domingo, 30 de agosto de 2009


Flor de Santa Rita
Rudá Ricci
Comprei, ontem, dois buquês de Flores de Santa Rita. São flores miúdas, feitas à mão, no Vale do Jequtinhonha. As mulheres rurais de lá utlizam retalhos e galhos secos e enfeitam suas casas com estes buquês multicoloridos para celebrarem e agradecerem Santa Rita, no período de plantio (originalmente, plantio de arroz).
Um diálogo místico com Santo Antônio, o santo da colheita.
Junto com os buquês vem uma oração que as mulheres artesãs entoam:
"Sob o peso e nas angústias da dor, recorro a vós a quem todos chamam a Santa dos impossíveis, esperando vosso pronto socorro. Livrai-me pobre coração das angústias que por toda parte o oprimem; e restitui a calma a este espírito que geme sob o peso das atribulações. Já que são inúteis todos os meios para trazer-me alívio, ponho toda a minha confiança em vós, que fostes escolhidos por Deus como advogado nos casos desesperados. Ó admirável esposa do Crucificado, intercedei agora e sempre pelas minhas necessidades".
sta oração merece um estudo.
Mais existencialista e psicanalítico que isto vai ser difícil achar no meio rural. Talvez em cordéis ou antigas músicas caipiras.
É forte como uma cachaça de cana verde. Merece um estudo.
Rudá Ricci é sociólogo, cientista político. Doutor em Ciências Sociais
Fonte: rudaricci.blogspot.com
Presos se ocupam em produção artesanal e prestação de serviços
Araçuaí - Vale do Jequitinhonha
Os presos do Presídio Doutor Carlos Vitoriano, em Araçuaí, no nordeste de Minas, têm ocupado seu tempo de forma produtiva. Eles se envolvem em atividades de artesanato e na pestação de serviços.
Um curso ministrado pelo SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, em parceria com o Sindicato dos Produtores Rurais e a Secretaria de Estado da Defesa Social, no período de 17 a 20 de agosto, levou 12 detentos em regime fechado a confeccionar chapéus, vasos para flores, jogos americanos, porta-retratos e abajours. Eles utilizam fibras de bananeira e de taboa como matéria-prima.
O grupo descobriu o potencial dessas duas plantas para o artesanato depois de frequentar o Curso de Artesanato de Fibras Naturais.
Qualificação e ressocialização
De acordo com o diretor-geral do presídio, Valdeci Ribeiro da Silva, o objetivo é oferecer ao preso uma qualificação que possa ajudá-lo em seu processo de ressocialização.
A intenção é fazer uma exposição itinerante para expor os produtos na Prefeitura, Fórum e na Superintendência Regional de Ensino da cidade.
As cadeiras serão destinadas ao uso na própria unidade, substituindo as antigas.“Primeiramente, os produtos serão apenas expostos ao público, como uma espécie de degustação. A partir do resultado é que pensaremos numa produção destinada à venda,” explica Valdeci.
Com duração de 40 horas, o curso foi ministrado pelo instrutor João Batista de Souza Porto, do Senar, em um espaço próximo à plantação de hortaliças do presídio. Ali, os detentos aprendem a fazer vários tipos de artesanato usando as folhas da taboa e da bananeira. Eles tecem as fibras utilizando técnicas de trançagem e de “tecido xadrez”. Fazem também acentos e encostos para cadeiras.
A taboa (Typha domingensis) é uma planta hidrófita (aquática) típica de brejos, manguezais, várzeas e demais espelhos d' água. Mede cerca de dois metros e, na época de reprodução, apresenta espigas na cor café contendo milhões de sementes que se espalham pelo vento. Sua fibra é durável, resistente e pode ser usada como matéria-prima para papel, cartões, pastas, envelopes, cestas, bolsas e outros itens de artesanato.
Outras atividades
Dentro do PDCV também são desenvolvidos pelos detentos outros tipos de trabalhos, como os artesanatos em crochê que dão formas a bolsas, toalhas, bonés e chapéus ou como as tarrafas, espécie de rede para pesca. A arrecadação com a venda dos objetos é repassada às famílias dos detentos.
Além da atividade artesanal, os presos cuidam do cultivo da horta, onde plantam salsinha, cebolinha, coentro, alface, mostarda, rúcula, couve e pimentão.
Esses alimentos são doados para projetos de ações sociais do Vale do Jequitinhonha, Hospital São Vicente de Paula e vendidos para os próprios servidores do presídio e supermercados da região.
Serviços
A faxina do presídio também é feita com a ajuda dos detentos, que trabalham também na lavanderia da unidade.
Todas as atividades exercidas pelos presos, dentro ou fora da unidade – há um grupo que trabalha na limpeza geral do Hospital São Vicente de Paula e também na sede local da Copasa - contribuem para a remissão da pena, ou seja, para cada três dias trabalhados, é contabilizado um a menos de detenção.
As parcerias estabelecidas permitem que, por ano, quatro cursos profissionalizantes sejam oferecidos aos detentos que cumprem pena no Presídio, incluindo o de Olericultura Básica e dois de Artesanato (pinturas em tecidos).
O bom comportamento serve como critério de avaliação para a participação de cada interno.
Fonte: Com informações do site farolcomunitario

Mulheres, seus direitos e a felicidade

As mulheres do Vale vêm conquistando direitos.
Elas têm sido felizes?
Alguns encontros têm sido realizados para debater os direitos a que as mulheres têm em uma sociedade machista como a do Vale do Jequitinhonha e do Mucuri. Há uma constatação geral que a política do coronelismo implantada aqui contribuiu muito para construir a idéia que só o homem tinha direito de viver com dignidade.
No miolo do Vale, no Médio Jequitinhonha, onde há a migração temporária de trabalhadores rurais para se empregarem no corte de cana e colheita do café, a situação é ainda mais dramática. A mulher vive o drama de depender do pai/provedor que vai buscar recursos para o sustento da família e a angústia de perder seu companheiro/marido. Seja por acidente de trabalho, doença ou mesmo para outra mulher.
Por outro lado, elas vivem situações de assumir tarefas de casa e da roça, dando-lhe mais poder e autonomia. Além disso, cumprem o papel de pai e mãe. Às vezes, por 15 anos seguidos.
Nas cidades e nos campos dá pra sentir que as mulheres estudam muito mais que os homens.

Elas já ocupam a maioria dos cargos públicos e de profissionais liberais como professoras, médicas, odontólogas, advogadas, psicólogas e diretoras de escolas. Como comerciantes, donas do seu próprio negócio, vêm ocupando seus espaços. A atividade artesanal é um campo majoritariamente das mulheres.
Esta independência econômica e financeira vem possibilitando às mulheres decidirem o seu próprio caminho, realizar muitos dos seus desejos e sonhos.

No relacionamento afetivo o homem tem dificuldade em fazer amizades com as mulheres. Na maioria dos municípios há uma desconfiança destes relacionamentos, com a suspeita que ali deve haver algum interesse de relações sexuais. Mulher casada amiga de homem, então, nem pensar. Deve estar chifrando o marido.

Vê-se o machismo imperando em todos os cantos e lugares.
Nos esportes, não se pensa em modalidades como vôlei e handbol onde elas possam se destacar. O domínio do futebol, masculino, é quase total.
Na política, poucas mulheres conseguiram se eleger a cargos públicos como prefeita, por seus próprios méritos, como Telma, em Minas Novas (2001-2004), Cacá , em Araçuaí (1997-2004), Nana, em Itaobim (1997-2000); em Rubelita, Dona Vina (1997-2.004) e Alípia(2005-2008). Agora, em 25 de julho, Irone Bento foi eleita, em Mata Verde, em eleições extemporâneas. Outras prefeitas como Vânia, em Coronel Murta (1997-2000) e Sônia, em Medina (1997-2000) se elegeram muito mais devido ao prestígio dos seus maridos, que não podiam concorrer.

