VIAGENS NO BLOG DO TEM VISITA
Nádia foi para a praça da cidade, instalou sua barraca e conversou com as pessoas até achar alguém com uma história bacana para ser contada. O mineiro é sempre muito carismático e essa foi a barraca que teve mais público até agora.

Foi difícil escolher um anfitrião, mas uma senhora lavadeira chamada Valdênia chamou a atenção por sua simpatia e simplicidade...

E foi na casa dela que a equipe do Mais Você buscou abrigo para passar a noite.

Para contar como foi a experiência, a repórter Nádia Bochi esteve no estúdio para conversar com Ana Maria.

“Mais do que a beleza natural de lá é a beleza humana. Tem tanta gente talentosa!”, disse. Muito emocionada, a jornalista não escondeu a transformação que essa viagem proporcionou em sua vida. “Não tem como não mudar depois de uma viagem dessa. Você muda o jeito de ver as coisas. Eu sou outra pessoa especialmente depois dessa visita”, disse.

Ana Maria comentou sobre a realidade das lavadeiras de Almenara, que infelizmente estão por lá esquecidas.
“A gente é muito egoísta. A gente sempre reclama que não tem nada”.

Sobre a noite que passaram na casa de dona Valdênia, Nádia fez uma reflexão:

“Quantas vezes chega uma visita na sua casa e você se preocupa se a comida vai dar?
Ela em nenhum momento pensou em recusar a nossa visita. Ela não tinha nada, espaço, comida, nada. Quantas pessoas agora estão aprendendo com essa generosidade dela”, falou emocionada.

Dicas turísticas
Almenara não está na rota turística tradicional. Por isso, a gente separou umas dicas pra você que gostou da nossa viagem e ficou com vontade de conhecer melhor o lugar.

O jeito mais fácil de visitar Alamenara é mesmo partindo de Porto Seguro. De lá saem ônibus de linha diariamente e a passagem custa R$ 60,00.

O almenarense é hospitaleiro, mas se você não quiser chegar na casa de ninguém de surpresa e preferir garantir uma hospedagem tradicional, a cidade tem um hotel com chalés e pequenas pousadas com diárias que custam em média 40 reais por pessoa, com café da manhã.
Alimentar-se bem em Almenara também não custa caro. Com R$ 15 dá para fazer uma bela refeição.

Fonte: http://maisvoce.globo.com/MaisVoce/0,,MUL1648516-10345,00-TEM+VISITA+VAI+AO+VALE+DO+JEQUITINHONHA+EM+MINAS+GERAIS.html

Carnaval de Pedra Azul libera O Bloco Feras à Solta!!!!

Carnaval de Pedra Azul libera O Bloco Feras à Solta!!!!
Você quer realmente curtir Carnaval em Pedra Azul? Então venha para o FERAS À SOLTA!!! , as melhores e mais gostosas mulheres e os bonitões estão nesta praia da cidade.

Muita diversão o dia inteiro, cerveja gelada, petiscos. Venha sentir os efeitos do sol!
À noite, venha sentir os efeitos da lua, você é nosso convidado!

O Bloco das FERAS À SOLTA está pronto para contagiar os foliões em Pedra Azul no
Carnaval 2011, com muita animação, na segunda-feira de CARNAVAL.

Em cima do salto, os vários componentes costumam vestir o que há de melhor nos armários de irmãs, mães, esposas e tias.

Mini-saia, bustiê, tomara-que-caia, meia-calça, além de peruca, maquiagem e muita dose de
criatividade fazem parte da fantasia das “meninas” do bloco mais irreverente do carnaval da cidade.

Com homens vestidos de mulher e algumas mulheres vestidas de homem, o Bloco das FERAS À SOLTA faz tudo “ao contrário”, e a festa toma conta da cidade.

No ritmo da folia, não são poucos os turistas que vêm participar da animação, lotando a avenida no carnaval.

A brincadeira começa num local fechado e sai a rua atraz de mine trio elétrico puxando os foliões, até o Centro.
Uma grande carreata segue em direção à Avenida Antero de Lucena Ruas, deixando um rastro de animação pelo caminho, dançando, pulando e festejando o carnaval.

Neste ano, o Bloco das FERAS À SOLTA!!! completa 2 ano de existência. Sua história começou, quando algumas alguns amigos que passavam carnaval na cidade resolveram animar a segunda-feira, quando não havia nenhuma festividade na cidade.

Para brincar com os moradores, os homens saiam vestidos de mulher e as mulheres vestidas de homens, alegrando as ruas da cidade.
O movimento cresceu e chegou até o Centro da cidade, atraindo pessoas de todos os bairros em um carnaval que reúne alegria, irreverência e criatividade.