Há uma ou nenhuma vereadora na maioria dos municípios da região.
A organização familiar e o controle da vida das mulheres ainda depende muito dos homens. E pior, de forma autoritária, como se isso fosse normal, natural. Muitos direitos da mulher ainda são desrespeitados. E a mulher, conformada, se cala. A sociedade machista, covardemente consente.

A mulher luta para ser feliz: como mulher, como mãe, como profissional e como cidadã. Não tem sido nada fácil. a maioria dos homens resistem a mudanças de comportamento. E o pior, muitas mulheres também.
É preciso que os homens sensíveis e mulheres ativas se dispam dos valores desumanos impostos durante muito tempo para conseguirem se realizar plenamente como homem e como mulher, e muito felizes.
“Como é miúda e quase sem brilho a vida do povo que mora no Vale”.

Que esta realidade cantada por Milton Nascimento possa se transformar. Depende de cada um/cada uma e de todos/todas nós.

Prefeita de Teófilo Otoni reúne lideranças de mulheres

Mulheres se reúnem para discutir políticas públicas
Elas falaram sobre a importância da mulher e o papel desempenhado por todas na sociedade
A Prefeita de Teófilo Otoni, Maria José Haueisen, recebeu em seu gabinete na última quarta-feira, 26/08, 40 mulheres representantes de diversas esferas da sociedade. Empresárias, gestoras de saúde, presidentes de sindicatos, partidos políticos, diretoras, entre outros, puderam conversar e compartilhar idéias durante um animado almoço.
Mulher em cargos de destaque
A diretora da Escola Santo Agostinho, Iracema das Graças, afirmou sentir-se honrada com o convite para o almoço. “Há muito tempo eu esperava uma iniciativa dessa, que é muito válida para todas nós. A mulher andava a margem da sociedade na política, e hoje vemos esse quadro se reverter com a Prefeita. Esse é o primeiro passo e devemos valorizá-lo, ajudando-nos a pensar e avaliar melhor o nosso papel na sociedade”, afirmou Iracema.
“Estamos aqui, todas nós, buscando sempre o melhor para o nosso município e acredito que chegou a hora de sermos devidamente aproveitadas por todos naquilo que podemos oferecer de melhor”, finalizou.
A agente de trânsito e transporte, Romilda Braun, falou que as mulheres podem cobrar e impor os seus direitos e os seus deveres. “Hoje em dia a sociedade já aceita com mais facilidade mulheres ocupando cargos até então ocupados principalmente por homens”, constatou.
Uma das organizadoras do almoço, a Secretária de Administração Liliane Menezes, explicou que esse é um governo muito participativo e que existe a preocupação de valorizar as mulheres e discutir políticas públicas em prol do desenvolvimento da cidade.
“Nós trabalhamos em benefício da coletividade e queremos trabalhar as políticas públicas para as mulheres, já que essas lideranças são importantes para a sociedade de uma forma geral. Esperamos que esses almoços sejam realizados mais vezes, estendendo para os bairros e para as associações e despertando nas mulheres a necessidade de criarem e avaliarem as políticas públicas”, explicou Liliane.
Eliane Moreira Aguilar é gestora do Hospital São Vicente de Paula e ressaltou a importância de encontros como esse.
Participação atuante da mulher
“Esse é um passo muito importante da atual administração convidando mulheres integrantes da sociedade, que participam ativamente da construção do município. Elas vão trabalhar como multiplicadoras das políticas públicas, contribuindo de forma significativa na melhoria da qualidade de vida de todos que a cercam”, finalizou.
A vereadora Fátima Dantas, única mulher na Câmara Municipal, afirmou que as mulheres são atuantes, que devem participar do debate social e contribuir no desenvolvimento de Teófilo Otoni.

Copasa lucra 18% e ainda quer aumento de tarifa

Lucro da Copasa cresce 18% no semestre
E ainda quer aumento de 9% na tarifa
A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - Copasa encerrou o primeiro semestre do ano com lucro líquido de R$ 241 milhões, 18,7% superior aos R$ 203 milhões registrados em igual período de 2008.
A receita líquida de janeiro a junho somou R$ 1,07 bilhão, crescimento de 9,9% na comparação com os seis primeiros meses do ano passado.

No trimestre a alta em relação ao segundo trimestre do ano passado foi de 5,21%, para R$ 538 milhões."Como não reajustamos as nossas tarifas, esse aumento da receita pode ser explicado pela elevação no número das ligações de água e de esgoto que realizamos no período", diz Ricardo Augusto Simões Campos, Diretor Financeiro e de Relações com Investidores (RI) da Copasa.
A população beneficiada com os serviços de abastecimento de água da Copasa aumentou em 336 mil pessoas entre junho de 2008 e junho de 2009, chegando a 12,6 milhões de pessoas.
Em relação aos municípios atendidos com serviços de água da companhia, o número passou de 598 para 602 no final do segundo trimestre.

Já o número de ligações alcançou o patamar de 3,3 milhões, um acréscimo de 82 mil ligações (2,5%). Gazeta Mercantil, 11 de agosto de 2009.
Mesmo com este lucro a Copasa pensa em aumentar as tarifas em 9%, no mês de setembro. Este é o anúncio dos seus diretores, divulgado por vários jornais.
Nós, consumidores, vamos aceitar isto passivamente?
O que poderemos fazer?
Denunciar este abuso de poder e exploração dos cidadãos mineiros;
Acionar os serviços de direito do consumidor;

Pressionar o Governo Aécio Neves e sua base de apoio: senadores, deputados, prefeitos, vereadores, líderes políticos de todas as matizes.
Em plena campanha presidencial este aumento vai cair como uma bomba no colo da sua popularidade, explodindo com seu choque de gestão, sua principal bandeira.

Sete anos atrás, a Copasa era uma empresa pública deficitária, e hoje se apresenta como a maior empresa do país em 2009, que obteve maior lucratividade.
Nós, consumidores, sabemos que nossos bolsos são a fonte do dinheiro líquido deste sucesso.

sábado, 29 de agosto de 2009


Sapato 36
Raul Seixas

Eu calço é 37
Meu pai me dá 36
Dói, mas no dia seguinte
Aperto meu pé outra vez
Eu aperto meu pé outra vez
Pai, eu já tô crescidinho
Pague prá ver, que eu aposto
Vou escolher meu sapato
E andar do jeito que eu gosto
E andar do jeito que eu gosto

Por que cargas d'águas
Você acha que tem o direito
De afogar tudo aquilo
Que eu sinto em meu peito

Você só vai ter o respeito que quer
Na realidade
No dia em que você souber respeitar
A minha vontade
Meu pai,
Meu pai.

Pai, já tô indo-me embora
Quero partir sem brigar
Pois eu já escolhi meu sapato
Que não vai mais me apertar (êêêê)
Que não vai mais me apertar(aaaa)
Que não vai mais me apertar (êêêê)

Esta música de Raul Seixas foi composta contra a ditadura militar e todo tipo de autoritarismo, embora muita gente acredite que o Raul fez para o seu pai. Não tem nada a ver. Raul e seu pai se davam muito bem.

Anistia Ampla, Geral e Irrestrita


O deputado André Quintão PT/MG abriu nesta quinta-feira, (27), o Ciclo de Debates “30 anos de luta pela Anistia Política no Brasil”, na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, lembrando a história de luta pela Lei da Anistia, promulgada a 28 de agosto de 1979.
Durante a solenidade, o presidente da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, Paulo Abrão Pires Júnior, disse que a anistia só estará completa com a revisão dos erros de interpretação, uma vez que também foram anistiados os torturadores. Segundo ele, a comissão defende a abertura dos documentos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica e que o Estado brasileiro faça um pedido público de desculpas pela repressão na ditadura.
André destacou a importância de se lembrar o passado para não repetir erros e construir uma Nação sobre pilares democráticos e de respeito aos direitos humanos.
O Ciclo de debates, que a Assembléia realiza em parceria com o governo do Estado, Prefeitura de Belo Horizonte e movimentos sociais organizados. teve, nesta sexta-feira, dois grandes painéis sobre “A questão dos mortos e desaparecidos ontem e hoje – a permanência da tortura enquanto Instituição”e a “Justiça de Transição e Direito à Verdade, à História e à Memória: a punição dos Crimes de Tortura”. Do blog do meu amigo Luis Carlos Gusmão.
Quando eu conto para jovens histórias da ditadura militar, de proibição de reuniões, de manifestação, de perseguição a quem pensasse diferente do governo militar, que aconteceu muita tortura, morte e exílio de líderanças políticas, sindicais, estudantis e religiosas, eles ficam incrédulos, não acreditando que isso tenha acontecido no Brasil.
Vivi estes anos de chumbo, entre 70 e 81, como estudante e militante sindical dos bancários, em BH. Naqueles anos cresceu em mim a convicação que devemos sempre lutar pelos direitos humanos e pela plena democracia.
Quando a lei da anistia foi aprovada fomos pras ruas cantando e chorando de emoção. Músicas como "O Bêbado e o equilibrista", de João Bosco e Aldir Blanc, na voz de Elis Regina, virou nosso hino.
Fomos conhecer de perto os mártires da luta política, social e cultural que voltavam do exílio como Betinho, o irmão do Henfil, Apolo Lisboa (médico de Salinas), Miguel Arraes, Leonel Brizola, e muitos outros.
Aqueles que aqui ficaram e viviam na clandestinidade também vinham contar suas experiências e lutas pelas liberdades democráticas.
As novas gerações devem conhecer melhor o passado, debater a situação presente, garantir e ampliar direitos conquistados, para que o futuro seja sempre melhor para todos e todas.
E não volte os tristes tempos da ditadura.
Promotoria e Polícia Ambiental proíbem exploração de areia fina
Almenara - Vale do Jequitinhonha
Foto: Audiência Pública sobre areia na praia de Almenara
O Comandante do 4º Pelotão Especial de Meio Ambiente, Tenente Rubens Balbino e o Promotor de Justiça da Comarca de Almenara, Dr. Bruno César Jardine, promoveram, nesta quinta feira, (27), uma palestra sobre a extração de areia no município de Almenara. Esta palestra foi fundamental para iniciar o processo de recuperação da praia de Almenara, Baixo Jequitinhonha, no nordeste de Minas. Esta questão é de preocupação geral da população interessada na preservação daquela que um dia foi orgulho regional: a praia de Almenara, às margens do rio Jequitinhonha.
É pratica comum no município utilizar areia da praia na construção civil. Como a areia é muito fina, o acabamento da argamassa para reboco das paredes fica consideravelmente melhor do que a terra preta.
Canteiro de obras
O município de Almenara vive um momento favorável na construção civil, seja no asfaltamento de estradas do Programa Pro Acesso, ou na melhoria do saneamento. Até mesmo na construção IFET (antigo Cefet), a areia fina e a cascalho lavado estão em alta.
Para atender toda essa demanda caçambas e tratores exploravam sem cerimônia o recurso em areias públicas e, no caso, da praia de Almenara - Área de Proteção Ambiental.
Vereador confessa crime ambiental
O ex-vereador Jose Carlos, “Zé Carlos da Caçamba” , um dos presentes na palestra, revelou que somente ele retirou mais de duas mil caçambas de areia fina da praia. Segundo ele, os destinos foram para as obras públicas citadas anteriormente e construções particulares da cidade. Ele acredita que mais de cinqüenta mil metros cúbico de areia fina já foram retirados somente da praia de Almenara.
O Ministério Público finalizou a palestra informando o que realmente interessava a natureza. Ficou decidido que a partir do dia 28 de agosto de 2009 estão proibidas as extrações de areia fina e ou lavada da praia do Rio Jequitinhonha e no córrego do São Francisco por máquinas, tratores e ou caminhões”.
Prazo para adaptação
O Promotor deu um prazo 240 dias para os carroceiros se organizarem como associação para em seguida providenciar a licença ambiental necessária para explorar em outra área a areia para a construção civil. Segundo a Policia de Meio Ambiente a exploração da areia por parte dos carroceiros tem um impacto bem menor e reversível nas periódicas enchentes do rio Jequitinhonha.
O fechamento da palestra ficou por conta do Sargento Nogueira. Ele lembrou que a multa para o crime ambiental de extração irregular da areia é de R$10.001,00 ( Dez mil e um reais). Segundo ele, a população pode ajudar na preservação da praia através da denúncia pelo 190.
INDI faz diagnóstico das potencialidades da região do Mucuri e Jequitinhonha
Cinco diretores do INDI - Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais estão em Teófilo Otoni com uma missão especial: a ZPE. Athos Avelino, representando o Secretário de Desenvolvimento Econômico, Dr. Sérgio Barroso, explicou que sua equipe de diretores realiza um trabalho dirigido para a Zona de Processamento e Exportação de Teófilo Otoni. “Desde que o Presidente Lula assinou o decreto de regulamentação do funcionamento das ZPE’s do país a ZPE de Teófilo Otoni passou a ser prioridade para o Governo de Minas Gerais”, ressaltou Athos.Ele explicou que a equipe foi encarregada de elaborar um plano estratégico para a área de influência da ZPE de Teófilo Otoni.
“Esse plano tem algumas vertentes principais, mas num primeiro momento é um diagnóstico situacional. Nós trouxemos alguns questionários de pesquisa para colhermos dados para um diagnóstico demográfico, social, político e cultural da cidade, mas também com relação aos pontos de estrangulamento relativos, por exemplo, ao escoamento dos produtos que serão processados pela ZPE, a necessidades de investimento com relação a questão viária, rodovias, etc”.

Foto: Diretores do Indi e a prefeita Maria José
Plano Estratégico>desenvolvimento regional
Esse estudo, chamado de Plano Estratégico para Área de Influência da ZPE de Teófilo Otoni, é conduzido pela diretoria do INDI por determinação do Secretário de Desenvolvimento Econômico, Dr. Sérgio Barroso.
“O Governo do Estado fará tudo que estiver ao seu alcance para que a ZPE se transforme e seja realmente um instrumento, uma alavanca para o desenvolvimento regional do Mucuri e Jequitinhonha”, frisou o diretor.Athos explicou que existem pleitos de algumas cidades solicitando uma ZPE para a região, mas que isso não trará prejuízo para as demais. “A ZPE número um de Minas Gerais é a ZPE de Teófilo Otoni por questões históricas: já está mais adiantada do que todas as outras de Minas e do país e também porque deve funcionar como um instrumento de redução das desigualdades regionais, funcionando como um catalisador do desenvolvimento econômico”.
Para o Secretário Municipal de Indústria, Comércio e Turismo, Sérgio Abdulah, ressaltou que o projeto é importante porque fará um diagnóstico preciso das condições demográficas, econômicas, sociais, políticas culturais e logísticas e apontará as aspirações legítimas da comunidade local e os investimentos que serão necessários para a infra-estrutura do escoamento e exportação dos produtos.
“Eles vão avaliar nossa economia como um todo, de todos os municípios do Vale do Mucuri e Jequitinhonha, o potencial mineral, agropecuário e fazer essa radiografia da potencialidade sócio econômica da cidade, da região para que seja um vetor de desenvolvimento a partir da ZPE”, explicou Abdulah.