Organização: Danilo, Marcelo, Dandim, Luíz, Girlei e Márcio...

Adquira já o seu passaporte para o mundo Feras à Solta!!!

Tenha o melhor e mais inesquecível dia de carnaval.
Ingressos à venda: R$25,00

Texto de Ewerton Wagner Santos, no Diário do Jequi, de Almenara

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

BR 367: população aguarda asfaltamento de 123 quilômetros

Minas Gerais tem ao menos 7 mil km de estradas sem asfalto
BR 367 entra com 123 quilômetros de estrada de terra
As rodovias federais e estaduais que cortam Minas Gerais têm 7.224 km de estradas sem asfalto atualmente. O número corresponde a quase 27% da malha rodoviária que corta o Estado, que é de 26.951 km ao todo.
A soma de estradas sem pavimento é maior que o trajeto que separa Belo Horizonte e Vitória, no Espírito Santo. Para deixar toda a malha federal que corta o Estado pavimentada, seria necessário R$ 1,1 bilhão.

No número de estradas de terra, 617 km são de rodovias federais, e os demais das estaduais. O custo para asfaltar cada quilômetro de estrada federal é de, em média, R$ 1,8 milhão, segundo o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

Atualmente, os contratos vigentes no Estado para pavimentação das BRs não chegam à metade do necessário. Juntos, os valores integrais dos projetos são de R$ 500 milhões. O restante dos recursos não tem prazo para ser liberado.

O montante para asfaltar as MGs, no entanto, não pode ser calculado, já que o Governo do Estado não informa os valores gastos em cada quilômetro. A justificativa é de que cada rodovia pavimentada tem um custo, dependendo das características da estrada e da região, entre outros fatores. Os valores são definidos a partir do projeto de engenharia.

BR 367 ficará em torno de R$ 221 milhões
Na BR-367, a história se repete. A estrada federal que começa em Diamantina e termina em Santa Cruz Cabrália (BA) atravessa cidades do nordeste de Minas, como Turmalina, Minas Novas, Chapada do Norte, Berilo, Virgem da Lapa, Araçuaí, Itinga, Itaobim, Jequitinhonha, Almenara, Jacinto e Salto da Divisa. Tem 794 quilômetros, sendo 140 na Bahia e 654 em Minas.

A rodovia também passa por Porto Seguro, no litoral sul da Bahia. Em alguns pontos, a estrada é de chão, principalmente nos 102,9 km entre os municípios de Jacinto e Salto da Divisa. O trecho de 49 km entre Almenara e Jacinto está inacabado desde 1989. Há quatro pontes de madeira na rodovia. A que passa pelo Rio Rubim, em Almenara, tem mais de 30 metros de extensão.

O outro trecho da BR 367 a ser asfaltado é o que une as cidades de Virgem da Lapa-Berilo-Chapada do Norte-Minas Novas, no Médio Jequitinhonha, no nordeste de Minas. Este trecho tem cerca de 63 km.

De acordo com o DER, foi assinado um convênio entre os governos federal e estadual para a elaboração do projeto de engenharia de pavimentação deste trecho. O órgão estadual preparou edital de licitação sob forma de minuta e encaminhou ao DNIT para aprovação, no dia 18.10.2010. O mesmo está sendo analisado.

A população da região espera ansiosa a publicação do Edital de Licitação para elaboração dos projetos, licença ambiental e licitação das obras. Um Termo de Compromisso assinado, em maio de 2010, entre o DER-MG e o DNIT, estabelece que o governo de Minas fica responsável em administrar a rodovia federal. R$ 7 milhões foram depositados na conta do DER MG. O governo de Minas deve entrar com 20%, ou seja, R$ 1,2 milhão.

O trecho total a ser asfaltado é de 123 km, segundo publicações do DNIT. Assim, se cada quilômetro pavimentado fica em torno de R$ 1,8 milhão, a obra deverá ser orçada em cerca de R$ 221,4 milhões.

Escritórios de engenharia já têm seus projetos prontos. Só esperam a abertura do Edital para entrarem na concorrência pública.

Cada cidadão do Vale deveria estar enviando email ou telefonando para o deputado federal ou estadual em que votou, assim como aos 3 senadores de Minas ( Aécio Neves, Itamar Franco e Clériston Andrade).

Somente assim, poderemos conquistar um dos nossos maiores sonhos.