FENICS: riquezas turísticas de Irapé são divulgadas

FENICS divulga as riquezas do Circuito Turístico de Irapé
Berilo, Botumirim, Chapada do Norte, Cristália e Grão Mogol se destacam
A Associação Circuito Turístico Lago de Irapé participou da maior feira multilateral do interior de Minas e uma das maiores do estado, a FENICS - Feira Nacional da Indústria, Comércio e Serviços, do dia 05 a 09 de Agosto, em Montes Claros, no norte de Minas.
O evento reuniu cerca de 60 mil visitantes, onde foram apresentadas as belezas naturais e histórico-culturais das 05 cidades mais belas do Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha que fazem parte do Circuito Turístico Irapé: Berilo, Botumirim, Chapada do Norte, Cristália e Grão Mogol.
Durante a exposição o stand do Circuito esteve lotado de visitantes interessados em conhecer as trilhas, cachoeiras, rios, montanhas, arquitetura colonial, grupos de cultura popular, artesanato, o carnaval e o Lago de Irapé, formado a partir da Usina Hidrelétrica de Irapé. A barragem é considerada a mais alta do país a a segunda da América Latina.
Atrações turísticas
Para a presidente da Associação e turismóloga de Grão Mogol, Diná Costa, os atrativos dos municípios são considerados uma boa alternativa para passeios em trilhas, balsas, prática de esportes radicais, pesca, apreciação da paisagem e contatos com culturas diferentes. “Os nortes mineiros gastam 90 % do seu tempo viajando a lazer para cidades de outros Estados como a Bahia e se esquecem que em sua própria região estão ao lado de cidades belíssimas capazes de lhes proporcionar momentos inesquecíveis de descanso e diversão”, destaca Diná, ao relacionar esse fato com as cidades do Circuito Turístico Lago de Irapé.
Foto: Mizael, artesão de Grão Mogol, Diná, Presidente do Circuito e Turismóloga de Grão Mogol e Renata, turismóloga de Cristália.

Poesia erótica de Marlene dos Santos




***
Pravocê
Aaaaaiiiiiiiii
que
amor
gostosoooooooooo!

Me
amaaaaa.

Me
amaaaaaaaaa.

Maissssss,
Maissss,
Mais.
Mais.
Maaaaaaaaiiiiiiiissssssssss...............

Este poema é da Marlene dos Santos, paulista de Cravinhos-SP. Poetisa de textos curtos e diretos. "Mistura de uma poesia moderna, sintática, econômica, com romantismo, modernismo, hai kais. Erótica, sensual, acachapante", assim fala dela o escritor Ignácio Loyola Brandão. Este poema é do livro Pessoas, da Editora Pau Brasil, 1984.SP.
Feira de Pedras Preciosas é a maior da América Latina Movimento atrai estrangeiros, pedristas e garimpeiros do Jequitinhonha e Mucuri
Teófilo Otoni - nordeste de Minas
Uma mistura de costumes, culturas e sotaques diferentes. Preços, cores e formas.
A feira de pedras preciosas em Teófilo Otoni, no vale do Mucuri, nordeste de Minas, movimenta a cidade e atrai compradores de vários paises.
A arte e a beleza natural das gemas impressionam quem visita o local.Uma mistura de costumes, culturas e sotaques diferentes; mas as preciosidades fazem todos falarem a mesma língua. É o vocabulário do comprar e vender.
A Feira Internacional de Pedras Preciosas é a maior da América do Sul. De Águas Marinhas ao Citrino Conhaque, são 19 anos expondo a beleza destas raridades.
As gemas são extraídas do subsolo em uma ampla área da província gemológica que se estende pelo Vale do Jequitinhonha, leste de Minas Gerais, oeste do Espírito Santo e sul da Bahia. No estado natural, as pedras são levadas para Teófilo Otoni, cidade considerada pólo de lapidação e comércio destas preciosidades.
Prefeitura apoia FIPP 2009 - A 19ª edição da Feira Internacional de Pedras Preciosas – FIPP 2009 – e 21ª Feira Livre de Pedras Preciosas foi aberta oficialmente na manhã da última terça-feira (25) e vai até sábado, dia 29, no Palmeiras Country Clube. Contou com a presença da Prefeita de Teófilo Otoni, Maria José Haueisen, dos presidentes Eduardo Cardoso (Accompedras) e Edmilson Pereira (Gea), secretários municipais, autoridades estaduais, diretores do INDI, vereadores e centenas de expositores e compradores.
A feira é destaque nos cenários nacional e internacional do setor gemológico como o evento mais significativo do Cone Sul das Américas devido à grande variedade de gemas e jóias em exposição com 220 expositores.
O Presidente da GEA (Gems Exporters Association), Edmilson Pereira, explicou que esse evento é o principal do setor e é o responsável não apenas pela geração de negócios como também a contratação de serviços e vendas que nos próximos 12 meses acionarão o comércio das gemas em Teófilo Otoni e região.
Grandes negócios
“Nós temos confirmados 80 clientes estrangeiros. Não foi possível quantificar o público nacional, mas todos os hotéis e pousadas já estão lotados. O evento gera os negócios, fomenta a busca pelos produtos”, explicou Edmilson.
Carlos Barroso, da Cosmos Pedras Preciosas, expõe seus produtos pela sexta vez na FIPP. “Gostaria de contar com todos os clientes não apenas do Brasil como também do exterior. A expectativa é muito grande, nós estamos aqui apoiando a feira e nunca deixaremos de apóia-la”. Ele trabalha com quartzo com inclusões naturais da região e de outros estados brasileiros. Expõe na feira 200 mil quilates de pedras e, caso venda 20% desse total, considera o resultado satisfatório para a empresa.
Geração de emprego e renda
O Secretário de Indústria, Comércio e Turismo, Sérgio Abdulah, explicou que a FIPP tem um potencial de negócios muito interessante, uma vez que gera emprego e renda mesmo depois de terminada. “Teófilo Otoni é considerada a capital internacional das pedras preciosas, a primeira nacional do ramo de lapidação e a terceira internacional nesse ramo. Ao longo dos próximos seis meses os garimpos vão produzir para os compradores que estão nos visitando e conhecendo nossas gemas e pedras preciosas”, explicou Abdulah. Ele frisou ainda que a Prefeitura de Teófilo Otoni é uma realizadora juntamente com a Gea e Accompedras, apóia, dá todo o suporte para a realização porque sabe da importância da Feira para a economia local e da interação econômica de toda a sociedade.
Com informações da InterTV e Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Teófilo Otoni

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Ministério da Cultura prorroga prazo de inscrição ao Prêmio Culturas Populares
O Ministério da Cultura porrogou por mais 15 dias o prazo para inscrição ao Prêmio Culturas Populares 2009, neste ano em homenagem à artesã, mestra Dona Isabel, ceramista de Santana do Araçuaí, em Ponto dos Volantes, no Vale do Jequitinhonha.
Pena que esta decisão só chegou ao conhecimento público nesta sexta-feira, último dia para o envio da documentação ao Ministério da Cultura.
Muita gente já enviou sua inscrição e a documentação necessária. Poderia ter caprichado mais se mais tempo houvesse.
Veja na íntegra, o comunicado do Ministério:
ATO DO MINISTÉRIO DA CULTURA
SECRETARIA DA IDENTIDADE E DA DIVERSIDADE
CULTURAL
EDITAL SID/MINC Nº 010, DE 27 DE AGOSTO DE 2009
EDITAL DE DIVULGAÇÃO DO CONCURSO PÚBLICO
PREMIO CULTURAS POPULARES 2009
EDIÇÃO MESTRA DONA IZABEL – ARTESÃ CERAMISTA
DO VALE DO JEQUITINHONHA/MG
TEXTO
Secretário da Identidade e da Diversidade Cultural, no uso
de suas atribuições conferidas pela Portaria Ministerial nº 048, de 02
de outubro de 2007, publicada no DOU em 03 de outubro de 2007,
que cria o Programa das Culturas Populares, resolve:
Art. 1º- Divulgar a prorrogação do prazo limite de encaminhamento
das inscrições ao Concurso Público nº 005, de 15 de julho de 2009,
Prêmio Culturas Populares 2009 – Mestra Dona Izabel – Artesã
Ceramista do Vale do Jequitinhonha/MG, para 12 de setembro de 2009
.

RICARDO ANAIR BARBOSA DE LIMA
SECRETÁRIO DA IDENTIDADE E DA DIVERSIDADE

Bandas de música agitam noite de Virgem da Lapa

Bandas levam milhares de jovens a Virgem da Lapa
A tradicional festa religiosa de Virgem da Lapa, no mês de agosto, atraiu muitos fiéis. Porém, a grande massa se aglomerou na Baixinha, tradicional point da cidade.
Durante a noite grande parte dos visitantes, principalmente os jovens, se desloca para Virgem da Lapa, no nordeste de Minas, para participar dos shows. Este ano, várias bandas se revezaram em dois grandes palcos montados no centro da cidade. A vibração e o entusiasmo cresciam a cada apresentação que contou com bandas de axé, dupla sertaneja e forró.
A festa de Virgem da Lapa reuniu um público estimado em torno de dez mil pessoas.
Como de costume, o público de Araçuaí era um dos mais volumosos no meio da multidão. Virgolapenses ausentes e presentes e, também moradores de outras cidades da região aprovaram a festa.
Passaram pelos dois palcos durante quatro dias de festa, 13 bandas. Entre elas Axé Pop, Batuquerê, Dom e Juam, Chicletada e uma das mais aguardadas Oz Bambaz que se apresentaram no sábado.
Repórter André Sá, da TV ARAÇUAÍ

Povo do Vale se une na fé da Virgem da Lapa

Milhares de pessoas participam da romaria em Virgem da Lapa
A tradicional festa da padroeira da Diocese de Araçuaí foi realizada entre os dias 6 e 15 de agosto com uma programação bastante diversificada com novena, missas e shows.
Nesta época do ano a cidade de Virgem da Lapa, no nordeste de Minas, recebe milhares de romeiros que se unem em torno da fé. Romeiros de diversas cidades e comunidades rurais do Vale do Jequitinhonha protagonizam, todos os anos, uma manifestação de fé ímpar. A maioria dos romeiros vem agradecer, rogar e ouvir palavras que acalentam o coração.
Os virgolapenses se empenham em acolher a todos que vem em busca de Deus e, também, fazer a cada ano, uma festa melhor e mais organizada.Este ano, pela primeira vez, a programação musical contou com a presença de um show católico. No palco principal o Ministério de Música de Eros Biondini, da Canção Nova, além de muita música e alegria, levou o povo a reflexões.
Virgem da Lapa durante dias se transforma na capital regional da fé. Durante 9 dias que antecedem a festa, os fieis participam da novena e de missas, em preparação ao dia da padroeira,o ponto alto e a grande missa. Como de costume, uma multidão de fieis participou da celebração presidida por Dom Severino e concelebrada por Dom Enzo e diversos padres da diocese.
Repórter André Sá , da TV ARAÇUAÍ

Trovadores do Vale, resgate da cultura do Jequitinhonha

Trovadores do Vale: 39 anos de história de cultura popular
No último dia 9 de agosto, o Coral Trovadores do Vale completou 39 anos de fundação.
O coral foi um dos primeiros grupos do Jequitinhonha a pesquisar e valorizar a cultura e a música popular produzida na região.
O Coral Trovadores do Vale, fundado oficialmente em 09 de agosto de 1970, está prestes a completar quatro décadas de existência. Já são 39 anos de muita música, dança e religiosidade.
O coral cresceu, apareceu e ficou adulto. Ele é considerado um dos ícones da cultura popular do Vale do Jequitinhonha.
Miraci Pereira esteve com o fundador Frei Chico, desde o início da criação do grupo.Para Miraci o Trovadores do Vale ajudou a divulgar Araçuaí e o Vale em outras regiões do estado e do país.
Tião Roque é um dos músicos do coral que participa do grupo há 35 anos. Para ele os trovadores foi uma lição de vida. A artesã Lira Marques foi também uma das mais importantes pessoas que esteve a frente do trabalho, pesquisando, organizando, cantando e dançando.
O coral foi um dos precursores da valorização da cultura do Vale. O grupo foi responsável por catalogar e pesquisar uma grande quantidade de músicas de domínio público. Graças a este trabalho elas foram preservadas.
Quem não se lembra das músicas "Ainda bem não Cheguei", "Tropeiro",
"Beiramar novo", "Canoeiro", cantos de incelença, de batuques, de versos românticos...?!
O coral levou as músicas e as danças do Vale para várias regiões de Minas e do Brasil. Ajudou o povo a descobrir e valorizar as suas riquezas. O coral marcou o Vale, a cidade e a vida de inúmeras pessoas.
Fonte: TV ARAÇUAÍ

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Vale do Jequitinhonha disputa torneio de sinuca

Torneio de Sinuca reuniu os melhores de Almenara
Nos dias 08 e 09 de agosto, foi realizado no Bar do Léo, ao lado do Parque de Exposiçoes de Almenara, no Baixo Jequitinhonha, nordeste de Minas, a primeira Copa dos Campões de Sinuca. O evento contou com os melhores jogadores de sinuca de Almenara. São eles: Ronim " DMINAS", Clóvis Porto, Cristiano,"Cara de Onça", Glauber Garcêz, Zé Roberto "Cara Chata", Tioda, Carlinhos "Carrapicho".
O Bar do Léo é o local dos principais torneios de sinuca da região. Para garantir vaga na 1ª Copa de Sinuca o jogador deveria ter no mínimo um título municipal no sinucão.
O grande campeão desta Copa foi o imbatível "Ronim da D´Minas", conhecido também como o Homem de Gelo por sua frieza durante o evento. Ele disputou a final com o dono da melhor tacada da copa, Clóvis Porto.
A arbitragem ficou por conta do experiente Zolla.
Segundo Wanderlei Sena, organizador do evento, em breve acontecerá um torneio regional no Sesc Laces de Almenara. Os interessados podem entrar em contato para maiores informações no Bar do Léo, à Rua Candido Mares, 04 - Centro - Almenara-MG (ao lado do Parque de Exposições) - Fone: (33) 9912 - 4788
Fonte: Aurino Sousa Filho e Wanderlei Sena - www.diariodojequi.com.br

Razão e sensibilidade política

Razão e sensibilidade na política
Rudá Ricci
O fato da política nacional não respeitar a sensibilidade e percepção (ver nota abaixo) tem relação com o pensamento moderno. A modernidade excluiu a percepção como elemento da verdade. Pelo contrário, é a razão e a lógica que levariam à verdade. Assim, a percepção seria um convite ao erro, ao engano, ao melodrama. Os políticos brasileiros, sem mesmo ter tal grau de sofisticação intelectual, formam uma tribo cujo protocolo é justamente negar (ou driblar) a percepção e a sensibilidade humanas. Uma pobreza de espírito.
Rudá Ricci é Sociólogo, Mestre em Ciências Políticas e Doutor em Ciências Sociais. Diretor Geral do Instituto Cultiva e membro da Executiva Nacional do Fórum Brasil do Orçamento (www.forumfbo.org.br). Membro do Observatório Internacional da Democracia Participativa.
Fonte: rudaricci.blogspot.com
Pensando sobre a política nacional

Rudá Ricci

Fico pensando: os políticos institucionalizados (aqueles absolutamente integrados ao sistema partidário e subjugados à sua lógica interna, de conformação de lealdades) não devem buscar a verdade. Antes, criam certezas ou conclusões e depois formulam argumentos (ou saem à procura de alguma fundamentação) que sustentem as conclusões já definidas anteriormente. E, por este motivo, acabam destruindo a percepção. O discurso racional é sempre maior que a percepção, porque no mundo político, percepção e subjetividade é algo menor, sem grande credibilidade. O importante é a postura (ou impostura?), a fala racional, a explicação definitiva.
Rudá Ricci é sociólogo, cientista político, Diretor Geral do Instituto Cultiva e membro da Executiva Nacional do Fórum Brasil do Orçamento (www.forumfbo.org.br).
Fonte: http://rudaricci.blogspot.com/