Com informações do R& e Jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte

O abandono de um lugar onde o asfalto já é realidade

O abandono de um lugar onde o asfalto já é realidade
Wellington Gomes

“Onde o asfalto já é realidade”.
Não sei se todos lembram, mas esta era uma frase usada na época, pelos empreendedores do loteamento Vale dos Diamantes, para alavancar as vendas dos lotes, em Diamantina, no Alto Jequitinhonha, nordeste de Minas.
Fato é que já são inúmeros os moradores do bairro e eles ainda não têm os serviços dos Correios.
Dá para acreditar?
Tenho um amigo que mora lá e tem que pegar suas correspondências no Centro de Triagem dos Correios.

Imagine a cena: ele compra um produto pela internet pela comodidade e depois tem pegar o carro para buscá-la, pois ela parou no meio do caminho. Se tivéssemos na época dos tropeiros, aposto que eles entregariam diretamente a encomenda.
Conversei com outros moradores e eles relatam que existe um entrave entre a prefeitura e os correios.

Pensava eu que este bairro seria um dos mais bem organizados da cidade, pois além de ser um dos mais novos, foi planejado, aprovado, carimbado e registrado na prefeitura.

Conversando com outro morador, Wellington Coelho, resumidamente ele nos deu o seguinte histórico:

O bairro foi liberado para construção no início de 2008 com as ruas ainda numeradas; Em 11 setembro de 2009 foi aprovado pela Câmara o Projeto Lei de denominação das ruas e logo em seguida sancionado pelo prefeito. Porém (por lei) seria necessária a colocação de placas com os nomes das ruas em cada uma delas e a comunicação aos órgãos públicos num período máximo de 90 dias.
A prefeitura já fez a comunicação aos órgãos (mesmo sem as placas!!!) e até agora nada.

O Correio disse que somente depois das placas. Só fazem entregas em locais que a prefeitura tenha mandado mapas com os nomes das ruas e que as mesmas estejam identificadas com placas no local. Até parece que todas as ruas da cidade são sinalizadas! Enquanto isso, já são mais de 3 anos de espera.

Publicado no Passadiço Virtual

Serro: Luau Cultural ao som de muita MPB

Serro: Luau Cultural ao som de muita MPB

Diretório Acadêmico da PUC MINAS Serro promove evento para a comunidade acadêmica e serrana.
No última sexta-feira,18.02, o Diretório Acadêmico do Curso de Direito do Campus da PUC MINAS em Serro, no Alto Jequitinhonha, promoveu, em parceria com comério local, o II Luau Cultural.
O evento levou entretenimento para várias pessoas, entre acadêmicos e da comunidade, que compareceram na Praça João Pinheiro, no centro da cidade.
O repertório não poderia ser outro, muita Música Popular Brasileira-MPB, numa noite amena e ao luar prata que brindava a tricentenária Serro, a primeira cidade brasileira tombada pelo patrimônio histórico nacional.
O intuito do evento foi promover a responsabilidade social do Diretório e de empresários, ao valorizarem também os talentos locais que, brilhantemente, animaram a festa que se encerrou só de madrugada.
Espaço aberto para o talento do Jequitinhonha.

A almenarense Cristina, ao centro, aprovou o evento e ressaltou a importância de compartilhar momentos assim com a comunidade.

Texto e fotos de Pedro Afonso, de Itamarandiba, Alto Jequitinhonha, acadêmico de Direito

Carnaval de Itamarandiba terá trio elétrico e blocos

Carnaval de Itamarandiba tem trio elétrico e blocos
Pedro Afonso
O tradicional carnaval de Itamarandiba será realizado no Parque de Exposições da cidade.
A Prefeitura Municipal de Itamarandiba promoverá, juntamente com a Câmara Municipal, de 04 a 08 de março o Carnaval 2011 “De Mãos Dadas com a Alegria”.

O evento pela primeira vez será realizado no Parque Municipal de Exposições. O local receberá grande estrutura com parque de diversões, telão, muita segurança, praça de alimentação, barracas, mini circuito para Trio Elétrico, duchas, banheiros, chuva artificial com sonorização, grandes shows (veja o cartaz em anexo) e muito mais.

Os tradicionais Blocos Carnavalescos de Itamarandiba farão a concentração no Largo do Souza e serão puxados por um Trio Elétrico até o Parque de Exposições.

A Festa do Momo em Itamarandiba é sinônimo de cultura, lazer, segurança e harmonia.

Venha! Traga sua família e se divirta com muita paz e segurança...

Parque de Exposições de Itamarandiba/por Pedro Afonso.