Woodstock, 1969 - Senado brasileiro, 2009

Woodstock, Brasília: qual a semelhança? Capturado do blog do Rudá Ricci

Meninos de Araçuaí fazem abertura do Criança Esperança

Meninos de Araçuuaí fazem abertura do Criança Esperança
A Globo não registrou porque não teve seu apoio
Quando eu vi o Milton Nascimento na abertura do Criança Esperança, no sábado, à noite, saquei: aqueles meninos são de Araçuaí, são do Vale do Jequitinhonha. Conheço a nossa gente, nossas criações. Mas, por que a Globo não deu créditos, não registrou um grupo artístico de crianças do Vale? Quando o assunto é miséria, desnutrição, exploração sexual infanto-juvenil, seca, lá vem eles com suas catástofres maiores do que a realidade.
Provavelmente porque Meninos de Araçuaí ñão é um projeto da Rede Globo, nem de Xuxa. Se fosse, imagine o auê que TV Bobo faria?
Pois , os Meninos de Araçuaí se apresentaram com Milton Nascimento no palco do Criança Esperança, pela TV Globo. A apresentação oconteceu no sábado, dia 22 de agosto de 2.009. Que fique registrado.
Os Meninos de Araçuaí é um grupo de crianças que cantam, dançam e fazem teatro na cidade de Araçuaí, no Médio Jequitinhonha, nordeste de Minas, produto da parceria da Natura, do Grupo Ponto de Partida e do CPCD - Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento, onde tive o prazer de trabalhar, em 1990, com seu diretor Tião Rocha. Falarei deste trabalho em um post específico.
Música do Vale no mundo
Milton Nascimento e os Meninos de Araçuaí são parceiros desde o espetáculo Ser Minas tão Gerais (2002), que ficou quatro anos em cartaz, excursionando pelo Brasil e a França e sendo, inclusive, lançado em DVD. Quem é grande parceiro do cantor e dos Meninos de Araçuaí é o Grupo Ponto de Partida, da cidade de Barbacena, da zona da Mata, tendo na direção a psicóloga Regina Bertola.
O grupo, o Milton e os Meninos foram convidados pelo diretor Gabriel Vilella para fazer a abertura do programa da Rede Globo.
Atualmente, o Ponto de Partida e os Meninos de Araçuaí estão em cartaz com Pra Nhá Terra, e se apresentam no Rio de Janeiro, em outubro, no Centro Cultural Tom Jobim, celebrando uma parceria com a Natura.
Veja aqui o video no You Tube:
http://www.youtube.com/watch?v=N4pTCO8I1a0
Neste sábado, dia 29/08, à tarde, os Meninos de Araçuaí estarão coordenando uma Oficina "Teatro: Contação de histórias", na cidade de Jequitinhonha, na Conacreje, no Encontro de Comunicadoras (es) do Vale.
Estes meninos vão longe. Tem tudo para serem adultos que exercerão a plena cidadania e felizes.
Estarei lá, aprendendo com eles.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Jequitinhonha: turismo solidário quer desenvolvimento local

Vale do Jequitinhonha
Turismo Solidário valoriza cultura local e gera renda
Diamantina foi sede, nos dias 17 e 18 de agosto, do II Seminário Nacional Turismo de Inclusão, idealizado pelo Laboratório de Turismo e Artesanato do Centro Vocacional Tecnológico Chica da Silva (CVT), com o apoio, entre outros, do Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais – Idene.
A proposta do seminário foi debater e fomentar ações para o fortalecimento ordenado do processo turístico, aliado às peculiaridades mineiras da atividade, onde se encaixa o Programa Turismo Solidário.
A técnica Cleide Greco apresentou as diretrizes da implantação do programa, desenvolvido pelo sistema Sedvan/Idene, que tem o seu foco em ações turísticas como forma de inclusão.
Cleide contou que o projeto começou trabalhando a autoestima e a valorização da cultura nos municípios contemplados. Hoje, passados cinco anos, já são 64 famílias que disponibilizam suas casas como receptivo familiar aos turistas solidários.
“Os resultados já se refletem na organização das casas e das comunidades, já que todas as ações passam pelos grupos gestores que participam ativamente da tomada de decisões sobre as ações a serem implementadas”, disse.
Turismo de inclusão
O turismo de inclusão e seus desdobramentos foi o assunto de apresentações como a do mestre em Turismo, Carlos Eduardo da Silveira, doutorando em Gestão e Desenvolvimento, pela Universidade de Málaga, na Espanha, que falou sobre o “empoderamento” que as comunidades devem obter dos seus símbolos e patrimônio turístico.
Novos Olhares
A professora Mariana Lacerda, em uma palestra cheia de lirismo e poesia citou uma frase que resume o turismo hoje: “quanto mais diverso é o que nos forma, único é aquilo que somos”. Mariana destacou a necessidade de novos olhares sobre as cidades e paisagens e um contato maior entre o homem e o ambiente: “o olhar pode ser adestrado pelo conhecimento”.
O Vale é singular
Ela destacou a biodiversidade, a luminosidade da região, a arquitetura vegetal, o garimpo, a religiosidade, as belezas naturais e as expressões culturais, características que perfazem os roteiros de Minas.
A consultora do Sebrae, Maria Sónia de Pinho, mostrou um trabalho realizado junto às comunidades do Capivari, Mendanha, Bonfim e Alecrim, de agosto a dezembro de 2008, em que ela mapeou a gastronomia local, com suas quitandas, e seus fazeres peculiares, retratando o ambiente gastronômico no Vale do Jequitinhonha, com o objetivo criar cadernos de receitas com as guloseimas locais, ao final do projeto.
Segundo Maria Sônia, o projeto contemplou o ambiente, com destaque para os utensílios e mobiliário; receitas salgadas e doces; artesanato; cultura e as lendas. A consultora destacou a riqueza da atividade, que mostrou as características tão mineiras como os chás, ervas, “que ora benzem, ora temperam”, garrafadas, além da religiosidade e da fartura. Ao final do livro de receitas, como não poderia faltar, o leitor vai poder aprender “como se pega e como se mata um frango”. Um registro marcante da mineiridade.
Ao final do evento, o professor, José Newton Coelho de Menezes, falou sobre “Patrimônio Imaterial, Turismo e Desenvolvimento” e ressaltou e importância de “ criar uma conscientização problematizadora no turista, criando nele a vontade de voltar ao lugar visitado”. E deixou um questionamento: como preservar aquilo que nossa memória quer guardar?
Turismo como geração de renda
O II Seminário Turismo de Inclusão resssaltou a importância da preservação, da inclusão, do respeito aos fazeres e às culturas regionais. Uma excelente oportunidade para ampliar a discussão em torno de um tema cada vez mais abrangente: o turismo como forma de identidade coletiva, formador de cidadania e gerador de emprego e renda.
Turismo Solidário
O Turismo Solidário tem como principal objetivo incentivar o crescimento do fluxo de turismo na região do Vale do Jequitinhonha e Norte de Minas, contribuindo para o desenvolvimento das comunidades locais, que são capacitadas para receber os turistas em suas próprias casas.
Atualmente o programa está em 20 municípios e distritos do Vale do Jequitinhonha e Norte: Alecrim, Bonfim, Cachoeira do Norte, Cafezal, Campo Alegre, Campo Buriti/ Coqueiro Campo, Capivari, Chapada do Norte, Couto de Magalhães de Minas, Extrema, Gangorras, Grão Mogol, José Gonçalves de Minas, Mato Grosso/ Ribeirão, Mendanha, Milho Verde ( Serro), Santa Rita, São Gonçalo do Rio das Pedras, São Gonçalo do Rio Preto, São João da Chapada e Serro.
Fonte: Com informações da Agência Minas