Com informações da Prefeitura de Itamarandiba.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Minas Novas se anima com Carnaval Bom Demais

Minas Novas se anima com Carnaval Bom Demais
Minas Novas conserva parte do patrimônio histórico do Vale do Jequitinhonha e fica a 220 km de Diamantina. Diferente da "Terra de JK", o carnaval na cidade segue o padrão que Salvador/BA exportou para o resto do Brasil – Trio elétrico descendo a ladeira e muito axé music rolando solto (e é de graça. Menos para quem prefere se acomodar nos camarotes).

A tradição do trio elétrico trafegando pelas ruas históricas da cidade surgiu no final dos anos 70 por iniciativa dos próprios moradores, que improvisaram caixas de som em uma C-10 (Veiculo de carroceria da Chevrolet).Logo em seguida alguns músicos se reuniram, e estava pronta a primeira banda a se apresentar sobre rodas em uma cidade da região... Ou se não, no estado! Nascia para nós a idéia do trio elétrico.

Isso aconteceu paralelo ao momento em que a Bahia começava a entender que o carnaval era um bom negócio.

As bandas que se apresentam no trio esse ano são: Barco à vela (A moçada vai aproveitar o cenário para rodar as imagens de um DVD), Batukaê (Presença forte de Turmalina no evento) e as bandas “Dois em UM, Banda Xêru, Boca Elétrico, Josias Maciel e Banda e o Batuque Kutição” de Capelinha.Multidão atrás do trio elétrico nas ruas de Minas Novas

Além do trio elétrico, um outro grande atrativo do carnaval é o balneário que fica bem próximo à cidade, nas margens do Rio Fanado. Durante os 04 dias de folia, o local recebe milhares de pessoas, que na onda do axé se aquecem para o trio. O gigante de luzes e som começa a descer a ladeira por volta das 23 h.

A tradicional Barragem de Minas Novas atrai muita gente, não só durante o carnaval, mas durante todos os dias do ano. E poderia atrair muito mais, caso o local recebesse um pouco mais de atenção do poder público no município. Muita gente reclama que o local só recebe os devidos cuidados no período que antecede o carnaval.Barragem das Almas, a 2 km, da cidade de Minas Novas, no rio Fanado
CAMAROTES

Se tirarmos o tamanho do trio, que aumentou muito nos últimos tempos, as mudanças de maior impacto que ocorreram no carnaval de Minas Novas foram os camarotes. Essa mudança é fruto do esforço dos empresários locais. Para o produtor do Camarote Fanadeiros, Eduardo Evangelista, o espaço vem recebendo um número maior de pessoas à cada ano que passa.

“Esse ano estamos investindo mais na infra-estrutura para poder atender bem e um número ainda maior de pessoas. Esperamos colocar umas 600 pessoas no camarote de forma confortável”, completa o produtor.

Para obter mais informações, acesse a página oficial do camarote na web:
www.fanadeiros.com.br

Boa ressaca pra todos na quarta-feira de cinzas!

Texto de Ailton Santanna, de Turmalina, publicado no cidadefmturmalina.blogspot.com. Fotos de Sidney Majela Silva, meu amigo Gão de Dona Geralda, um dos precursores do carnaval de rua da cidade.

INSS de Araçuaí empenha-se para ter sede própria

INSS de Araçuaí empenha-se para ter sede própria
A agência do INSS de Araçuaí, inaugurada em 2003, atende a sete municípios da região. Desde sua criação a agência funciona em prédios alugados. Atualmente há uma tendência de construção de sedes próprias com recursos, inclusive já disponibilizados.

A agencia de Araçuaí encontra-se nesta situação.
Agora só falta um terreno para construção de sua sede. Atualmente a agencia do INSS de Araçuaí, no Médio Jequitinhonha, no nordeste de Minas, funciona em um espaço localizado na Rua Túlio Hostílio no ce
ntro da cidade.

A agência atende os municípios de Araçuaí, Coronel Murta, Itinga, Jenipapo de Minas, Francisco Badaró e Virgem da Lapa com uma população estimada em 94 mil pessoas. São cerca de 100 atendimentos ao dia. A maioria dos beneficiados, cerca de 70%, é do meio rural.

Atualmente as instalações não são adequadas para a comodidade do usuário, por isso a agência esta se empenhando para a construção da sede própria com recursos já garantidos.
Segundo Carla Coelho, já foram construídas as sedes próprias das agências do INSS de Itaobim e Jequitinhonha.

Araçuaí provavelmente deverá contar com sede própria, só falta o terreno. Segundo Carla, alguns lotes já foram disponibilizados pela prefeitura, para serem analisados, entretanto estes precisam estar dentro dos padrões técnicos.

Fonte: Com informações do Portal Ara

DER faz campanha educativa em rodovias do Vale e norte de minas

DER faz campanha educativa em rodovias do Vale
Em Comercinho, Medina e Santa Cruz de Salinas, mais de 300 pessoas foram mobilizadas A equipe da Gerência de Educação para o Trânsito do Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER/MG) percorreu, durante esta semana, os municípios de Comercinho e Medina, no Vale do Jequitinhonha, e Santa Cruz de Salinas, no Norte de Minas, com o objetivo de orientar os moradores sobre a necessidade da mudança de comportamento com a chegada do asfalto. Os três municípios foram contemplados pelo Programa de Pavimentação de Ligações e Acessos Rodoviários aos Municípios (Proacesso).

“Desde que o Proacesso iniciou, em 2004, nós temos realizado esse trabalho nas comunidades beneficiadas pelo programa. Isso porque o asfalto é novidade e requer uma nova postura de segurança das pessoas enquanto motoristas e pedestres”, destaca a coordenadora do projeto de Educação para o Trânsito do DER/MG, Rosely Fantoni.

Dos 180 municípios que receberam pavimentação pelo Proacesso em todo o Estado, 36 já participaram das palestras, com o envolvimento de 3.098 pessoas. Somente em Comercinho, Medina e Santa Cruz de Salinas, mais de 300 pessoas foram mobilizadas. “A nossa linha de atuação é orientar, principalmente os professores e educadores da esfera municipal, para que eles possam disseminar, ao longo do ano, os conhecimentos adquiridos”, conta Rosely.

Os temas abordados vão desde as alterações previstas na cidade em função do asfaltamento da rodovia e quais são os papéis do homem no trânsito, até noções do Código de Trânsito Brasileiro. Os encontros contam com a participação de autoridades locais, representantes dos órgãos do Sistema Nacional de Trânsito e pessoas formadoras de opinião.

Municípios visitados
A chegada do asfalto nos municípios de Comercinho, Medina e Santa Cruz de Salinas representou um ganho para a região na medida em que impulsionou o desenvolvimento da economia local. Em Santa Cruz de Salinas, por exemplo, a pavimentação contribuiu para facilitar o escoamento da produção agrícola sustentável, bem como melhorou o acesso ao comércio local, principalmente à Feira de Artesanato, uma das atrações da cidade. O transporte escolar de crianças também foi facilitado com o Proacesso.

“O trabalho educativo vale para que as pessoas, ao conhecerem a nova realidade, possam desfrutar dos benefícios do asfalto com mais segurança”, comenta Rosely. “Os motoristas que antes andavam com uma velocidade reduzida, tendem a acelerar. A comunidade, que não se preocupava com a travessia das estradas, agora precisa modificar seus hábitos para que não ocorram tantos acidentes”, conclui a coordenadora.

Animais na pista
Durante a visita aos três municípios, a equipe do DER/MG detectou a importância de alertar à população da região e principalmente aos produtores rurais, a respeito do risco que representa a presença de animais na pista das rodovias. Parte da campanha educativa foi dedicada à orientação e conscientização dos moradores e produtores locais pela equipe de Educação para o Trânsito do DER/MG.

Programação
“Até o final do ano estão programadas ações educativas em mais 12 municípios beneficiados pelo Proacesso”, adianta Rosely Fantoni. A escolha dos locais é feita, prioritariamente, em função do maior risco de conflito entre pedestres e veículos. “A ideia é que os educadores de cada região visitada se tornem propagadores das medidas educativas de trânsito ensinadas pelos técnicos do DER/MG”, finaliza a coordenadora do projeto.

Fonte: Com informações do Farol Comunitário

sábado, 19 de fevereiro de 2011

BBB, um programa imbecil

BBB, um programa imbecil
Autor: Antonio Carlos Barreto,
Cordelista natural de Santa Bárbara-BA, residente em Salvador.
Curtir o Pedro Bial
E sentir tanta alegria
É sinal de que você
O mau-gosto aprecia
Dá valor ao que é banal
É preguiçoso mental
E adora baixaria.

Há muito tempo não vejo
Um programa tão ‘fuleiro’
Produzido pela Globo
Visando Ibope e dinheiro
Que além de alienar
Vai por certo atrofiar
A mente do brasileiro.

Me refiro ao brasileiro
Que está em formação
E precisa evoluir
Através da Educação
Mas se torna um refém
Iletrado, ‘zé-ninguém’
Um escravo da ilusão.

Em frente à televisão
Lá está toda a família
Longe da realidade
Onde a bobagem fervilha
Não sabendo essa gente
Desprovida e inocente
Desta enorme ‘armadilha’.