Leite pela Vida: mais de 100 mil famílias beneficiadas

Jequitinhonha, Norte de Minas e Mucuri
Patrus garante Leite pela Vida por mais dois anos
R$ 94 milhões beneficia a mais de 100 mil famílias no norte, Jequitinhonha e Mucuri
O Programa Leite Fome Zero – Um Leite pela Vida está garantido por mais dois anos. O Ministro Patrus Ananias, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS vai garantir o repasse de R$ 94 milhões para a continuidade do convênio. A contrapartida do Estado é de R$ 33 milhões, ou seja, 26% do investimento total de R$ 127 milhões, para o período de agosto de 2009 a julho de 2011.
O convênio garante a distribuição do leite em 193 municípios do Norte e Nordeste de Minas. Atualmente, o Leite pela Vida distribui, gratuitamente, 151,5 mil litros de leite por dia para famílias que possuem crianças de seis meses a seis anos de idade, gestantes, nutrizes e idosos.
De acordo com Walter Adão, diretor geral do Idene, a continuidade do programa comprova que a metodologia estabelecida pelo Governo de Minas Gerais, priorizando a compra do leite de pequenos produtores, está aprovada. "Além de gerar emprego e renda, com a compra local do leite no segmento da agricultura familiar, contribuindo para o fortalecimento do pequeno produtor de leite, bem como de cooperativas e laticínios locais. O programa ainda colabora no sentido de diminuir a vulnerabilidade social, combatendo a fome", ressalta.
Combate à desnutrição
Além disso, com a ajuda do Programa Leite pela Vida, a desnutrição nas crianças de 0 a 6 anos vem diminuindo de maneira considerável.
Dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), mostram que o índice de desnutrição chegou a 4,62% em outubro de 2008, abaixo do índice de 5,8% estipulado pela Portaria 325 do Ministério da Saúde, em 2008.
Benefícios a 4 mil agricultores familiares
Outra novidade é que o Programa Leite pela Vida, iniciará a distribuição de sementes de sorgo para cerca de 4 mil agricultores familiares. A iniciativa é uma ação complementar do programa, para auxiliar na alimentação do gado leiteiro.
O diretor de programas e projetos do Idene, Carlos Fernando Amaral, explica que uma das grandes dificuldades do pequeno produtor de leite é a alimentação do gado no período de estiagem. "O capim fica inviável para alimentar o gado, mas o sorgo resiste à seca. Ou seja, com esse complemento estamos evitando que haja baixa na produção de leite e conseqüente desabastecimento, por falta de alimento para os animais".
Encontro em Malacacheta
A previsão para início da entrega das sementes é nesta quarta-feira, dia 26/08. A primeira entrega de sementes será feita em Malacacheta, no Vale do Mucuri, em evento que deverá reunir cerca de 100 pessoas, entre pequenos produtores e representantes dos laticínios da região. Segundo o diretor geral do Idene, Walter Adão, a realização do evento para marcar a distribuição das sementes é uma forma de garantir a transparência da ação e fortalecer a rede social que envolve o programa.
Cada produtor receberá 20 kg de semente de sorgo, para cultivo na próxima safra

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Comunicação tem debate no Jequitinhonha

Vale do Jequitinhonha realiza Encontro de Comunicadores
Os comunicadores e comunicadoras do Vale do Jequitinhonha marcaram um ponto de encontro: será na cidade de Jequitinhonha, entre Itaobim e Almenara, no nordeste de Minas. Nome do evento? Encontro de Comunicadoras (es) do Vale do Jequitinhonha. O evento tem o objetivo de formar a rede de comunicadores populares do Vale do Jequitinhonha, “além de ser um momento de formação para os participantes, com debate e colocações sobre o Direito a Comunicação e oficinas práticas”.
É um passo na integração de várias iniciativas já vivenciadas, valorizando os protagonistas da comunicação local e incentivando a divulgação de uma outra imagem do Vale e do Semiárido mineiro.

Programação
O evento terá início na sexta-feira, dia 28.08, às 13 h, indo até 13 h do dia 30.08, no domingo, na Conacreje, à R. Floriano Peixoto, 455 , Jequitinhonha.
O conteúdo do Encontro prevê o seguinte temário:
1 - a apresentação da Articulação no Semiárido e do seu trabalho com a comunicação popular;
2 - Diagnóstico participativo, com conquistas e desafios d@s participantes em suas práticas de comunicação;
3 - Devolução da pesquisa do mapeamento da mídia no Vale do Jequitinhonha, com Bruno Castro e o Prof. Márcio Simeone, Pólo Jequitinhonha, UFMG;
4 - Sarau de Experiências - espaço para a mostra de trabalhos que @s participantes levarem como vídeos, áudios de programas de rádio, material impresso etc;
5 - Mesa redonda: "Direito à Comunicação" - trabalhar e aprofundar as contradições do processo comunicacional popular – potencialidades e desafios;
6 - possibilidades existentes, meios, sugestões e parcerias para o fortalecimento de uma rede de comunicadores(as) do Vale do Jequitinhonha;
7 – Oficinas;
8 – Teatro.
O Encontro é uma realização da ASA /UGT Cáritas Diocesana de Araçuaí em parceria com a UFMG Pólo Jequitinhonha e da AIC, com apoio do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Doenças atacam cortadores de cana e suas famílias

Coluna, depressão e alcoolismo:
os males da cana no Vale do Jequitinhonha
Trabalhadores e parentes adoecem devido ao esforço físico inadequado na árdua tarefa nos canaviais, na lavoura e em função das provações causadas pela separação da família.

Um trabalhador do Vale do Jequitinhonha retornou antes da hora do corte de cana em São Paulo com problemas mentais. “Ele surtou, não agüentou”, avalia o psicólogo Lincoln Campos Vieira, coordenador do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) em Minas Novas, a 493 quilômetros de Belo Horizonte. Conversando com o trabalhador, o psicólogo descobriu o que desencadeou a doença: ele tinha trabalhado calçando uma bota dois números menores que seu pé. “Há casos em que a pessoa já tem um distúrbio que ‘acorda’ quando ela passa por determinada provação”, explica. Há muita provação para essa gente. Além do trabalho rude no corte da cana, continuado e eventualmente sem folgas, há mudanças culturais, distância de casa, preocupação com a sobrevivência da família durante a ausência do provedor e o uso de substâncias como álcool.
A partir da observação de problemas como esse, autoridades de saúde da região começaram a notar outras conseqüências da migração dos homens para os canaviais: seus familiares passaram a apresentar problemas de coluna, depressão e alcoolismo. Com a ausência do homem adulto durante até oito meses por ano, mulheres e crianças ficam obrigados ao trabalho duro, como carregar peso e capinar. “Nunca vi região com níveis de alcoolismo entre as mulheres como aqui”, observa o psicólogo.
“Os homens voltam doentes e as mulheres que ficam adoecem também, assim como as crianças”, diz a secretária executiva do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Jequitinhonha (Cismej), a assistente social Maria de Jesus Loredo Rocha, a Zuzu, ao salientar que já se foi o tempo em que a preocupação maior era com as condições de trabalho do cortador de cana. “As implicações são diversas e não temos que olhar apenas a questão trabalhista. É simplista demais”, denuncia Zuzu, que vive há 20 anos em Araçuaí.
Mulher no trabalho pesado
Na comunidade quilombola de Mocó, em Berilo, Sanete Esteves de Souza, de 36, tem oito filhos menores de 16 anos para cuidar. Os mais velhos já ajudam na lida quando o pai Domício Cassimiro de Assis, de 35, está fora. Por causa das dificuldades físicas, ele não corta mais cana e, por isso, procura trabalhos menos pesados. “Aqui, de junho a dezembro, é a mulher que faz o trabalho pesado”, conta Sanete, que conseguiu se formar na oitava série no ano passado e sonha em ser advogada, principalmente para lutar pelos direitos de sua comunidade. Ela lamenta que não havia lei que obrigasse os pais a mandar os filhos à escola quando era menina. E também o fato de não haver facilidades para ir à escola. “Fui criada fazendo o serviço pesado e quero que meus filhos cresçam numa comunidade melhor”, afirma.

Por precisão, Maria Rosa Mendes de Souza, a Rosinha, de 40 anos, trabalha desde os 14 capinando roças. O marido sempre trabalha fora, buscando renda, e deixa por sua conta as tarefas da casa, na comunidade de Campo do Buriti. Ela limpa ainda o terreno de outras pessoas, para ganhar algum dinheiro. A conseqüência do trabalho pesado, que exige uma postura correta, ela sente na hora de dormir. “Minha coluna é que atrapalha, porque dói muito à noite”, diz. Ela e a filha mais velha, Sirlene Lopes de Souza, de 21, são exemplos típicos de mulheres do Vale do Jequitinhonha que fazem o serviço “de homem” enquanto os maridos migram. “Ajudo minha mãe desde que me entendo por gente”, diz a moça.