Cuidado, Pedro Bial
Chega de esculhambação
Respeite o trabalhador
Dessa sofrida Nação
Deixe de chamar de heróis
Essas girls e esses boys
Que têm cara de bundão.

O seu pai e a sua mãe,
Querido Pedro Bial,
São verdadeiros heróis
E merecem nosso aval
Pois tiveram que lutar
Pra manter e te educar
Com esforço especial.

Muitos já se sentem mal
Com seu discurso vazio.
Pessoas inteligentes
Se enchem de calafrio
Porque quando você fala
A sua palavra é bala
A ferir o nosso brio.

Um país como Brasil
Carente de educação
Precisa de gente grande
Para dar boa lição
Mas você na rede Globo
Faz esse papel de bobo
Enganando a Nação.

Respeite, Pedro Bienal
Nosso povo brasileiro
Que acorda de madrugada
E trabalha o dia inteiro
Dar muito duro, anda rouco
Paga impostos, ganha pouco:
Povo HERÓI, povo guerreiro.

Enquanto a sociedade
Neste momento atual
Se preocupa com a crise
Econômica e social
Você precisa entender
Que queremos aprender
Algo sério – não banal.

Esse programa da Globo
Vem nos mostrar sem engano
Que tudo que ali ocorre
Parece um zoológico humano
Onde impera a esperteza
A malandragem, a baixeza:
Um cenário sub-humano.

A moral e a inteligência
Não são mais valorizadas.
Os “heróis” protagonizam
Um mundo de palhaçadas
Sem critério e sem ética
Em que vaidade e estética
São muito mais que louvadas.

Não se vê força poética
Nem projeto educativo.
Um mar de vulgaridade
Já tornou-se imperativo.
O que se vê realmente
É um programa deprimente
Sem nenhum objetivo.

Talvez haja objetivo
“professor”, Pedro Bial
O que vocês tão querendo
É injetar o banal
Deseducando o Brasil
Nesse Big Brother vil
De lavagem cerebral.

Isso é um desserviço
Mal exemplo à juventude
Que precisa de esperança
Educação e atitude
Porém a mediocridade
Unida à banalidade
Faz com que ninguém estude.

É grande o constrangimento
De pessoas confinadas
Num espaço luxuoso
Curtindo todas baladas:
Corpos “belos” na piscina
A gastar adrenalina:
Nesse mar de palhaçadas.

Se a intenção da Globo
É de nos “emburrecer”
Deixando o povo demente
Refém do seu poder:
Pois saiba que a exceção
(Amantes da educação)
Vai contestar a valer.

A você, Pedro Bial
Um mercador da ilusão
Junto a poderosa Globo
Que conduz nossa Nação
Eu lhe peço esse favor:
Reflita no seu labor
E escute seu coração.

E vocês caros irmãos
Que estão nessa cegueira
Não façam mais ligações
Apoiando essa besteira.
Não deem sua grana à Globo
Isso é papel de bobo:
Fujam dessa baboseira.

E quando chegar ao fim
Desse Big Brother vil
Que em nada contribui
Para o povo varonil
Ninguém vai sentir saudade:
Quem lucra é a sociedade
Do nosso querido Brasil.

E saiba, caro leitor
Que nós somos os culpados
Porque sai do nosso bolso
Esses milhões desejados
Que são ligações diárias
Bastante desnecessárias
Pra esses desocupados.

A loja do BBB
Vendendo só porcaria
Enganando muita gente
Que logo se contagia
Com tanta futilidade
Um mar de vulgaridade
Que nunca terá valia.

Chega de vulgaridade
E apelo sexual.
Não somos só futebol,
baixaria e carnaval.
Queremos Educação
E também evolução
No mundo espiritual.

Cadê a cidadania
Dos nossos educadores
Dos alunos, dos políticos
Poetas, trabalhadores?
Seremos sempre enganados
e vamos ficar calados
diante de enganadores?

Barreto termina assim
Alertando ao Bial:
Reveja logo esse equívoco
Reaja à força do mal…
Eleve o seu coração
Tomando uma decisão
Ou então: siga, animal…

FIM

Salvador, 16 de janeiro de 2010.

Sugestão do Carlos Ivan Prates, de Virgem da Lapa

O salário mínimo por decreto e a lei delegada em Minas

O salário mínimo por decreto e a lei delegada em Minas
Luis Nassif, sáb, 19/02/2011Uma boa discussão jurídico-política poder ser feita sobre as relações Executivo-legislativo, em cima de dois episódios recentes:
1. A decisão de deixar para o Executivo definir o novo salário mínimo.