As duas estão empenhadas em capinar o milharal e comemoram o fato de a chuva ter amaciado a terra, o que não torna o trabalho menos rude, e acham natural fazer o trabalho na ausência dos homens. “Temos que dar uma força porque não dá para pagar um camarada. Todo mundo tem que saber que as mulheres são lutadoras da roça”, diz, referindo-se ao fato de que o esforço feminino no Jequitinhonha não é reconhecido. Mas essa luta tem conseqüências. No banco em frente à clínica de fisioterapia de Minas Novas, cinco mulheres aguardam o início do expediente para o tratamento. A mais nova tem 44 anos e a mais velha, 92 anos. Todas têm a mesma dor: na coluna.

Esta reportagem foi realizada por Maurício Lara, para o Estado de Minas, 02/03/2008.
Continua muito atual.

Briga da Globo com a Record: quem ganha com isso?

Globo perde audiência, poder econômico e político
José Augusto

A TV Globo, ao declarar guerra à TV Record, acabou dando um tiro no pé, conseguindo chamar atenção para a concorrente, e perdeu audiência.

Durante o domingo, a Record conseguiu a liderança de audiência em diversos horários.

Segundo os índices prévios da Grande São Paulo, o Domingo Espetacular chegou a vencer o Fantástico por 22 a 16 pontos.O Reality Show "A Fazenda", superou a meta que a Record havia estabelecido: passou dos 30 pontos, chegando a 32 pontos contra 9 da Globo, a maior diferença na história da Record sobre a concorrente.

O filme “A Era do Gelo” também ocupou a liderança isolada com 14,5 pontos.Durante todo o

Domingo, na média SP, a Record conseguiu audiência muito próxima à da Globo:

Globo: 15,9; Record: 12,5; Sbt: 8,1; Band: 2,6; RedeTv: 2,2; Cultura: 1,1.

Nesta segunda, 24.08, na programação matinal a Globo caiu para o terceiro lugar às 10hs. A Record atingiu o dobro da audiência da Globo no Rio de Janeiro, e quase o dobro em SP.

Às 9:59 h - SP - Record: 8,4; Sbt: 6,6; Globo: 4,8.

Às 10:00 h - Rio - Record 12,0; Sbt 9,4; Globo 6,1.

O que o povo ganha com a briga dos Marinho com Macedo? Ou o que programas de entretenimento como reality show, Gugu, Faustão afeta a política nacional?

A Globo perde poder econômico, político, e capacidade de manipular eleições.

Ao dividir a audiência, dividirá também as verbas do mercado publicitário (tanto público como privado), e perderá poder econômico.

Ao ter telejornais competindo de igual para igual, perde o monopólio da "formação da opinião pública", e a capacidade de exercer lobby e manipulação política.

Fica mais complicado esconder notícias, que o concorrente levará ao ar, pois acabará perdendo mais audiência do que perdeu, quando o telespectador se dá conta que está sendo mal informado.

Fica mais complicado não dar direito de resposta, pois a resposta será conseguida no concorrente.

A Globo sempre atuou em simbiose com o poder. Trocava apoio político na linha editorial por acesso privilegiado aos cofres públicos. A Globo sempre ajudou a eleger "amigos" e depois recebia seu quinhão em troca do apoio ao governo, seja através de anúncios superdimensionados (como a propaganda da SABESP em rede nacional), seja através de empréstimos generosos, concessões indevidas, facilidades nos ministérios para si, e imposição de dificuldades para a concorrência.

O esquema da Globo de simbiose com o poder federal desandou com a eleição de Lula.

Ela tenta recuperar com a eleição de Serra.Com menos audiência, e com a Record nos calcanhares, a Globo vai continuar manipulando até 2010 para tentar eleger Serra, mas terá mais dificuldade em convencer, terá que ser mais sutil, uma vez que haverá um noticiário de contraponto, com audiência de peso.

Por outro lado, por mais que a Record cresça, nunca conseguirá ter o poder que teve a Globo no passado, e por isso não corremos o risco de trocar um monopólio privado por outro.

Hoje existe a internet como fonte de informação, e a cada mês mais brasileiros ingressam na rede, e a usam com fonte de informação, reduzindo a influência da TV.

A TV digital, também criará, a médio prazo, um ambiente de diversidade de canais gratuitos semelhante às TV's por assinatura, incluindo os canais públicos e comunitários.

Os movimentos socais pela democratização dos meios de comunicação também se mobilizam e conquistam apoios oficiais no governo federal. É certo que haverá conquistas, em maior ou menor escala, dependendo da pressão popular.

10 ª Copa Aranãs começa dia 30 com 13 times
Prefeito de Capelinha não cede Estádio Municipal para jogos
A 10ª Copa Aranãs FM de Futebol tem início no próximo final de semana, no dia 30 de agosto, indo até 15 de novembro. O torneio é uma organização da Rádio Aranãs FM, de Capelinha, com o patrocínio da Super Safra Agropecuária.
Este ano terá a participação de 13 times de 9 cidades do Alto Jequitinhonha e do Vale do Mucuri: Atalanta e Colegial, de Itamarandiba; Cometa e Unidos do Morro, de Água Boa; Angelândia; Atalanta, de Malacacheta; Novo Cruzeiro; Setubinha; Minas Novas; Turmalina; e Aranãs, Cometa e Independente, de Capelinha.
Regras da disputa
O evento será disputado em 04 fases, sendo as equipes distribuídas em 04 grupos (A, B, C e D), sendo um grupo composto por 04 times e os outros com 03 times cada.Na 1ª Fase, os times dos grupos A, B e C jogarão entre si, com jogos de ida e volta. No grupo D os times jogarão apenas uma vez com cada equipe adversária, sendo todos os jogos na cidade de Angelândia. Classificarão para a 2ª Fase os dois times de cada grupo que terminarem em 1º e 2º lugares.
Os grupos da Copa ficaram assim divididos:
Grupo A: Atalanta e Colegial (Itamarandiba) e Cometa (Água Boa); Grupo B: Atalanta (Malacacheta), Novo Cruzeiro e Setubinha; Grupo C: Minas Novas, Turmalina e Unidos do Morro (Água Boa); Grupo D: Angelândia, Aranãs, Cometa e Independente.
Os jogos iniciais serão no dia 30, domingo, às 15:30 h. As partidas já confirmados são: Atalanta X Colegial, em Itamarandiba; Novo Cruzeiro X Setubinha, em Novo Cruzeiro; Turmalina X Minas Novas, em Turmalina; e Aranãs X Angelândia, em Angelândia.
Politicagem
O fato constrangedor desta tradicional competição esportiva regional foi a posição do prefeito Gelson Cordeiro, de Capelinha, em não ceder o Estádio Municipal para a realização dos jogos dos três times da cidade. Com isso, o tradicional Capivari, bicampeão da Copa Aranãs, finalista de outras, ficou de fora da competição. Os times de Capelinha jogarão na cidade vizinha de Angelândia.
A atitude do prefeito de Capelinha é claramente uma posição político-partidária por à frente da organização da Copa Aranãs estar o radialista e líder político Tico Neves, do grupo dos Pimenta, seu principal adversário. Esta é a primeira vez que os times da cidade não jogam no seu campo.
Custos altos
Times de outras cidades como Berilo (campeão em 2001), Carbonita, Francisco Badaró e Leme do Prado deixaram de participar devido aos altos custos da Copa Aranãs. As Prefeituras estão com dificuldades e os pequenos empresários/patrocinadores também.
O torneio não é restritamente de futebol amador. Pode ser classificado como semiprofissional. Os times se reforçam com jogadores que já disputaram o Módulo II do futebol mineiro ou pagam cachês a jogadores de destaque na região para participar de suas agremiações.
O cálculo de gastos de um time pode chegar a R$ 20 mil ou mais se chegar à fase final.