2. A lei delegada em Minas, deixando liberdade para o Executivo tomar um conjunto de decisões sem consultar o legislativo.


Comentários:
Antes que algum espertinho diga que quem se vale de medida provisória não pode criticar lei delegada fique claro que são coisas bem diferentes. A MP pode ser derrubada no congresso. A LD é "inderrubável".
A cara de pau do Aécio é impressionante ao se declarar preocupado com o autoritarismo do governo Dilma.

Um leve exemplo de uma Lei Delegada do Aécio. Ninguém pode saber o valor das aposentadorias de governadores porque uma LD do Aecinho decidiu isso. Em nome do Povo é que não foi. Como o 'aspirante' a presidente explicaria isso? aonde está o interesse do povo?

Foram 130 leis delegadas em dois mandatos. 130. um ditadorzinho.

O tema é complexo. Se for só somar as MPs ou as LDs, aí complica. Não sei o número de MPs do Lula, mas ele governou sem maioria no Congresso e com ampla sabotagem da mídia. Sei que as Lds do aécio foram 130 e ele é campeão absoluto. E ele tinha maioria na Assembléia Legislativa e a mídia amordaçada sempre a favor. 130 Lds.
" O recorde anterior de leis delegadas em Minas antes de Aécio pertencia ao ex-governador Hélio Garcia, que, em 1985, editou 36 leis. Com Itamar Franco, em 2000, foram oito; o tucano Eduardo Azeredo, em 1997-98, editou três; e o peemedebista Newton Cardoso, em 1989, uma. "(Fonte: site Vermelho e Folha da SP.")

Percebeu ? Se somarem todos os governadores citados dá 48. O Aécio mandou 130. Uau!!!
Agora uma LD ou uma MP pode ser "do bem". Pra atender a tragédia do Rio,por exemplo, seria uma crueldade submeter o repasse de verba a votações no congresso. tem que contextualizar mas 130,convenhamos.

Vamos ver como o Anastasia se sai com suas LDs. mas o número do Aécio é assustador.principalmente pra um governate blindado como ele.
O Congresso Nacional ficou oito anos paralisado com as CPIS da Veja.
Quantas CPIS tivemos no governo Aécio? E no governo Serra?

Quando não se tem o engavetador geral as MPS são mais necessárias."

Agora eu pergunto. O Azeredo só fez 3 leis delegadas contra 130 do Aécio. Será que a lei que esconde a farra com dinheiro público é uma dessas três?

Araçuaí inicia curso superior em Gestão Ambiental

Araçuaí inicia curso superior em Gestão Ambiental Instituto Federal, público e gratuito realiza aula inaugural Plenário da aula inagural de Gestão Ambiental
Na noite do dia 07.02,2011, foi realizada, no Instituto Federal do Norte de Minas, a aula inaugural do curso superior de tecnologia em gestão ambiental, o primeiro do IFNMG, campus Araçuaí. Participaram do evento histórico lideranças políticas, religiosas e civis do município.

A aula inaugural teve início com uma apresentação cultural dos índios Cinta Vermelha Jundiba, acompanhada com bastante atenção pelos presentes. Em seguida foi formada a mesa de honra com representantes do instituto, lideranças políticas e religiosas.

Na oportunidade eles discursaram sobre a importância deste dia histórico que marcou o início da implantação de cursos superiores no IF campus Araçuaí. O reitor substituto o do instituto federal do norte de minas professor Kléber Carvalho dos Santos afirmou que a excelência na formação vai ser buscada a todo momento.
Deputado federal Leonardo Monteiro - PT-MG (segundo da direita para esquerda).
O Deputado federal Leonardo Monteiro também fez uso da palavra durante o evento. Em seu discurso ele realizou um breve relato sobre o árdo processo de implantação do instituto aqui em Araçuaí e prometeu recursos para a pavimentação da via municipal que dá acesso ao campus.

Maria do Carmo da Silva, a Cacá, ex-prefeita de Araçuaí, representante do Ministério da Igualdade Racial, discorreu sobre as potencialidades do Vale e a necessidade de mudança da mentalidade do povo que vive aqui no sentido de mostrar para todo o país que o Jequitinhonha não é o vale da miséria e sim o vale da esperança e da certeza de dias melhores.

Durante o evento, os alunos aprovados no vestibular para o curso superior de gestão ambiental receberam as boas vindas e tiveram palestras sobre motivação e estrutura do curso, que será ministrado no período noturno, com duração de 3 anos e vestibular anual com quarenta vagas.

A implantação de cursos federais de nível superior vem preencher uma grande lacuna no Vale. A a maioria dos estudantes tinha que ir para os grandes centros em busca de formação. Agora, abre-se uma nova oportunidade. Os estudantes estão bastante animados com o início das aulas.

O curso superior de tecnologia em gestão ambiental do campus Araçuaí foi o segundo mais procurado do Instituto Federal do Norte de Minas que engloba mais seis campus.

Fonte: TV ARAÇUAÍ, com o repórter André Sá

Minha pequena elite agridoce

Minha pequena elite agridoce
Autor: Saul Moreira, Micuim.org

Lembro-me de quando ouvi a palavra pela primeira vez. Melhor: quando a aprendi. Melhor ainda: apreendi. Foi no meio de um pequeno tumulto em frente a “A Baiúca”. Ousado líder estudantil, depois de invadir o Acayaca, onde pronunciara discurso desaforado contra o que ele chamara de “elite diamantinense”, contava acalorado o que teria dito.

Condenara veementemente a não participação de alunos da Escola Normal Oficial em evento sobre educação, que se realizava naquele clube. Na segunda série do que se chamava ginásio (não confundir com o Ginásio, escola particular dos padres), eu freqüentava com gosto aquele colégio (não confundir com o Colégio das irmãs), depois de aprovado no angustiante Exame de Admissão. Daí, no meio daquele zunzunzum, acho que me senti, também pela primeira vez, um tanto discriminado, “enquanto” (epa!) aluno de escola pública.

Fiquei encantado. Nunca prestara atenção à palavra “elite”, embora já estivesse começando a perceber, com esquisito incômodo, que fazia parte da diamantinense da época. Entusiasmado com a palavra e com a situação, estava pronto para também invadir o clube, no peito e na raça, se fosse preciso. Logo eu, imagina!, que lá podia entrar quando quisesse, e com aquele físico que inspirara o Dr. Pina a tratar-me por Meio-Quilo.

Ah, também não havia escutado ainda a expressão “inocente útil” – e ali, aos doze anos, representava agitadamente tal papel. Bom, mas como era de se esperar, logo logo tudo se acalmou, fui comprar um picolé de groselha no Bazar Suez, e a “invasão” ficou para as calendas gregas, como se dizia na época. Restou-me na cabeça a palavra teimosa: elite, elite, elite… Sinônimo de escol, soube mais tarde.

Comecei a desconfiar que havia mesmo coisas estranhas nas relações sociais do dia-a-dia da molecada. Por mais amigos, por mais que, meninos, fôssemos física, mental e religiosamente quase indistinguíveis, mesmo na escola havia os “mais iguais”. Fora da escola, então, era ainda mais patente a “igualdade” de alguns.

Tido, com razão, como um povo civilizado à beça, o diamantinense em geral sempre foi atencioso com todo mundo; mas receber “uns e outros” em sua própria casa, p. ex., eram outros quinhentos. As filhas namorarem “qualquer um”? Nem pensar. Aprendíamos todos juntos, com o Anatólio e a Luzia, a nadar na Praça de Esportes, mas freqüentar o Acayaca, só os mais brancos, e desde que civis. A ASSEDI surgiu depois, democratizando, pelo menos um pouco, bailes e horas-dançantes.

Se havia preconceitos? Em algumas situações e determinados lugares imagino que não (acudam com algum exemplo, por favor). Além de que havia sempre os negros de “alma branca”, os “escovados”; os pobres “limpinhos” – esses, sim, eram tratados quase como semelhantes. Atritos raciais? Não, até porque os negros reconheciam o “lugar deles”… Portanto, tudo andava nos “devidos lugares”.

Na verdade, acho até que havia, sociogeograficamente, pelo menos duas Diamantinas. Uma que ia mais ou menos do Grupo Júlia até um pouco depois do Matta Machado, numa faixa que englobava da Rua Direita até a do Rosário, ou até a Cavalhada, considerando-se aí margem de erro de uma rua ou duas. A outra, a que talvez se chamaria hoje de entorno. Onde morava a elite branca de então? Adivinha. Algumas exceções? Claro, para confirmarem a regra.

A Diamantina de minha infância, visitada sempre na adolescência, era uma alegria só, sim, mas não pra todos, sequer para a maioria. Apesar de tudo, trago sempre uma saudade grande e doce, embora um pouco acre. E a quase certeza de que hoje só os encantos prevalecem, exorcizados, pelo tempo e pela conscientização, aqueles desencantos. Comemoro com uma Skol (epa, de novo?!)

Publicado no Passadiço Virtual, por Fernando Gripp, de Diamantina